Governo estudou falência da TAP, mas custos seriam “imprevisíveis” (e ninguém sabe quanto custa salvá-la)

Tiago Petinga / Lusa

Os ministros das Infraestruturas e das Finanças, Pedro Nuno Santos e João Leão, no Parlamento.

A falência da TAP esteve em cima da mesa quando se estudou um apoio de emergência à companhia de aviação. Mas o Governo decidiu que a salvação, com o apoio de dinheiros públicos, custaria menos do que deixá-la cair. Só que não equacionou, na altura, que a pandemia se prolongaria por tanto tempo.

Sem a intervenção do Estado, a TAP teria falido e o cenário de insolvência da companhia chegou a ser equacionado, como revelou o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, na conferência de imprensa de apresentação do plano de reestruturação da empresa que foi enviado para a Comissão Europeia (CE).

Mas a falência da TAP implicaria entrar num “processo descontrolado“, alertou o ministro, notando que os custos seriam “imprevisíveis”.

“Quando fazemos a avaliação do que custa salvar a TAP, nunca podemos ignorar o que é que custaria perder a TAP”, apontou Pedro Nuno Santos.

Também o secretário de Estado do Tesouro, Miguel Cruz, confirmou que a falência foi considerada antes de a TAP avançar com o pedido de empréstimo de emergência ao Estado.

“Estávamos num contexto em que o Estado não tinha o controlo accionista (David Neeleman ainda era accionista)”, apontou Miguel Cruz na conferência de imprensa de apresentação do plano de reestruturação.

“Essa análise foi feita, mas o Estado não controlava parte da dívida. Não controlávamos os efeitos de litigância, nem o impacto de abrir uma empresa ao lado”, considerou ainda o secretário de Estado do Tesouro.

Deste modo, o Governo resolveu assumir a factura e salvar a TAP, mas foi num momento em que não contava com o prolongamento da pandemia por tanto tempo.

Um Novo Banco com asas…

A crise provocada pela covid-19 está a agravar de forma drástica as dificuldades financeiras da empresa. Custos acrescidos que não foram contabilizados no momento de ponderar entre a salvação ou a falência da companhia.

Nesta altura, não se pode avaliar com clareza quanto dinheiro é que a companhia de aviação vai precisar nos próximos anos.

Pedro Nuno Santos já apontou que, no pior dos cenários, o montante máximo da ajuda pública à TAP pode variar entre 3.414 milhões e 3.725 mil milhões de euros até 2024.

Mas o Governo espera que os números se fiquem pelos 3,3 mil milhões de euros.

Em qualquer dos casos, os valores estão muito próximos das injecções de capital previstas no Novo Banco, no âmbito do mecanismo de capital contingente, com verbas da ordem dos 3,89 mil milhões de euros.

Governo espera que a TAP comece a pagar em 2025

Pedro Nuno Santos revelou que o Estado português não tem disponibilidade para injectar mais do que 1,4 mil milhões de euros acumulados até 2025.

Assim, parte dos apoios públicos deverá ser prestada através de garantias do Estado para a obtenção de empréstimos – portanto, caso a TAP não consiga pagar, será o Estado a suportar os valores em falta.

A previsão do Governo é que em 2025, a procura por viagens na TAP esteja “muito próxima” dos finais de 2019, o que garantirá “acima dos três mil milhões de euros de receitas”, como apontou o secretário de Estado do Tesouro.

Segundo Miguel Cruz, o Governo tem também a expectativa de que o equilíbrio operacional seja alcançado “algures entre 2021 e 2023”.

“Estamos a projectar resultados líquidos positivos já em 2024, no entanto, só em 2025 é que nós conseguimos ter uma situação de tal forma que permita à TAP gerar os recursos necessários para a sua operação” e para “devolver parte do empréstimo que recebe”, acrescentou o secretário de Estado.

Há pilotos da TAP que ganham 260 mil euros por ano

O plano de reestruturação da TAP prevê o despedimento de 500 pilotos, 750 tripulantes de cabine, 450 trabalhadores da manutenção e engenharia e 250 das restantes áreas.

Além disso, também aponta para a redução de 25% da massa salarial do grupo e do número de aviões que compõem a frota da companhia, de 108 para 88.

O ministro das Infraestruturas referiu, em entrevista à SIC Notícias, que os comandantes com 30 anos de TAP ganham até 260 mil euros por ano, considerando que alguns ordenados da companhia estão “acima dos de algumas concorrentes, como a Iberia”.

Pedro Nuno Santos apontou ainda que um oficial piloto com um ano na TAP aufere 80 mil euros por ano e que um comandante com 10 anos na empresa ganha 185 mil euros por ano.

Dados que o ministro usou para defender os cortes salariais, salientando que esta medida vai permitir “poupar entre 600 a 1.000” postos de trabalho.

Os despedimentos previstos, segundo Pedro Nuno Santos, “não passam dos 2.000” com as condições inscritas no plano de reestruturação.

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) já assegurou que os pilotos estão dispostos a aceitar as condições aplicadas na Lufthansa.

A companhia alemã despediu cerca de 20% dos trabalhadores e fez cortes salariais de 45% no caso dos pilotos e de 25% nos restantes colaboradores.

Lembrando que a TAP “significa muito para Portugal”, o presidente do SPAC vincou que é preciso saber se a companhia está disposta a “negociar”, nomeadamente, a alterar as medidas que têm em vista a redução da despesa, objectivo que salienta ser “possível conseguir”.

Para reduzir a despesa, o SPAC propõe medidas como a redução do número de pilotos seniores, com as reformas antecipadas, a redução do tempo de trabalho ou o recurso às licenças sem vencimento.

O futuro da TAP está agora nas mãos de Bruxelas. A CE vai pronunciar-se sobre a viabilidade do plano de reestruturação. Se não o viabilizar, a Direção-Geral da Concorrência Europeia pode determinar que a empresa tem de devolver ao Estado os 1,2 mil milhões de euros que recebeu de apoios públicos, considerando-os ilegais.

Nesse cenário, a insolvência seria o caminho mais provável e é o que o Governo quer evitar a todo o custo.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

      • Desde que nasceu. Olhe, se não percebe nada disto, não comente. A TAP mesmo nos anos áureos do turismo deu sempre prejuízo. Os emigrantes portugueses não voam pela TAP. A quem é que interessa realmente a TAP? A ninguém… para além do poder político.

        • A TAP só interessa à esquerdalhada. Faz parte do pacote “MAIS ESTADO” por que eles tanto se batem. A TAP é uma questão ideológica, pura e simples. Acabem com essa porcaria, que tanto sangue nos chupa.

      • A TAP é uma empresa falida e sem qualquer viabilidade. É mais um Novo Banco. Os políticos foram metendo gente lá para dentro: chegaram aos 11000 empregados. E depois os altos preços praticados, face aos low-cost da concorrência, fizeram da TAP uma empresa “já foste”. A privatização tinha chegado no momento oportuno, só que a corja governativa esquerdoide pôs tudo por água a baixo. Agora é tarde de mais. Agora o contorcionismo de quem governa não chega para evitar a sua total falência, mais tarde ou mais cedo. Entretanto o povo vai pagando por estas misérias de pseudo governação.

  1. Desde o grande 25 de 74 , que qualquer empresa controlada total ou parcialmente pelo Estado , é um desastre para os contribuintes e assim continuará a ser…

  2. Eu, enquanto “sócio” dessa “empresa” (entre aspas porque uma empresa é algo que existe para dar lucro, e não para uns políticos bandidos e corja associada andarem a brincar aos aviões) voto pelo seu fecho imediato. E dou uma ajuda fazendo rapidamente as contas a quanto custa fechar… Exactamente zero euros. A responsabilidade é limitada e portanto nem mais um euro teria que entrar.

RESPONDER

PSP propôs festa dos adeptos dentro de Alvalade, mas "não foi aceite"

A PSP avança que sugeriu, na reunião de preparação da festa do título, que os festejos ocorressem dentro do Estádio de Alvalade, mas que a proposta não foi aceite. Esta quinta-feira, o presidente da Câmara de …

Nuno Tavares e Rui Patrício podem juntar-se a Mourinho

Treinador português vai liderar a Roma e pretenderá contar com dois compatriotas na sua nova equipa. Mais de uma década depois, José Mourinho vai voltar ao campeonato italiano. O futuro treinador da Roma pode, tal como …

Governo vai dar apoio de 500 euros a quem quiser completar a sua formação

O Governo quer aumentar as taxas de conclusão dos níveis de qualificação e como tal vai criar um incentivo financeiro atribuído a quem já tenha avançado no processo e esteja na fase final. O valor …

Congressista republicana persegue Ocasio-Cortez nos corredores do Capitólio

A congressista republicana Marjorie Taylor Greene perseguiu a democrata Alexandria Ocasio-Cortez pelo corredores do Capitólio, acusando-a de ser cobarde e de apoiar terroristas. A congressista do Partido Democrata Alexandria Ocasio-Cortez saiu à frente de Marjorie Taylor …

Sérgio Conceição admite pausa na carreira

O treinador do FC Porto terá em cima da mesa a possibilidade de fazer uma pausa na carreira, mas só vai decidir o seu futuro depois do fim do campeonato. Quem avança esta possibilidade é o …

Ministra garante que Ticão não será extinto e que "nada ficará como antes"

A ministra da Justiça disse, esta quinta-feira, que "nunca nada ficará como antes" no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), o chamado Ticão, mas que não será extinto. Falando à margem da reinauguração das instalações do …

Real Madrid goleia em Granada e continua a sonhar com o título

Os madrilenos golearam em casa do Granada (4-1), esta quinta-feira, em jogo da 36.ª jornada, o que lhes permite continuar a sonhar com a conquista do campeonato. Os golos foram marcados por Modric (aos 17 minutos), …

PS e PAN avançam com direito ao esquecimento para quem sobreviveu ao cancro

O Parlamento vai aprovar esta sexta-feira, na generalidade, projetos-lei para acabar com a discriminação de pessoas que tiveram cancro no acesso a seguros de vida. O PS apresenta esta sexta-feira uma proposta no parlamento para quem …

Estudo mostra que é seguro misturar vacinas, mas DGS quer mais detalhes

O novo estudo dá indicações sobre a segurança da administração de vacinas de marcas diferentes – uma das opções possíveis em Portugal para o meio milhão de pessoas com menos de 60 anos que receberam …

Romualda Fernandes - PS

"Erro" ou "canalhice"? Editor da Lusa demite-se após referência racista a deputada do PS

A Lusa está no olho do furacão depois de um jornalista da casa ter identificado a deputada do PS Romualda Fernandes como "Preta" numa peça que acabou por ser replicada em vários jornais online. O …