/

Marcos vs Duterte: Eleições filipinas podem pôr duas dinastias frente-a-frente (ou lado a lado)

Jam Sta Rosa / AFP

O candidato às eleições presidenciais das Filipinas Ferdinand Marcos Jr.

Ferdinand “Bongbong” Marcos Jr.

Ferdinand Marcos Jr. é filho de um antigo ditador filipino. Agora é candidato às eleições presidenciais e poderá enfrentar a filha de Rodrigo Duterte, Sara, ou até aliar-se a ela.

Ainda faltam mais de seis meses para as próximas eleições nas Filipinas em maio de 2022, mas a política de bastidores já está a esquentar. O atual Presidente, Rodrigo Duterte, está proibido pela Constituição de se candidatar à presidência novamente no ano que vem.

A lista de nove candidatos oficiais inclui algumas personalidades interessantes, tal como o agora aposentado astro do boxe Manny Pacquiao.

Mas é a candidatura de Ferdinand “Bongbong” Marcos Jr. — filho do ditador Ferdinand Marcos — que tem chamado a atenção mais recentemente.

O simples facto de a sua candidatura ter sido levada a sério, apesar da memória do seu falecido pai, é uma indicação de ao ponto que o país chegou desde que o ditador vilipendiado foi deposto por uma revolução popular em 1986 e fugiu para os EUA supostamente com mil milhões de dólares do tesouro nacional.

Bongbong conhece bem a política, tendo sido nomeado vice-governador da província de Ilocos Norte em 1980, aos 23 anos, durante o período posterior e mais preocupante do governo do seu pai.

Depois de Marcos ter morrido no exílio em 1989, o presidente em exercício, Corazon Aquino, permitiu que outros membros da sua família regressassem às Filipinas, com Imelda Marcos a enfrentar mais de 60 acusações criminais e civis, incluindo corrupção e evasão fiscal.

Apesar disto, em 1992 Bongbong foi eleito representante da Ilocos Norte e governador a partir de 1998. Em 2010, foi eleito senador pelo Partido Nacionalista.

Em 2016, tentou tornar-se vice-presidente, perdendo para o titular, Leni Robredo, por apenas 0,64% dos votos, resultado que contestou veementemente. Agora, depois de cinco anos a aproximar-se de Duterte, está a tentar vencer na corrida pelo cargo mais alto.

Pecados do pai

Para uma geração de filipinos, as memórias da lei marcial, declarada por Ferdinand em 1972, ainda são uma ferida aberta. Este momento marcou o início de uma era de repressão que acabou por levar à sua expulsão. Mas essa reação instintivamente visceral ao nome Marcos não é compartilhada por muitos filipinos mais jovens.

Este é um fator importante a pesar quando se pensa nas eleições de 2022 — num país com uma idade média de menos de 26 anos, essas lembranças más podem não contar muito nas urnas.

Isso não quer dizer que as vítimas vivas do reinado de tortura de Ferdinand não serão ouvidas. Em última análise, é improvável que Bongbong escape completamente da longa sombra do seu pai — e os sinais são de que vai abraçar a marca de família. Isto certamente aumentará os protestos à medida que a campanha eleitoral progride.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Se jogar com o desejo do eleitorado por um líder forte, Bongbong dificilmente reinventará a roda política nas Filipinas. O próprio Duterte carregava uma enorme bagagem obscura quando saltou de governador da cidade de Davao, no extremo sul, para ganhar a presidência há seis anos. Este foi um candidato que a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch documentaram como comandante de esquadrões da morte.

A Assembleia Geral da ONU tinha discutido os Esquadrões da Morte de Duterte (conhecidos agora como DDS) já em 2009, mas nada disso o impediu de atrair 39% dos votos em 2016 – para lhe garantir a presidência. Na verdade, essa notoriedade fazia parte da imagem que construiu para conquistar o poder.

A vitória de Duterte oferece uma espécie de modelo para Bongbong de outras formas também. Duterte transformou com sucesso o Facebook numa arma e o papel que os media já estão a desempenhar ao recontar a ditadura de Marcos no YouTube para uma nova geração já está a ser questionado.

Duterte-Marcos: Duelo de dinastias ou aliança?

Ainda é cedo para avaliar com precisão a sua probabilidade de vitória — a lista de candidatos ainda parece longe do final, mais de seis meses antes das eleições.

Muitos suspeitam que a filha de Duterte, Sara, poderá entrar na corrida atrasada como substituta de Anna Capela Velasco, que muitos acreditam ter sido indicada como substituta do atual governador de Davao. As coisas ficarão mais claras até 15 de novembro, data limite para os suplentes.

Outro candidato, o senador Ronald “Bato” Dela Rosa, também foi identificado como um possível substituto para Sara. Dela Rosa foi promovido por Duterte do seu posto de chefe de polícia provincial em Davao para chefe de polícia nacional e o seu encarregado na guerra às drogas. “Bato” foi indicado duas horas antes do prazo final de 8 de outubro.

Tem havido muita discussão sobre uma aliança Duterte-Marcos ou Marcos-Duterte. Duterte autorizou o enterro de herói para os restos mortais do ex-ditador e as famílias têm um longo relacionamento político, que remonta à década de 1960.

Bongbong já indicou que a guerra às drogas de Duterte — que resultou na morte de pelo menos 8.000 pessoas desde 2016 — continuaria sob o seu comando e disse que protegeria qualquer suspeito da investigação do Tribunal Criminal Internacional sobre crimes contra a humanidade cometidos pelo regime de Duterte.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.