/

Governo pondera financiar “na totalidade ou em parte” os testes covid

2

PSD / Flickr

Luís Marques Mendes

No seu habitual espaço de comentário na SIC, esta segunda-feira, Luís Marques Mendes revelou que o Governo está a estudar a possibilidade de tornar gratuitos ou comparticipados os testes de deteção do SARS-CoV-2.

Na semana passada, António Lacerda Sales, secretário de Estado Adjunto e da Saúde, já tinha admitido que o Governo vai “comparticipar o mais rapidamente possível” os testes de deteção do SARS-CoV-2. Agora, Luís Marques Mendes revelou que está também a ser estudada a possibilidade de um financiamento a 100%.

“Ao que apurei, o Governo está a estudar, e deverá haver uma decisão nos próximos dias, a possibilidade de financiar na totalidade ou em parte os testes que são feitos”, disse, esta segunda-feira, no espaço de comentário na SIC.

A avançar, a medida fará parte da estratégia do Executivo para travar o avanço da variante Delta em Portugal, detalha o Observador.

Na ponderação está o facto de os testes serem gratuitos, ou seja, “financiados na totalidade pelo Estado”, ou “se o peso for muito acentuado, pelo menos uma comparticipação significativa“.

No mesmo comentário, o antigo líder social-democrata disse que, no pacote de medidas do Governo, deverá também estar incluída a vacinação completa de todos os indivíduos das faixas etárias mais avançadas, a aceleração da inoculação entre os mais jovens e a promoção da testagem e da vacinação para garantir acesso aos certificados digitais.

Além disso, o comentador revelou que os adolescentes abaixo dos 16 anos deverão começar a ser vacinados a partir da terceira semana de setembro.

Segundo os dados de Luís Marques Mendes, 94% dos indivíduos acima dos 60 anos já receberam a vacina e já há 5,3 milhões de pessoas com pelo menos uma dose tomada. O comentador considerou que a campanha de inoculação da população contra a covid-19 em Portugal é um “sucesso”.

Remodelação só no pós-autárquicas

“A remodelação deve ocorrer depois das autárquicas. Penso ser esse o calendário que está na cabeça do primeiro-ministro. Julgo, porém, que o primeiro-ministro tem vantagem em antecipá-la. Fazê-la já em julho. Quanto mais cedo, melhor”, afirmou Marques Mendes.

A antecipação da remodelação governamental é apontada pelo comentador como a resposta mais eficaz a uma “degradação” acelerada do Executivo por eventos como os festejos do Sporting ou o surto de covid-19 entre a comunidade migrante em Odemira.

Aliás, estas crises, salientou, mostram que o desempenho do Governo está a ceder ao cansaço pandémico. “Soa a fim de festa”, atirou.

Ainda assim, a remodelação não será “uma tábua de salvação” para o país por dois motivos: primeiro, porque está em “fim de ciclo”; segundo, porque o próprio primeiro-ministro pode estar de saída já em 2023.

Luís Marques Mendes referiu ainda que a remodelação pode ser inócua se ocorrer em “circuito fechado”, isto é, promovendo secretários de Estado a ministros e chefes de gabinete a secretários de Estado.

“Uma remodelação é uma arma de dois gumes. Pode correr bem ou pode correr mal.”

  Liliana Malainho, ZAP //

2 Comments

    • O minorca é porta-voz do governo, porta-voz da oposição, porta-voz do presidente, porta-voz do Benfica, porta-voz da Merkel, etc, etc, etc… enfim, como se costuma dizer, é um “caga-tacos”!!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.