As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este “inimigo invisível” veio trazer à tona as fragilidades do país.

As Forças Armadas da África do Sul foram treinadas para salvar vidas, protegendo o país contra os inimigos físicos externos. Esta incompatibilidade entre a política e a prática da Defesa é um dos principais problemas da Força de Defesa Nacional, que peca no combate a este tipo de inimigos invisíveis e silenciosos.

Num artigo assinado no The Conversation, Craig Bailie, professor de Ciência Política na Universidade Stellenbosch, na África do Sul, explica que as Forças Armadas sul-africanas não estão à altura da tarefa de combater a covid-19 devido à natureza democrática das relações civil-militares.

A responsabilidade de preparar qualquer Exército para combater uma ameaça de segurança não convencional numa democracia constitucional cabe, em última instância, aos líderes políticos e militares do país.

Segundo o autor do artigo, “nos últimos 26 anos, os líderes falharam em preparar os militares para papéis secundários, como missões de paz, e ainda mais para combater um vírus”.

A educação é outra ferramenta útil na transformação de uma cultura organizacional, para que uma organização esteja melhor preparada para desempenhar o seu papel em tempos de grande aflição. Neste parâmetro, a África do Sul também falhou.

Os relatórios sobre a conduta dos soldados sul-africanos em missões de paz, antes e durante a pandemia de covid-19, apontam para o fracasso do programa de Educação Cívica das Forças Armadas, nomeadamente em incutir o respeito pelos direitos humanos e pela dignidade.

Para Bailie, nos últimos 26 anos, a educação e o treino dos soldados da África do Sul não os preparou adequadamente para papéis secundários, como a manutenção da paz ou o combate a novas e inesperadas ameaças à segurança, como o novo coronavírus.

No entanto, o professor também destaca que os soldados só podem ser bem preparados se possuírem os recursos necessários, e a verdade é que, ao longo dos anos, o orçamento militar sofreu vários cortes.

Apesar de todos os entraves, nenhum Exército militar estava totalmente preparado para gerir uma pandemia que, sorrateiramente, assolou todo o mundo. Ainda assim, Craig Bailie considera que, “se os líderes políticos e militares sul-africanos tivessem feito um melhor trabalho na administração dos recursos militares do país nos últimos 26 anos, a África do Sul estaria mais bem preparada para o desafio”.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois não, de facto parece que o gajo não morre a tiro, os americanos parece que também logo que começaram a ouvir falar do bicho fizeram uma corrida ás armas para aumentar ainda mais o seu arsenal privado, mas pelos vistos logo caíram na realidade ao verem tantos mortos e não conseguirem abater o inimigo.

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …