Não há volta a dar. Rui Pinto vai mesmo ser extraditado para Portugal

cv (YouTube)

O recurso da defesa de Rui Pinto para tentar evitar a extradição para Portugal foi rejeitado pelo tribunal húngaro. Nos próximos dias, o hacker será encaminhado para uma prisão portuguesa.

Condenado pelas denúncias do Football Leaks, Rui Pinto já não tem volta a dar e será mesmo extraditado para Portugal, após decisão, esta quinta-feira, do tribunal húngaro. O hacker português é acusado de seis crimes pelas autoridades portugueses: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e ainda uma tentativa de extorsão.

Rui Pinto tentou evitar a extradição para Portugal, dizendo que tem a “cabeça a prémio” e que recebeu várias ameaças de morte por parte de adeptos. O hacker teme ainda que a justiça portuguesa seja parcial.

As suas preocupações foram também, de certa forma, partilhadas pela justiça europeia. A Eurojust, o organismo da União Europeia que promove a luta contra a criminalidade organizada, teme que Portugal destrua os documentos do hacker.

As autoridades portuguesas nunca me tentaram contactar. Sabem a minha morada registada em Portugal, o meu número de telemóvel, mas nunca me enviaram uma carta. Peço à juíza que não me envie para Portugal. É uma questão de vida ou de morte“, apelou Rui Pinto.

Enquanto por cá, Rui Pinto é acusado de seis crimes, na imprensa internacional discute-se se, na verdade, o português é um criminoso ou um whistleblower — aquele que leva ao conhecimento de uma autoridade, informações relevantes sobre um ato ilícito ou criminal.

O pirata informático tem também colaborado com a justiça francesa, entregando mais de 12 milhões de ficheiros, utilizados como prova em casos de fraude fiscal.

O DN avança que a sentença de extraditar Rui Pinto para Portugal abrange igualmente os equipamentos eletrónicos que lhe foram apreendidos. Equipamentos que foram usados para obter acesso aos sistemas informáticos do Sporting CP e do fundo de investimento Doyen Sports.

Depois do tribunal ter rejeitado a prisão preventiva do hacker, no dia 13 de fevereiro, o responsável pela Football Leaks está em prisão domiciliária desde então. A sua extradição para Portugal deverá ser finalizada nos próximos dias.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.