/

Fim da era dos juros negativos faz disparar prestações. Euribor a 12 meses acima de 1%

1

A taxa Euribor a 12 meses fixou-se sexta-feira nos 0,166%. A taxa a seis meses, a mais usada nos créditos à habitação, está em -0,3% — sendo provável uma subida de até 1 ponto percentual, até final do ano.

A taxa Euribor no prazo de 12 meses subiu esta esta terça-feira novamente, depois de ter a 12 de abril atingido valores positivos pela primeira vez desde 5 de fevereiro de 2016, fixando-se nos 0,166%.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada no crédito à habitação, está ainda negativa, nos -0,3%, mas é provável que venha a registar uma subida de 0,5 a 1 ponto percentual até final do ano.

O valor mais baixo de sempre da taxa a 12 meses, -0,518%, foi atingido a 20 de dezembro de 2021. A taxa a três meses atingiu o mínimo histórico em agosto de 2020.

Mas era dos juros negativos está a chegar ao fim, ameaçando penalizar o orçamento das famílias com um aumento significativo das prestações a pagar pelo crédito à habitação.

A subida das taxas Euribor tem um impacto direto nos custos de financiamento bancário, podendo levar a um aumento significativo do valor das prestações de todos os empréstimos contraídos por famílias e empresas — nomeadamente, no valor da prestação mensal relativa à compra de habitação.

Segundo estimativas de analistas citados pelo ‘Jornal de Negócios’, os juros negativos nas Euribor a três meses deverão terminar em julho e que o mesmo suceda, até ao do ano, na taxa a seis meses.

Nuno Rico, economista da Deco citado pelo CM, estima que se a Euribor a seis meses subir para 1%, o valor médio da mensalidade dos créditos à habitação aumentará em cerca de 60 euros.

Para um crédito à habitação no valor de 200 mil euros, o aumento da mensalidade pode atingir os 200 euros.

As Euribor têm estado voláteis, mas sob pressão, desde o início da invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, depois de terem começado a subir mais significativamente desde 4 de fevereiro, após o Banco Central Europeu (BCE) ter admitido que poderia subir as taxas de juro diretoras este ano devido à subida da inflação na zona euro.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras BCE.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 21 de abril de 2015, 06 de novembro de 2015 e 05 de fevereiro de 2016, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

  //

1 Comment

  1. Os “vampiros” dos bancos andam em alvoroço.
    Todos roubam ( combustíveis,energia,telecomunicações, cereais,metais e tantos outros) e para os “apátridos” donos da actual banca portuguesa não há nada?
    Eles só falam nas taxas negativas mas não referem os quase 5 MIL MILHÕES DE EUROS de lucros que tiveram no ano da crise pandémica de 2021.
    O Banco Central Europeu já disse que não alterará as taxas de juro até ao final deste ano. Estas notícias são meios de pressão para influenciar os decisores do BCE.
    Já agora era bom que o Banco de Portugal ( o Senhor Mário Centeno) explicasse aos portugueses porque é que quando as taxas de juro ficaram negativas as prestações pouco desceram e agora que vão para os valores iniciais dos contratos as prestações vão ficar mais altas do que no início, quando a dívida já é menor.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.