Galiza contrata médicos portugueses pelo dobro do que é pago em Portugal

O Serviço Galego de Saúde (Sergas) está a recrutar médicos de família e pediatras portugueses, oferecendo um salário bruto anual de 61.500 euros, valor que é o dobro do oferecido em Portugal nas mesmas condições laborais.

De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia esta quinta-feira na sua edição impressa, serviço de saúde da Galiza está a contratar por uma remuneração que é o dobro da de um médico em início de carreira em Portugal, por uma razão de “proximidade”, tal como explicou um fonte do Sergas ao matutino.

Em números, está em causa uma retribuição anual de 61.500 euros, valor que contrasta com os 28.000 euros atribuídos em Portugal.

O mesmo porta-voz adiantou que é “um novo tipo de contrato de continuidade para atender a substituições, especialmente nas categorias de medicina de família e pediatria”. “O governo galego pretende abrir portas a profissionais de saúde de outras comunidades autónomas de Espanha e de Portugal”, referiu ainda.

No que respeita aos contratos, o Sergas pretende realizar contratos de um a três anos no máximo, sendo que os médicos de família e pediatras contratados vão ter exatamente as mesmas condições do que os médicos espanhóis, desde o salário, ao direito a um mês de férias, folgas e jornada laboral.

O Ministério da Saúde não fez comentários a este processo de recrutamento da vizinha Espanha, mas a Ordem dos Médicos mostrou-se preocupada com a emigração de clínicos, uma vez que a emigração de médicos para Espanha pode contribuir para atrasar ainda mais o processo de redução do número de utentes sem médico de família.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que este recrutamento pode ser uma ameaça ao Serviço Nacional de Saúde, contribuindo para agravar “a capacidade de responder a todos os portugueses”. Além da discrepância salarial e das férias, está em causa também o apoio tecnológico e acesso a dispositivos e materiais.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Na realidade andamos a pagar cursos caríssimos a estes profissionais sem que dêem à sociedade portuguesa o devido retorno do investimento feito por todos nós. o mesmo se passa com os enfermeiros que vão para inglaterra.
    estes profissionais deviam ser obrigados a trabalhar em portugal obrigatoriamente uns anos ou pagarem os cursos como penalização. mas se isso fosse feito lá vinham todos para a rua fazer greve…enfim democracia…

    • Talvez seja interessante lançarem um «visamed», a custo zero, para técnicos relacionados com a saúde, para trabalharem como independentes, por um período de 10 anos de forma a suprirem o «downtime» dos serviços e assim prestarem o devido serviço às populações. É uma ideia…

    • Por isso é que há mais médicos espanhóis a trabalhar em Portugal do que médicos portugueses a trabalhar em Espanha…

RESPONDER

Uma epidemia de coronavírus pode ter atingido a Ásia há 25 mil anos

Um novo estudo sugere que um antigo coronavírus, ou um patógeno intimamente relacionado, desencadeou uma epidemia no leste asiático há cerca de 25 mil anos. David Enard, geneticista evolucionário da Universidade do Arizona, em Tucson, analisou …

Superliga Europeia está oficialmente suspensa após 48 horas de vida

Os criadores da Superliga Europeia de futebol revelaram esta terça-feira à noite, em comunicado, que pretendem remodelar aquela competição, depois de os seis clubes ingleses terem anunciado o seu abandono. “Apesar da anunciada partida dos clubes …

Enriquecimento injustificado. Depois do ralhete de Marcelo, todos os partidos admitem mexer na lei

O Partido Socialista insistia que a lei que visa criminalizar quem não declara acréscimo de rendimentos já existe. Agora, depois do apelo do Presidente da República, já admite que há "aperfeiçoamentos" a fazer. Na segunda-feira, o …

Plano de testagem em massa. Pessoas assintomáticas ou sem exposição também vão ser testadas

O Instituto de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) divulgou, esta terça-feira, o plano de promoção da operacionalização da estratégia de testagem em Portugal. De acordo com o jornal Público, a estratégia de testagem em Portugal vai …

Fim das moratórias teve "impacto reduzido". Possibilidade de extensão é "muito escassa"

Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), disse no Parlamento que o fim das moratórias teve um "impacto muito reduzido" nas famílias no mês de março, tendo registado um número "muito baixo" …

A água é cada vez mais escassa (e a culpa é de alguns destes alimentos)

Um novo estudo mediu o impacto do uso de água em várias dietas habituais nos Estados Unidos. O consumo de carne é o que mais contribui para este problema. O sistema alimentar precisa de água para …

Desfile do 25 de Abril vai voltar à Avenida da Liberdade. Participantes têm de registar-se

O tradicional desfile comemorativo do 25 de Abril de 1974 vai regressar à Avenida da Liberdade, com algumas regras definidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), confirmou esta terça-feira à Lusa o coronel Vasco Lourenço. O presidente …

MP e Sócrates pedem anulação da decisão de Ivo Rosa na Operação Marquês

O Ministério Público (MP) e a defesa de José Sócrates pedem a nulidade da decisão instrutória do juiz Ivo Rosa no processo judicial da Operação Marquês, considerando que houve uma "alteração substancial dos factos". Os procuradores …

Físicos criaram um novo e extremamente raro tipo de urânio

Físicos criaram um novo e extremamente raro tipo de urânio, considerada a versão mais leve de um átomo daquele elemento. Os investigadores realçam que a sua produção "é muito difícil". Uma equipa de investigadores produziu a …

Uma das estrelas mais próximas da Terra pode ser uma fábrica de matéria escura

A estrela vermelha gigante Betelgeuse pode estar a produzir toneladas de partículas hipotéticas de matéria escura chamadas axiões que, se existirem, emitirão um sinal revelador. Sendo um ponto vermelho brilhante na constelação de Órion, Betelgeuse é …