“Guerra Civil” em Paris. Governo admite declarar estado de emergência

Yoan Valat / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu este sábado “nunca aceitará a violência”, numa referência aos desacatos, à margem das manifestações, em Paris, dos ‘coletes amarelos’, que exigem mudanças nas políticas e temem que o país entre em “Guerra Civil”.

“Nada justifica que as forças da ordem sejam atacadas, que as lojas sejam saqueadas, que os transeuntes ou os jornalistas sejam ameaçados, que o Arco do Triunfo esteja contaminado”, afirmou o chefe de Estado, em Buenos Aires, no final da cimeira dos G20.

Macron garantiu que os responsáveis pela violência, ataques e vandalismo “serão responsabilizados pelos seus atos” e que no domingo se realizará uma reunião de emergência governamental. Segundo Macron, os protestos deste sábado causaram dezenas de feridos e levaram à detenção de pelo menos 224 pessoas e que “nada tem a ver com a expressão pacífica de uma raiva legítima”.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, decidiu anular a sua viagem à Polónia para a cimeira sobre o clima COP 24, devido aos desacatos violentos.

Já o ministro francês do Interior, Christophe Castaner, denunciou uma “estratégia de profissionais da desordem, de profissionais do caso”, em declarações à TF1.O governante indicou que a situação está mais calma ao início da noite, mas que “não está completamente segura” na capital francesa.

Em declaração à BFMTV na noite de sábado, Castaner não excluiu a hipótese de declarar estado de emergência no país. “Para mim não há tabu. Nenhuma medida pode ser excluída”, afirmou quando questionado sobre essa possibilidade.

“Vamos estudar os procedimentos que nos permitam garantir a segurança”, acrescentou. “Tudo o que permita isso não é, para mim, um tabu. Estou pronto para tudo”.

À luz da lei francesa, o estado de emergência é declarado em “em casos de perigo iminente, como resultado de quebras na ordem pública ou no caso de ameaças, pela sua natureza e gravidade”, nota o Público. É uma ferramenta de último recurso e só pode ser declarada num período máximo de 12 dias – que podem ser prolongados pelo Presidente.

A medida vem reforçar os poderes do Governo e do Presidente da República, podendo, entre outras medidas, impor uma hora de recolher obrigatório, proibir o ajuntamento de pessoas, encerras espaços públicos.

Etienne Laurent / EPA

“Coletes amarelos” não desistem e denunciam “Guerra Civil”

Os confrontos entre “coletes amarelos” e a polícia começaram neste sábado cedo junto ao Arco do Triunfo, em Paris, com utilização de gás lacrimogéneo e canhões de água, mas os manifestantes dizem que, se for necessário, voltarão no próximo sábado.

“Quanto mais eles nos mandam gás, mais as pessoas ficam em cólera. Se nos deixassem manifestar nos Campos Elíseos e sem gás, as coisas não seriam assim. Hoje tenho medo que a França entre em guerra civil.”

Se for necessário, voltarei no próximo sábado”, afirmou Corinne, “colete amarelo” vinda das imediações de Paris, em declarações à Lusa, junto ao Arco do Triunfo.

Ao contrário da semana passada, neste sábado os Campos Elíseos estiveram completamente controlados pela polícia. Revistas, controlos de identidade e barreiras intransponíveis estão montadas em todas as ruas que dão à avenida. Foram encontrados martelos e outros materiais que poderiam ser utilizados contra a polícia nas malas de alguns dos manifestantes, segundo os meios de comunicação franceses.

Foram mobilizados 4.000 polícias para manterem a ordem nos Campos Elíseos.

Resta assim aos cerca de 1.500 manifestantes, que não aceitaram submeter-se ao controlo da polícia, concentrarem-se à volta do Arco do Triunfo, também apelidado de Praça da Estrela, por ser uma rotunda que reúne várias avenidas.

Com todas as ruas controladas pela polícia, os manifestantes ficaram no junto ao arco e tentam forçar as barreiras, sendo constantemente atingidos por granadas de gás lacrimogéneo e canhões de água.

“Sempre que os manifestantes tentam passar, somos gaseados. Tentam conter-nos aqui. Mas eu acredito que só precisamos venham mais pessoas, sem força nunca teremos nada em França. As pessoas não vêm para passear ou para visitar o Arco do Triunfo, vêm porque estão fartas desta situação”, disse Dominique, vindo dos arredores de Paris.

Dominique afirma ser “um avô pacifista”, reconhecendo que há pessoas que se infiltram no movimento só para destruir a cidade. Fonte policial, citada pelos meios de comunicação franceses, referiu que dez polícias ficaram feridos.

As reivindicações dos coletes amarelos não mudaram, mesmo depois do Presidente se ter dirigido à nação na passada terça-feira. Carga de impostos, perda do poder de compra e desilusão geral com o Governo são as queixas mais comuns entre quem escolheu vir a Paris manifestar. Anais, Marie e Gaelle vieram da Bretanha, no sudeste da França, e dizem que já só querem a demissão de Macron.

“Estamos fartas. Já nos mentiram o suficiente. Só queremos a demissão dele, já não podemos ver. Pagamos demasiado impostos, no dia 15 do mês já não temos dinheiro para comer, não podemos ter filhos porque temos medo de não lhe dar um futuro”, disseram em uníssono Anais, Marie e Gaelle.

O movimento de “coletes amarelos” nasceu espontaneamente num sinal de protesto contra a taxação de combustíveis em França. As ações de contestação estão a causar grande embaraço ao Governo francês, tendo corrido mundo as imagens de confrontos entre manifestantes vestindo coletes amarelos e a polícia, no passado sábado, na emblemática avenida dos Campos Elíseos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Estes manifestam-se por tudo e por nada. O que querem é pretexto. Há outros povos que é o caso do Português que só vai querer actuar quando lhe tirarem a camisa do corpo e nada tiver. Os Franceses são dos países que ainda tem muitas benesses em comparação c/ outros países europeus.
    Os Franceses quando querem deitar um governo abaixo vão por todos os meios p/ o fazer. Há certos atos que não são admissíveis, tais como pilhagens e destruição…

  2. Pois, confesso que me orgulhei da nação Francesa quando vi as imagens das manifestações e as declarações dos cidadãos, que sabem muito bem quem é o culpado de tudo, até dos atos de vandalismo que ocorreram.
    Fui esclarecedor ver uma vítima dos atos de vandalismo culpar o déspota Macron, e ver um manifestante que praticamente não consome combustíveis fósseis dizer que estava na manifestação por solidariedade.
    Eu, também por solidariedade e porque em Portugal me sinto enganado, tenho feito todas as minhas viagens de carro dos últimos dias com colete amarelo vestido.
    Estarei certamente presente em qualquer manifestação que entretanto se organize por cá, onde basicamente temos visto diariamente manifestações de pessoas preocupadas com questões que afectam, unicamente, o seu umbigo, esquecendo por completo as questões que nos afetam a todos nós!

    https://scontent.fopo3-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/46513264_2411421778872946_7337029770615455744_n.jpg?_nc_cat=108&_nc_ht=scontent.fopo3-1.fna&oh=03a2ab863e355e627caec5fd04e2b314&oe=5CA5B01E

  3. Nós por cá estamos mais preocupados com coisas que verdadeiramente interessam, como mudar o nome do cartão de cidadão para cartão de cidadania, ou pôr cães e gatos à batatada dentro dos restaurantes.

    Já agora, o Vitória será melhor para o Benfica que o Jesus? Esta questão não me sai da cabeça, porra!

      • Parece o meu António. Sempre a falar do Benfica. Lá em casa ultimamente temos tido problemas, porque eu agora não prescindo de ver o Casados à Primeira Vista. Já estou a ver que vou ter de me revoltar para fazer valer os meus direitos, e se há coisa de que não prescindo, é dos meus direitos.

          • Olha, e afinal a Cristina Ferreira quando é que irá aparecer na SIC? Estou tão ansiosa por ver o resultado! Tenho discutido imenso sobre esta transferência e já ouvi imensas opiniões, não vejo a hora de confirmar se foi bom ou mal para o país.

  4. A revolta contra o socialismo. França é o país da Europa com a carga fiscal mais alta. A única coisa que os socialistas sabem fazer é inventar e aumentar taxas. Revoltaram-se

  5. Os franceses protestaram e hoje já veio o Governo dizer que vai recuar no imposto sobre os combustíveis. Em Portugal continuamos a ser “roubados” pois já não se trata de impostos, os infelizes proprietários de carros, pagam tudo e mais alguma coisa, são espoliados dos seus vencimentos. Até quanto isto vai continuar, até quando seremos um povo de “mansos”?

RESPONDER

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …