“Evangelho da Mulher de Jesus” pode mesmo ser autêntico

Harvard Divinity School

-

Novos estudos da tinta em que foi escrito o “Evangelho da Mulher de Jesus”, um papiro controverso que sugere que Jesus era casado com Maria Madalena, parecem apontar para a possibilidade de que o documento possa ser autêntico. Porém, os resultados ainda não foram publicados e a origem do papiro continua rodeada de polémica.

O debate sobre a autenticidade do “Evangelho da Mulher de Jesus” teve início assim que Karen King, professora da Universidade de Harvard, anunciou a sua descoberta, em setembro de 2012.

Escrito em copta, língua egípcia antiga, o fragmento de papiro contém uma linha onde se lê a frase “Disse-lhes Jesus: Minha esposa…”.

O fragmento também se refere a uma “Maria”, possivelmente Maria Madalena.

Karen King datou provisoriamente o papiro como sendo do século IV, sugerindo que poderia ser uma cópia de um evangelho escrito em grego no século II.

Uma análise ao papel, detalhada o ano passado na Harvard Theological Review, sugeriu que o documento teria cerca de 1.200 anos.

Há a possibilidade de que a tinta também seja dessa época, mas está ainda em curso uma investigação para a datar com mais precisão.

Uma nova investigação

Durante o ano passado, vários estudiosos defenderam a conclusão de que o papiro era uma falsificação.

Para tentar pôr fim à polémica, investigadores da Universidade de Columbia estão agora a efectuar novos testes à tinta do papiro.

As análises iniciais publicadas pela equipa em 2014 indicaram que a tinta poderia ter sido feita em tempos antigos.

As novas análises, mais definitivas, podem fornecer apoio à autenticidade do papiro.

No entanto, os cientistas não vão comentar os resultados antes da sua publicação.

De onde veio afinal o papiro?

O actual proprietário do papiro insiste em permanecer anónimo. Alega que comprou o “Evangelho da Esposa de Jesus” em 1999, juntamente com outros textos cóptas, a um homem chamado Hans-Ulrich Laukamp.

Este, por sua vez, adquiriu o documento em Potsdam, no que era a Alemanha Oriental, em 1963.

Laukamp morreu em 2002, e a afirmação de que era proprietário do texto tem sido fortemente questionada.

Rene Ernest, o homem a quem Laukamp e sua esposa Helga incumbiram de representar as suas propriedades, diz que Laukamp não tinha interesse em antiguidades e que em 1963 vivia em Berlim Ocidental.

Por isso, não poderia ter passado o muro de Berlim, para ir a Potsdam.

Axel Herzsprung, um associado de Laukamp, diz também que nunca teve interesse em antiguidades ou possuiu um papiro.

Laukamp não tem filhos ou parentes vivos que possam verificar estas alegações.

A questão da sua origem poderia levar a que se coloque em causa a autenticidade do papiro. Por isso, os investigadores estão à procura de informações que confirmem a origem do documento.

Karen King relata, num artigo publicado em 2014 na Harvard Theological Review, que o proprietário anónimo lhe forneceu “a fotocópia de um contrato para a venda de 6 fragmentos de papiro em copta”, dos quais um se acreditava ser um Evangelho.

O contrato inclui o nome de Hans-Ulrich Laukamp e a data: 12 de novembro de 1999. Tem ainda a assinatura de ambas as partes.

Várias bases de dados públicas têm assinaturas de Laukamp, em documentos autenticados, entre 1997 e 2001. Essas assinaturas podem ser usadas para comparação com o registo da venda do Evangelho.

A análise forense de caligrafia nem sempre é conclusiva, mas já foi usada para determinar se assinaturas feitas em documentos ou obras de arte são autênticas ou falsificadas.

Se se concluir que Laukamp nunca possuiu o papiro e que o proprietário anónimo não disse a verdade, então o lado da balança inclina-se para a falsificação.

Mais dúvidas

O ano passado, Christian Askeland, do Instituto de Pesquisa Bíblica Septuaginta, em Wuppertal, na Alemanha, analisou um segundo papiro copta contendo parte do “Evangelho de João”, que o proprietário anónimo do “Evangelho da Esposa de Jesus” também tinha cedido a Harvard.

Este segundo texto foi também supostamente comprado a Laukamp, e testes de carbono apontam que o documento teria cerca de 1.200 anos.

O segundo papiro foi escrito num dialecto copta chamado Lycopolitan, considerado extinto há cerca de 1.500 anos. Askeland concluiu que o documento era uma imitação e, por partilhar características com o “Evangelho da Esposa de Jesus”, considera que ambos são falsos.

Karen King não concorda com esta conclusão, notando que o fragmento do “Evangelho de João” poderia ter sido copiado na antiguidade, muito tempo depois de o Lycopolitan se ter extinguido.

Além disso, James Yardley, investigador da Universidade de Columbia, realça que novos testes confirmam que o “Evangelho da Esposa de Jesus” contém tinta diferente da do papiro do “Evangelho de João”.

Tal parece contrariar o argumento de Askeland de que os dois papiros foram escritos pela mesma pessoa.

Entretanto, diversos estudiosos notam que a escrita copta no “Evangelho da Esposa de Jesus” é muito semelhante a um outro texto cristão, chamado “Evangelho de Tomé” — incluindo até um erro gramatical, introduzido numa edição de 2002.

Este erro grosseiro indicaria que o “Evangelho da Esposa de Jesus” teria sido escrito por falsificadores, que teriam copiado a edição moderna do “Evangelho de Tomé”.

Em 2014, Karen King contestou esta afirmação, realçando que até os antigos escribas cometiam erros gramaticais semelhantes.

E estavam certamente longe de imaginar a polémica que, 1.200 anos depois, tais erros poderiam levantar.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

Responder a Viés Cancelar resposta

Numa verdadeira cena à James Bond, homem foge do FBI numa scooter subaquática

Um americano que estava a ser procurado por um suposto envolvimento num esquema de fraude, foi preso na passada segunda-feira, dia 16, após usar uma "scooter marítima" subaquática para tentar fugir do FBI. Quem assistiu ao …

Após quase terem sido extintas, baleias azuis estão a voltar à Geórgia do Sul

A baleia azul regressou às águas em torno da ilha Geórgia do Sul, quase um século depois de este animal ter sido quase extinto pela caça industrial. A remota ilha Geórgia do Sul, perto da Antártida, era …

Manuscritos de "A Origem das Espécies" divulgados online pela primeira vez

Duas páginas originais do rascunho manuscrito de "A Origem das Espécies", de Charles Darwin, foram divulgadas online pela primeira vez. Além disso, foram ainda publicadas cartas e notas de leitura nunca antes vistas. Os documentos foram …

Os videojogos podem ser bons para o bem-estar pessoal, sugere estudo

De acordo com um novo estudo que analisou o comportamento de jogadores e dados fornecidos por empresas de videojogos, o tempo gasto a jogar pode ser bom para o bem-estar pessoal. A Electronic Arts e a …

A MINI criou uma van perfeita que foi pensada para relaxar, usufruir e conviver

A marca de automóveis MINI apresentou o projeto do Vision Urbanaut. Este veículo é uma van completamente moderna e sustentável, pois oferece mais espaço interior e versatilidade, e ainda deixa uma pegada ecológica mínima. Esta van …

Covid-19. Angela Merkel alerta sobre plano de vacinação para países mais pobres

A chanceler alemã, Angela Merkel, alertou os líderes dos países mais desenvolvidos que o progresso no desenvolvimento de um sistema de distribuição de vacinas para nações mais necessitadas tem sido lento e que essa questão …

Explosão em Beirute. Danos segurados rondam mil milhões

As vítimas da explosão que destruiu o porto de Beirute e área circundante, em agosto, apresentaram um total de 14.921 reclamações de seguro, totalizando danos segurados estimados em perto de 1,62 biliões de libras libanesas …

Centenas de pessoas que morreram de covid-19 em Nova Iorque continuam em camiões frigoríficos

Muitos destes cadáveres, que continuam em camiões frigoríficos, são de pessoas cujas famílias não puderam ser localizadas ou que não podem cobrir os custos do enterro. De acordo com o The Wall Street Journal, cerca de …

Bolsonaro responsabiliza estados e municípios por não usarem testes

Mais de 6,8 milhões de testes RT-PCR, adquiridos pelo Ministério da Saúde brasileiro, perderão a validade entre dezembro deste ano e janeiro de 2021. O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, direcionou para estados e municípios a responsabilidade …

Médico presente na sala de emergência revela detalhes da morte de John F. Kennedy

Um médico que estava presente na emergência do Parkland Memorial Hospital, para onde John F. Kennedy (1917-1963) foi transferido depois de ser baleado numa visita política ao estado do Texas, revelou novos detalhes sobre a …