//

Deco alerta para falsas imobiliárias a operar no Porto

1

A Deco Norte está a alertar os consumidores que “devem ser claramente informados sobre a prestação de serviço das mediadoras imobiliárias e o impacto económico que a contratação destes serviços poderá ter no seu orçamento”.

O primeiro alerta da associação de defesa dos consumidores prende-se com o facto de “alguns negócios de compra e venda, publicitados através de anúncios em sites, nem sempre corresponderem a contratos de mediação imobiliária“.

A Deco explicita que “previamente à assinatura de um contrato, o consumidor deverá confirmar se essa entidade está devidamente registada no Instituto de Mercados Públicos do Imobiliário e da Construção (IMPIC)” – lembrando que “desde 2018, as mediadoras estão obrigadas a apresentar um modelo de contrato, previsto na lei, ou em alternativa, utilizando outro modelo de contrato, a enviá-lo para validação do IMPIC”.

Em paralelo, a Deco Norte adverte também que “frequentemente as mediadoras questionam o consumidor sobre a opção ou não pela exclusividade do seu serviço”, frisando que “a maioria dos consumidores desconhece que ao escolher um regime de exclusividade, durante um determinado período de tempo, não poderá efetuar qualquer transação de venda desse imóvel sem ser através dessa agência”.

Caso o faça, “poderá correr o risco de lhe ser exigido o valor da remuneração inicialmente estabelecido com a referida empresa, o qual não poderá exceder os 5% do valor estabelecido no contrato de mediação imobiliária”.

A Deco alerta ainda, segundo o Expresso, que “se o contrato for omisso quanto ao seu prazo de duração, considera-se celebrado por um período de seis meses“.

Face aos problemas que têm surgido com o crescimento de venda de casas no Grande Porto, a Deco Norte deixa alguns conselhos gerais aos consumidores. Em primeiro lugar, que façam “uma pesquisa prévia do mercado, para depois escolher agência imobiliária com segurança e certeza de que se trata de uma empresa”.

Além das falsas imobiliárias, os consumidores são também alertados para outras questões que envolvem empresas certificadas. “Antes de assinar o contrato, leia cuidadosamente o clausulado e exija a inclusão de informação que considera ser relevante para efeitos de concretização do negócio, como seja o valor da remuneração e duração do contrato”, aconselha a Deco Norte.

  ZAP //

1 Comment

  1. Mas hoje em dia ainda há quem recorra a imobiliárias???
    Temos inúmeras plataformas onde podemos procurar casa ou até mesmo vender a nossa, sem ter de pagar os ridículos valores de comissões apresentados pelas imobiliárias.
    Imobiliárias são um negócio com fim à vista! Em todas as aquisições e vendas de imóveis que fiz até hoje nunca recorri a tal serviço e nem vou recorrer, vai contra os meus princípios!
    Só é enganado quem quer!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.