Presidente da Macedónia recusa assinar alteração do nome do país

A não ratificação do acordo sobre o novo nome da Macedónia, até ao momento oficialmente designada Antiga República Jugoslava da Macedónia (Fyrom), na sequência da declaração da independência em 1991, já estava prevista.

Próximo da direita nacionalista, o Presidente Gjorgje Ivanov tem rejeitado qualquer compromisso com o vizinho grego sobre este complexo assunto que permanece nas agendas há quase três décadas.

A lei deverá regressar ao Parlamento de Skopje, e caso seja de novo aprovada, o cenário mais provável, o chefe de Estado será forçado aceitá-lo. Mas, por enquanto, ainda não o fez.

“De acordo com a Constituição da República da Macedónia, decidi não assinar a lei sobre a ratificação do acordo com a Grécia. O acordo torna a Macedónia dependente de um Estado terceiro, neste caso a Grécia”, anunciou o Presidente através de um comunicado.

Após a sua confirmação, o acordo será submetido a um referendo sem data ainda fixada. A direita nacionalista já apelou ao voto “não”.

O primeiro-ministro social-democrata, Zoran Zaev, um dos impulsionadores deste acordo e que dirige uma coligação governamental com partidos da minoria albanesa, já referiu que apresentará a demissão em caso de derrota do “sim”.

A legitimação total do novo nome da ex-república jugoslava implica ainda uma revisão constitucional validada pelo Parlamento e com a necessária maioria de dois terços, uma condição que o governo de Zoran Zaev não dispõe.

Em troca deste acordo, Skopje pretende obter o início das negociações de adesão à União Europeia (UE) e um convite para se juntar à NATO, ambições até ao momento bloqueadas pela Grécia devido ao contencioso político, histórico e linguístico.

No entanto, e caso o Governo seja incapaz de aprovar a revisão constitucional, “o convite da NATO é anulado e as negociações com a UE não vão acontecer“, preveniu o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras.

Na Grécia, a maioria da coligação governamental ficou esta terça-feira mais enfraquecida devido à demissão de um deputado do pequeno partido da direita soberanista Gregos Independentes (Anel).

“Tomei esta decisão perante Deus e a pátria (…) vou prosseguir o meu mandato enquanto deputado independente”, indicou numa declaração por escrito Yorgos Lazaridis, deputado do Anel por Salónica, a segunda cidade grega no norte, capital da província grega da Macedónia, e onde o novo nome suscita protestos mais intensos.

A maioria governamental grega dispõe agora de 152 deputados – 145 do partido de esquerda Syriza e sete do Anel – num parlamento com 300 lugares.

“A maioria governamental não está ameaçada, permanece estável”, assegurou em declarações a rádio Kokkino, pró-Syriza, o porta-voz do Governo grego Dimitris Tzanakopoulos.

Em 23 de junho o Anel tinha perdido outro deputado, Dimitris Kammenos, expulso do partido por ter dado o seu voto à moção de censura apresentada pela oposição de direita Nova Democracia (ND), que se opõe ao acordo greco-macedónio patrocinado pela UE.

Apesar das acusações de “traição” pelos seus rivais políticos, Tsipras conseguiu ultrapassar a esta moção de censura.

A Grécia recusa que o seu vizinho seja apenas designado “República da Macedónia” e sem uma designação geográfica suplementar, por considerar que esse nome já pertence à sua província do norte do país.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Empresário de Casillas condenado a quatro anos de prisão

Santos Márquez, o agente que mediou a transferência do futebolista Iker Casillas para o FC Porto, foi condenado esta quinta-feira a quatro anos de prisão, escreve o jornal espanhol El Confidencial.  O Tribunal Provincial de Palma …

Islândia está a tentar trazer de volta árvores cortadas pelos Vikings

Numa tentativa de reflorestar o país, a Islândia está a tentar trazer de volta as árvores derrubadas pelos Vikings no passado. É o país menos florestado da Europa. As árvores na Islândia são tão raras e …

Parlamento encerra trabalhos com reunião-maratona de sete ou oito horas

O parlamento encerra, na sexta-feira, a legislatura com uma reunião plenária que começa às 09:00, para vários debates e uma “maratona” de votações, e deverá prolongar-se, no total, sete a oito horas, até às 17:00. A …

EUA. Florida recruta insetos para matar plantas invasoras

A Florida, nos Estados Unidos (EUA), está a importar insetos para travar as espécies invasoras que estão a destruir as plantas do Parque Nacional de Everglades. Estes insetos parecem ser menos prejudiciais do que as …

Falcao colocado na órbita do FC Porto

O avançado do Mónaco está a ser apontado pela imprensa francesa como possível reforço do FC Porto. De acordo com o portal Le10Sport, os dragões estão no mercado a tentar garantir a contratação de Radamel Falcao, internacional …

TAP deu prémios em ano de prejuízos quando era totalmente pública

O presidente executivo da TAP disse que os prémios atribuídos relacionam-se com a melhoria de indicadores e que não é a primeira vez que a companhia paga prémios em ano de prejuízos, incluindo quando era …

MP pede à Hungria extensão do Mandado de Detenção Europeu de Rui Pinto

O Ministério Público (MP) pediu à Hungria o alargamento do Mandado de Detenção Europeu (MDE) de Rui Pinto para assim poder acusar o colaborador do Football Leaks por novos factos apurados na investigação relacionada com …

Alcochete. Bruno de Carvalho está na lista internacional de terroristas

Juntamente com os outros 43 arguidos do processo do ataque à Academia de Alcochete, Bruno de Carvalho, antigo presidente do Sporting CP, está na lista internacional de terroristas. A advogada de Fernando Mendes, antigo líder da …

O primeiro golfinho boto-branco ibérico visitou praias de Matosinhos e Porto. Chama-se Gaspar

O primeiro golfinho boto-branco registado na Península Ibérica tem visitado as praias do Porto e de Matosinhos e, além de ser bastante "sociável", os pescadores acreditam tratar-se de uma fêmea por já o terem avistado …

Centro nos EUA com condições "cruéis e ilegais" mantém quase 2 mil crianças detidas

A Amnistia Internacional (AI) denunciou nesta quinta-feira as condições "cruéis e ilegais" em que vivem quase duas mil crianças migrantes, a maior parte desacompanhada, num centro de detenção em Homestead, na Florida, Estados Unidos (EUA), …