Depois das praias, Governo admite colocar semáforos em zonas de maior risco de covid-19

José Sena Goulão / Lusa

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, adiantou, em entrevista à SIC Notícias, que o Governo está a estudar implementar um sistema de semáforos para identificar as zonas de maior risco de covid-19 em Portugal.

Em entrevista à SIC Notícias esta quarta-feira, António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, disse que a medida de implementar um sistema de semáforos para identificar as zonas de maior risco de covid-19 pode vir a ser incluída no plano para responder à pandemia no período do outono/inverno.

“Estamos a estudar a possibilidade através de planos de mapas de risco epidemiológico e temos aprendido com alguns países nessa área. A ideia também é desenvolver neste plano essa ideia em diferentes camadas. Numa primeira camada, fazer uma avaliação da evolução epidemiológica e de alguns indicadores nomeadamente na incidência cumulativa por 100 mil habitantes. Na segunda camada, utilizar um processo de semáforos, que ainda está em discussão a nível europeu”, disse o governante.

Questionado sobre um estudo da Oliver Wyman, empresa que presta consultoria a entidades públicas como o Governo brasileiro, que aponta para 1.700 casos diários no pico do outono, Lacerda Sales refere que “temos de preparar o pior e esperar o melhor”.

Em relação à questão da segunda vaga, Lacerda Sales não se comprometeu com números. “As designações, por vezes, são muito subjetivas”, respondeu.

O secretário de Estado garantiu a autonomia completa das autoridades nacionais. “Temos aprendido muito com a experiência de outros países, mas pensamos pela nossa cabeça”, disse.

“Estamos a apresentar até ao fim da semana o plano outono/inverno”, reforçou. “Plano destes têm também um objetivo comunicacional. É como uma vacina: não podemos administrar excessivamente antes porque senão perde imunicidade.”

No dia em que Portugal superou os 70 mil casos desde o início da pandemia e voltou a ficar acima dos 800 diários, o responsável do Governo garantiu que o país não está “refém da covid” e elogiou o “comportamento exemplar” do “povo português”.

É preciso “agir depressa” em relação a testes rápidos

O ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes defendeu esta quarta-feira que é preciso ser “ágil e agir depressa” sobre a utilização dos testes rápidos para “controlar melhor” o circuito de transmissão de covid-19.

“Era importante que não se demorasse muito tempo a tomar uma decisão sobre a difusão e a disseminação da utilização dos testes rápidos”, disse à agência Lusa o especialista em Saúde Pública. Para Adalberto Campos Fernandes, esta decisão “ajudará a todos a controlar melhor o circuito de transmissão da infeção”.

“Eu creio que, neste momento, é preciso nesse domínio ser ágil e agir depressa”, defendeu Adalberto Campos Fernandes, que foi ministro da Saúde entre 2015 e 2018.

Estela Silva / Lusa

O ex-ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou esta quarta-feira que a utilização de testes rápidos de detenção de covid-19 será definida no final da semana por um conjunto de peritos, ressalvando que a fiabilidade dos resultados é uma preocupação.

“Temos um painel de peritos a trabalhar desde o início da semana no assunto e até ao final da semana teremos uma definição das circunstâncias em que estes testes poderão ser utilizados, estando sobretudo em causa o contexto da sua utilização”, afirmou Marta Temido, na conferência de imprensa regular sobre o desenvolvimento da pandemia em Portugal.

A ministra reforçou que os testes rápidos de antigénio ainda não estão recomendados em Portugal para diagnóstico de casos de infeção pelo vírus SarCov-2 e que a grande preocupação é a sua segurança e a fiabilidade dos resultados, recordando que as opções técnicas destes testes são muito recentes.

Estes testes não eliminam a hipótese de ocorrência de falsos negativos, são testes que podem ter baixa sensibilidade em indivíduos assintomáticos ou com uma carga viral baixa”, afirmou Marta Temido, sublinhando que a maioria dos países europeus ainda não os utiliza como testes de diagnóstico. “O que nos interessa é ter testes que nos garantam a fiabilidade dos resultados”, insistiu a ministra.

A estratégia de testagem para o novo coronavírus passa por garantir “resultados rápidos e segurança e por isso é importante estratificar os vários testes laboratoriais de acordo com a sua finalidade”.

O Plano Saúde Outono Inverno 2020/2021 já prevê a inclusão de dois tipos de teste: testes rápidos em menos de 60 minutos e testes com resultados disponíveis em 24 horas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Situação clínica de Alfredo Quintana é "muito grave"

Alfredo Quintana, guarda-redes de andebol, de 32 anos, sofreu uma paragem cardíaca num treino, na segunda-feira. Encontra-se internado no Hospital de São João, no Porto, e a situação clínica é "muito grave". A situação clínica …

Documentos mostram que assassinos de Khashoggi usaram aviões de empresa controlada pelo príncipe herdeiro

Documentos judiciais revelam que os dois jatos particulares usados ​​pelos supostos assassinos do jornalista Jamal Khashoggi pertenciam a uma empresa que, menos de um ano antes, tinha sido apreendida pelo príncipe herdeiro da Arábia Saudita. Os …

António Guterres agradece confiança do Governo português

O secretário-geral da ONU expressou, esta quarta-feira, agradecimento e humildade por receber o apoio oficial do Governo português para um segundo mandato e prometeu fazer de tudo para continuar a ser digno da renomeação. "O secretário-geral …

Israel identifica cidadãos que não foram vacinados. Na Galiza, quem recusar vacina arrisca multa

O Parlamento israelita autorizou esta quarta-feira o Ministério da Saúde a comunicar às entidades públicas do país as identidades de pessoas não vacinadas contra a covid-19, levantando preocupações sobre a privacidade dos cidadãos que recusam …

Testes por saliva usados em eventos-piloto antes de festivais de verão

Os agentes ligados a festivais e concertos e a Direção-Geral de Saúde (DGS) vão realizar várias experiências-piloto para se perceber em que moldes se podem concretizar os festivais de música no verão. Uma das ideias é …

Mais 49 mortes e 1.160 casos de covid-19. Há menos doentes internados do que no Natal

O boletim divulgado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que foram registados 1.160 novos casos de covid-19 em Portugal. Nas últimas 24 horas, morreram 49 pessoas. Portugal registou, esta quinta-feira, 1.160 novos casos de …

Bruxelas vai rever regras de uso de telemóvel em roaming

A Comissão Europeia vai rever as regras sobre o roaming do telemóvel, ajustando as tarifas máximas e aumentando a transparência, tendo em vista que o regulamento em vigor caduca a 30 de junho de 2022. Segundo …

Amnistia Internacional retira estatuto de prisioneiro de consciência a Navalny

A Amnistia Internacional anunciou que não pode considerar o principal opositor russo um "prisioneiro de consciência" devido a algumas declarações nacionalistas e xenófobas feitas por si no passado. Esta informação foi revelada, na terça-feira, pelo jornalista …

CGTP volta à rua com concentrações nos distritos e greves e plenários nas empresas

A CGTP vai voltar à rua pela valorização dos salários e do emprego e o respeito pelos direitos individuais e coletivos. A CGTP volta à rua com uma Jornada Nacional de Luta descentralizada para exigir melhores …

27 reúnem-se numa videocimeira para discutir restrições e a aceleração do processo de vacinação

Esta quinta-feira, os 27 reúnem-se virtualmente, numa cimeira coordenada, a partir de Bruxelas, pelo presidente do Conselho Europeu Charles Michel.  Segundo apurou a TSF, na videocimeira desta quinta-feira, os governos deverão reconhecer que a situação epidemiológica …