/

Governo vai distribuir vouchers para a compra de eletrodomésticos eficientes

1

Manuel de Almeida / Lusa

O secretário de Estado da Energia, João Galamba

O Governo vai distribuir vouchers a famílias de menor rendimento para a apoiar a compra de eletrodomésticos mais eficientes, adiantou João Galamba, secretário de Estado da Energia, em entrevista ao Jornal de Negócios.

Em declarações ao Jornal de Negócios, numa entrevista publicada esta quarta-feira, o secretário de Estado da Energia, João Galamba, avançou que o Governo planeia distribuir vouchers para apoiar a compra de eletrodomésticos mais eficientes em famílias com menor rendimento. O objetivo passa por combater a pobreza energética.

“Uma das medidas que estão previstas, sobretudo para as famílias de menor rendimento, são vouchers de apoios na compra de equipamentos mais eficientes”, revelou João Galamba quando questionado sobre que medidas estão a ser estudadas para combater a pobreza energética.

O governante admitiu que Portugal tem “problemas de pobreza energética maiores do que outros países”. “Os países temperados, como Portugal e Espanha, têm um problema na eficiência energética que os países do Norte da Europa não têm”, explicou.

Além disso, o secretário de Estado da Energia destacou ainda outras medidas tomadas pelo Governo para combater esta situação, nomeadamente a “criação da tarifa social que prevê um desconto de quase 34%” na fatura da luz, bem como a descida do IVA em função do escalão”.

Para já, segundo Galamba, não estão previstas outras descidas adicionais.

Outras medidas que também poderão ajudar a combater a pobreza energética passam por melhorar a eficiência energética dos edifícios em Portugal. Com um investimento anual superior a 300 milhões de euros até 2050, o novo programa visa alcançar a meta de 69% de edifícios renovados até final de 2030.

Em novembro, recorde-se, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, adiantou que está previsto o adiantamento de vouchers para famílias carenciadas investirem na melhoria da eficiência energética dos edifícios, embora não se comprometa com financiamento das obras a 100%.

Em junho do ano passado, pela primeira vez, o Governo anunciou saber quanto seria preciso investir para combater a pobreza energética até 2040: 7.671 milhões de euros – o equivalente a 384 milhões de euros por ano.

  Maria Campos, ZAP //

 

 

 

 

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE