A pesquisa do Google diz que o Holocausto nunca existiu (e a empresa recusa corrigir)

Norman M. Faye / Wikimedia

Cadáveres empilhados no crematório do campo de concentração de Buchenwald.

Se pesquisar no Google “did the holocaust happen?” (o holocausto aconteceu?), o primeiro resultado é uma página que apoia o movimento neonazista e defende que o assassinato de cerca de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial nunca aconteceu.

Tal como acontece com o mais recente fenómeno das notícias falsas fabricadas em série, a que o Facebook tem conferido credibilidade e aura de verdade, para a generalidade da opinião pública isto é preocupante – mas a resposta do Google foi muito mais.

Em declarações à revista Fortune, a empresa diz que está “triste por ver que as organizações de ódio ainda existem”, mas não “remove o conteúdo dos resultados de pesquisa, exceto em casos muito limitados, como conteúdo ilegal, malware e violações das nossas diretrizes para webmasters”.

O porta-voz do Google acrescentou que “o facto de que sites de ódio apareçam nos resultados da pesquisa não significa que a empresa aprove esses pontos de vista“, destaca o Quartz.

Os resultados da ferramenta de pesquisa configuram um reflexo da informação disponível na Internet, classificando a ordem dos resultados de acordo com a sua relevância, através de algoritmos.

Por isso, “os sites que propagam desinformação agressiva como esta”, diz o Google, estão fora do seu alcance.

Até hoje, várias pessoas continuam a negar o maior genocídio do século XX, culpando os judeus por fabricar ou exagerar o evento traumático. Infelizmente, estes grupos têm ganho cada vez mais popularidade – em parte, graças ao Google.

O primeiro artigo que aparece na pesquisa em inglês sobre se “o holocausto aconteceu” remete para um fórum com o artigo principal a divulgar “as 10 principais razões pelas quais o holocausto não aconteceu”.

-

O artigo está num site de supremacistas brancos que ganhou a notória reputação de ser o principal site de ódio da Internet desde sua fundação pelo líder do movimento Ku Klux Klan, Don Black, em 1995.

Um utilizador do fórum Stormfront diz que “a prova mais convincente de que o holocausto é uma mentira é o facto de que houve sobreviventes”.

Com o site a ganhar cada vez mais reputação e a aparecer numa posição elevada nos resultados de pesquisa do Google, a organização racista provavelmente está a ganhar cada vez mais seguidores e leitores, o que por sua vez manterá o fórum como “relevante” em pesquisas futuras.

Muitos utilizadores do Google têm alertado que, tal como o Facebook não pode escapar da responsabilidade de fomentar notícias falsas, o “gigante” mecanismo de busca também não pode simplesmente permitir a divulgação de mentiras.

BZR, ZAP

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

  1. Trata-se de algo que nos sugere uma noticia de uma senhora grávida que dizia sofrer de “barriga de agua”-Ser nazista não é hoje (nem tallvez o tenha nunca sido) uma opção politica ;trata-se de um caso patológico do foro mental.
    Tenhamos pena e auguremos uma possibilidade de cura.

  2. Artigo completamente parcial: “Isto e´preocupante…”; “Infelizmente, estes grupos têm ganho cada vez mais popularidade”; “maior genocídio do século XX”.. – o que dizer dos Bolcheviques, Khmer Rouge, Mao-Tse etc??

    Se abécula que escreveu isto se desse ao trabalho de pesquisar um pouco – e não, não é pesquisar no google – facilmente chegaria à conclusão que os números foram extremamente exagerados e certas tecnologias de extermínio (ex.: camaras de gaz) não coincidem com as instalações que tanto nos mostram.

    Como Hollywood é controlado por zionistas, todos os anos temos que levar com “n” filmes e “documentários” sobre o 3º Reich e aceitá-los como a VERDADE ABSOLUTA e questionar o que quer que seja sobre isso é herético!… – a carneirada agradece.

    A meio do ano virão os sobre a escravatura – culpa do homem branco claro – porque todas as civilizações antes dos impérios europeus NUNCA usaram escravos..

    BZR acaba lá o estágio e vai trabalhar pró Daily Mail pá…ou Daily Cristina, é bem melhor 😉

    • Caro senhor,
      Em circunstâncias normais, o insulto gratuito à inteligência da população mundial em geral e a um profissional desta casa em particular ter-nos-ia levado a não validar o seu comentário.
      Porém, entendemos de grande utilidade publicá-lo, na medida em que enriquece deliciosamente a notícia em si – ao validar de forma exemplar um dos seus parágrafos: “Até hoje, várias pessoas continuam a negar o maior genocídio do século XX, culpando os judeus por fabricar ou exagerar o evento traumático. ”
      Obrigado.

      • De nada.

        Esta resposta apenas provou a vossa ignorância sobre o tema..
        “..culpando os judeus..”: alguém nessa casa sabe a diferença entre um judeu, um israelita, um hebreu e um zionista??
        se sim, esse parágrafo é, numa única palavra, absurdo.
        se não, deviam.

        E já agora, sou senhora.

    • Já que sabes tudo, explica lá então para a carneirada aprender:
      O holocausto (/extermínio de judeus) não existiu de todo, ou é apenas “exagerado”? Se é apenas exagerado, quanto foi? Morreram só 3 milhões de judeus? 1 milhão? E as “instalações de extermínio que nos mostram” são inventadas de todo porque nunca serviriam para matar ninguém, ou apenas “nunca conseguiram exterminar 6 milhões?

    • Sra. B Delirius, os números não são exagerados até porque são confirmados pelos perpetradores do crime em questão em extensas listas e relatórios. Em segundo lugar as instalações crematórias foram, na sua maioria, destruídas pelos nazis em fuga. Por último, insultar os que pensam de forma diferente, não ajuda em nada o seu ponto de vista.

    • Há realmente tipos muito anos…
      Este negar da história é o que muita vez faz com que as mesmas barbaridades se repitam…
      Ninguém minimamente inteligente nega os outros genocídios… nem é inteligente andar a comparar níveis de grandeza quando de tamanha anormalidade se trata… para além disso uns não apagam os outros…

  3. A pesquisa do Google não diz nem deixa de dizer nada – a pesquisa do Google indica sites que falam sobre um dado assunto, não dá “respostas” a questões (às vezes dá-me a ideia que algumas pessoas confundem as pesquisas do Google com os sites de perguntas, como o Quora).

    E em que estranho universo é que o “Stormfront” tem “reputação” (ou “cada vez mais reputação”)?

  4. ACTUALIZAÇÃO: O primeiro resultado que aparece no dia de hoje à colocação da pergunta em causa provém do site do YadVashem.org com o título “Learn about the Holocaust”. Alguém actualizou com urgência o seu SEO. Podemos dormir mais descansados… 🙂

  5. a questão pertinente são realmente os números, os 6milhoes são manifestamente exagerados.

    mas se querem números, por exemplo os NAZIS mataram cerca de 20milhoes de russos.

    depois temos os números de mortos causados pelo comunismo que nunca se lembram de inumerar, são números que mostram que os NAZIS eram uns amadores….

    65 million in the People’s Republic of China
    20 million in the Soviet Union
    2 million in Cambodia
    2 million in North Korea
    1.7 million in Ethiopia
    1.5 million in Afghanistan
    1 million in the Eastern Bloc
    1 million in Vietnam
    150,000 in Latin America
    10,000 deaths “resulting from actions of the international Communist movement and Communist parties not in power.”
    https://en.wikipedia.org/wiki/The_Black_Book_of_Communism

RESPONDER

Jornalistas insultados e ameaçados em jantar-comício de Ventura (sem distanciamento)

Jornalistas foram vaiados, insultados e até ameaçados num jantar-comício do Chega, este domingo. O evento não cumpriu o distanciamento social, reunindo 170 pessoas num sala com 450 metros quadrados. No domingo, no Campo de São Mamede, …

Athletic Bilbao vence Barcelona e conquista Supertaça. Messi expulso após agressão

O Athletic Bilbao ergueu a sua terceira Supertaça de futebol de Espanha, ao vencer 3-2 no prolongamento o FC Barcelona, após 2-2 no final do tempo regulamentar, na final disputada no Estádio Olímpico de Sevilha. Depois …

Regionalização, um "poema de um calceteiro" e (mais) críticas a Marcelo. O último debate presidencial

Os candidatos presidenciais juntaram-se em mais um debate conjunto antes das eleições. Falou-se da ausência de Ventura, regionalização, justiça e até jardinagem. O primeiro tema a marcar o debate das rádios foram as medidas de confinamento …

Em plena pandemia, houve cinco setores que conseguiram faturar mais do que em 2019

Apesar de a pandemia ter levado muitos setores da economia para os piores resultados de sempre, nem todos perderam faturação durante os meses de março a novembro da crise sanitária, algum conseguiram mesmo aumentar. Neste sentido, …

Pesadelo de Özil no Arsenal chega ao fim com transferência para o Fenerbahçe

O futebolista alemão Mesut Özil, dos ingleses do Arsenal, confirmou que vai assinar pelos turcos do Fenerbahçe, depois de vários meses sem jogar pelos 'gunners'. "Estou muito feliz e muito animado, por Deus me ter dado …

Palácio mais antigo da China é descoberto perto de antiga capital. Tem mais de 5000 anos

Um Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas da China, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem atualmente cerca de 5.300 …

"Há exceções a mais". Marques Mendes defende que Governo deve reavaliar medidas de confinamento

No seu habitual espaço de comentário na SIC, no domingo à noite, Luís Marques Mendes falou sobre as novas medidas de confinanento e das eleições presidenciais. Depois de uma semana a bater recordes em números de …

O cenário "é de guerra" e o medo é de a perder. Temido admite que "estamos muito próximos do limite"

Após uma visita ao Hospital Garcia de Orta, que alertava no sábado para um "cenário de pré-catástrofe", Marta Temido admitiu que o Serviço Nacional de Saúde, os operadores sociais e privados estão em "extremo sobreesforço". Marta …

Discutir sobre temas controversos requer mais atividade cerebral do que concordar

Uma nova investigação da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, confirmou aquilo que o senso comum já vaticinava: discutir sobre temas controversos requer muito mais atividade cerebral do que simplesmente concordar. De acordo com a nova …

Estado de emergência vai manter-se até março. Marcelo admite confinar mais o país

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve este domingo no Hospital Santa Maria, em Lisboa, onde admitiu confinar mais o país devido à pressão nos hospitais. Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa, …