Ex-ministro das Finanças brasileiro preso por suspeitas de negociar subornos

Valter Campanato / ABr

Guido Mantega, ex-ministro das Finanças brasileiro

Guido Mantega, ex-ministro das Finanças brasileiro

O ex-ministro das Finanças do Brasil Guido Mantega foi detido esta quinta-feira e está em prisão preventiva por suspeitas de ter pedido pagamentos de subornos para o Partido dos Trabalhadores (PT) para auxiliar empresas investigadas pela Operação Lava Jato.

Segundo informações divulgadas num comunicado do Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro de Estado teria ajudado a OSX e a construtora Mendes Junior a vencer uma licitação para a construção de duas plataformas da Petrobras (a P-67 e P-70) com contrato no valor de 922 milhões de dólares (820,2 milhões de euros), em troca de pagamentos ilícitos ao PT.

A negociação ilícita teria sido confirmada à justiça brasileira pelo empresário Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, num depoimento ao MPF.

“Eike Batista declarou que, em 01/11/2012, recebeu pedido de um então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobras [Guido Mantega], para que fizesse um pagamento de cinco milhões de reais (1,3 milhões de euros), no interesse do Partido dos Trabalhadores (PT)”, lê-se no comunicado.

Para pagar o suborno, o executivo da OSX teria sido orientado a firmar um contrato ideologicamente falso com uma empresa ligada a publicitários já denunciados na Operação Lava Jato por disponibilizarem seus serviços para a lavagem de dinheiro oriundo de crimes.

Já a Mendes Júnior teria sido responsável pela entrega de sete milhões de reais (1,9 milhões de euros) a um operador financeiro ligado a um partido político e à Diretoria Internacional da Petrobras, já condenado no âmbito da Operação Lava Jato.

O MPF destacou, ainda, que a OSX e a Mendes Junior “não detinham tradição no mercado específico de construção e integração de plataformas e por isto viabilizaram sua contratação pela Petrobras mediante o repasse de valores a pessoas ligadas a agentes públicos e políticos”.

Desde o início da manhã, a policia federal do Brasil cumpre oito mandados de prisão temporária, oito mandados de condução coercitiva e 32 mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Rio Grande do Sul.

Além de Guido Mantega, são alvos da 34ª fase da Operação Lava Jato, denominada de Arquivo X, executivos das empresas Mendes Júnior e OSX Construção Naval S.A., assim como representantes de outras empresas por elas utilizadas para receber os repasse de vantagens indevidas.

/Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE