Governo não pediu parecer à CNPD sobre as “bodycams” em polícias. Método vai “aumentar a transparência”

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi pedido qualquer parecer à Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD).

A proposta foi aprovada pelo Conselho de Ministros há cerca de 10 dias. No dia seguinte ao anúncio, o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, Antero Luís, assumiu, em declarações à Antena 1, que a nova lei tem pontos sensíveis que podem suscitar dúvidas no Parlamento.

“Este é um equilíbrio que é necessário fazer. Foi feito no passado, em 2005, em relação à primeira lei de videovigilância, em relação às câmaras fixas, alargou-se depois a alguns sistemas municipais, sistemas rodoviários e zonas de aglomeração de pessoas. Enfim, todos esses sistemas têm vindo a ser assimilados”, disse, sublinhando que essa adaptação tem corrido bem.

Neste sentido, o governante referiu que a CNPD tem feito o seu trabalho, alertando para situações e ajudando a aprimorar as leis.

No entanto, no caso da nova lei que permite aos polícias – PSP e GNR – o uso de bodycams, a CNPD ainda não teve qualquer intervenção, noticia o Público.

Este detalhe foi confirmado ao jornal pela secretária-geral da CNPD, Isabel Cruz, que disse não ter havido ainda nenhum contacto por parte do Executivo.

Elsa Veloso, advogada especialista em Privacidade e Protecção de Dados, explica que a lei não obriga o Governo a consultar a CNPD nesta fase, sendo que a consulta à CNPD pode ser pedida pelo Parlamento quando a lei estiver a ser discutida. Porém, obriga a fazer uma avaliação de impacto sobre proteção de dados para ter um parecer.

“A avaliação de impacto só pode ser feita quando se tem todas as informações”, sustenta a advogada, acrescentando que “a CNPD também só poderá pronunciar-se quando tiver uma proposta de lei com todas as questões materializadas e esse estudo de impacto”.

Por sua vez, o Ministério da Administração Interna (MAI) alega que, na sua interpretação da lei, é o “órgão legiferante” que deve requerer o estudo de impacto e que “o órgão com competência legislativa é o Parlamento” a quem “também cabe pedir o parecer da CNPD”.

As bodycams, pequenas câmaras de vídeo incorporadas nos uniformes dos agentes da PSP, têm sido um dos instrumentos reivindicados pela polícia e alvo de debate, nomeadamente na sequência de alguns casos mediáticos em que imagens de operações policiais são divulgadas através de telemóveis.

Antero Luís disse à Antena 1, por exemplo, que o polícia ou militar vai sempre avisar antes de começar a gravar e que o sistema será sempre auditável, uma vez que as imagens serão descarregadas num sistema que, em princípio estará nas esquadras, mas não conseguiu adiantar o valor do investimento, referindo apenas que o “processo ainda estava no início”.

O secretário de Estado realçou ainda que o uso das bodycams apenas se justificará em situações em que há mais tensão, não sendo necessária, por exemplo, num patrulhamento normal.

“Aumento da transparência”

As body-worn cameras (BWC), nome técnico que define as câmaras portáteis instaladas nas fardas dos polícias, são uma realidade em vários países do mundo e o Reino Unido foi o primeiro do país a testá-las, tendo iniciado os primeiros testes em 2005, nos condados de Devon e Cornwall.

O primeiro passo foi dado e desde então tem-se assistido a uma expansão e exploração mundial das BWC nas forças de segurança, e com resultados, na sua maioria, positivos, segundo uma análise feita pelo subcomissário da PSP Nuno Albardeiro, que estudou o fenómeno na dissertação de mestrado, no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.

Nuno Albardeiro realça que os estudos feitos em alguns países revelaram os benefícios que estes dispositivos efetivamente têm nas polícias onde já são usados, tendo concluído que se verificou, por exemplo, “o aumento da transparência e da legitimidade policial, a melhoria da conduta do polícia, a melhoria da conduta do cidadão, a resolução mais célere de queixas contra polícias – e pode ser uma ótima ferramenta na formação policial”, explica ao Público.

As BWC são utilizadas em vários países da Europa como o Reino Unido, França, Itália e Alemanha, mas também já são usadas nos Estados Unidos, na Austrália, na China e até nos Emirados Árabes Unidos.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Só se ligar em. Situações tensas? E quem decide se a situação é tensa ou não? Quem a utiliza? Por essa lógica nem vale a pena gastar dinheiro. Pois duvido seriamente que as liguem se for O caso, ou se liga sempre que entram em contacto com O público ou nem vale a pena… Para apanhar conversas a meio já vasta quando alguém liga O telemóvel para filmar e se perde metade do contexto.

RESPONDER

Concluídas obras de segurança e consolidação da catedral de Notre-Dame em Paris

A fase de segurança e consolidação da catedral de Notre-Dame, em Paris, quase destruída num incêndio há mais de dois anos, terminou, dando lugar à etapa de restauro, anunciaram este sábado as autoridades. Em 15 de …

Certificados de vacinação emitidos por países terceiros reconhecidos para viagens aéreas

Os certificados de vacinação e de recuperação emitidos por países terceiros passam a ser reconhecidos para viagens aéreas, deixando de ser exigido teste negativo e quarentena quando esta seja aplicável em função da respetiva origem, …

Rui Costa, Benfica

Acções do Benfica com comissão milionária a Carlos Janela. Em AG muito quente, sócios gritaram, mas não puderam votar

A Assembleia-Geral (AG) Extraordinária do Benfica de sexta-feira à noite foi muito quente, com cânticos, protestos e pedidos de demissão dos sócios. Enquanto isso há novos dados sobre o negócio de venda das acções do …

"Não tem passado de figurante". Fenprof diz que sistema educativo bloqueava se dependesse do ministro

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, considerou, esta sexta-feira, que sistema educativo em Portugal já tinha bloqueado se dependesse do trabalho do ministro da Educação e do Governo, realçando que o …

País "esqueceu-se de que existe engenharia". Especialistas criticam recomendação da DGS para ventilação nas escolas

Recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a ventilação nas escolas ficam aquém do que seria necessário, dizem especialistas. Tendo em conta que a covid-19 se transmite por aerossóis, é importante que exista uma boa ventilação …

O "ar salazarento" dos ministros na campanha do PS. Temido usou carro do Governo e pode ter cometido crime

A presença de ministros na campanha dos candidatos socialistas às autárquicas está a causar polémica, sobretudo no Porto, com Rui Moreira a criticar "o ar salazarento de chapelada" do PS. Marta Temido, ministra da Saúde, …

Ataques aéreos dos EUA mataram até 48 mil civis em 20 anos. Pentágono admite morte de civis em Cabul

Uma investigação independente concluiu que entre 22 mil e 48 mil civis morreram vítimas de ataques aéreos das forças dos EUA desde o 11 de Setembro. O Pentágono admitiu também que o ataque a um …

Fernando Pimenta é campeão do mundo em K1 1.000 (e aponta a "mais medalhas" do que os golos de Ronaldo)

O canoísta Fernando Pimenta sagrou-se campeão mundial de K1 1.000 metros, ao bater o húngaro Balint Kopasz na final, nos Mundiais de Copenhaga, aumentando para dois os pódios de Portugal na Dinamarca. Na pista quatro, Pimenta …

MNE garante que todos os afegãos que trabalharam com o Exército português foram retirados do país

O ministro dos Negócios Estrangeiros garantiu esta sexta-feira que o Governo apoiou a retirada de todos os afegãos que trabalharam com as forças portuguesas no Afeganistão, reconhecendo ser "provável" alguns não terem respondido aos contactos. "Nós …

"Não quero ser arrogante: o melhor médio da Premier League sou eu"

Yves Bissouma joga no Brighton e tem despertado o interesse de clubes ingleses de outro nível. Cresceu no Mali ao serviço do Majestic SC, passou pelo AS Real Bamako antes de rumar à Europa. Começou por …