Eurovisão rejeita música da Bielorrússia. Críticos dizem que legitima “regime sanguinário” de Lukashenko

Os organizadores do Festival Eurovisão da Canção recusaram esta quinta-feira a inscrição de uma música da Bielorrússia devido às suas polémicas letras de caráter político.

A European Broadcasting Union (EBU) exigiu esta quinta-feira que a Bielorrússia apresentasse uma nova inscrição ou corre o risco de ser desqualificada da competição, de acordo com o Deutsche Welle.

“Concluiu-se que a música coloca em questão a natureza política do concurso“, disse a EBU, num comunicado divulgado nas redes sociais. “Além disso, as reações recentes à entrada proposta podem trazer descrédito à reputação do ESC [Festival Eurovisão da Canção].”



A canção, intitulada “I’ll teach you” (“Vou ensinar-te”, em tradução livre), ridiculariza as manifestações contra o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko. A canção, interpretada pelo grupo bielorrusso Galasy ZMesta, atraiu mais de meio milhão de visualizações na página oficial da competição no YouTube.

Os críticos da música acreditam que legitima o regime de Lukashenko, que foi acusado de fraude na eleição presidencial do ano passado contra a opositora Sviatlana Tsikhanouskaya. Tanto a União Europeia (UE) como os Estados Unidos não reconheceram Lukashenko como o presidente legítimo do país.

“Isto é uma brincadeira do povo da Bielorússia, de tudo o que está a acontecer no país”, disse a cantora Angelica Agurbash, que representou a Bielorússia na competição da Eurovisão em 2005, em declarações à agência Reuters. “Receber qualquer representante do regime sanguinário de Lukashenko seria errado”

Lukashenko é presidente da Bielorússia desde 1994 e tem sido criticado por observadores de direitos humanos pela sua repressão às liberdades civis e à imprensa. A agência de direitos humanos Freedom House caracterizou o país como “não livre”, descrevendo o país como um “Estado autoritário consolidado”, onde “as eleições são abertamente orquestradas e as liberdades civis são fortemente restringidas”.

A inscrição da canção bielorrussa é a última a gerar polémica no concurso deste ano, depois de a inscrição do Chipre ter atraído a condenação da comunidade religiosa do país no início deste mês. A Igreja de Chipre acredita que a entrada da música “El Diablo” (“O Diabo”) promove o culto satânico.

De acordo com o site oficial da competição, “El Diablo” é sobre “apaixonar-se por alguém tão mau como o diabo”. A música é interpretada pela cantora grega Elena Tsagkrinou.

Uma declaração do Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa de Chipre descreveu a entrada como um elogio à “submissão fatalista dos humanos ao poder do diabo”. Os manifestantes reuniram-se em frente à emissora estatal de Chipre para exigir a retirada da canção da competição.

O Festival Eurovisão da Canção acontecerá em maio na cidade holandesa de Roterdão.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Tony Carreira internado. Cantor está "bem de saúde"

O cantor Tony Carreira foi internado esta quarta-feira no hospital de Faro devido a uma suspeita de enfarte do miocárdio. De acordo com o Observador, a assessora de Tony Carreira confirmou que o músico foi internado …

Portugal vs França Em Direto: Já há onzes oficiais, Renato e Moutinho de início

A seleção de Portugal joga esta quarta-feira o tudo por tudo contra a França, num encontro que pode significar o apuramento para os Oitavos de Final do Euro 2020 ou o regresso a casa mais …

Moradores desalojados saíram de reunião com a Câmara de Loures com “uma mão cheia de nada"

Moradores desalojados de Loures dizem não ter recebido nenhuma solução de realojamento por parte da Câmara, que nega que as casas estivessem ocupadas na altura em que os técnicos fizeram um levantamento para a sua …

Marta Temido aponta para continuação das restrições em Lisboa

A ministra da Saúde disse esta quarta-feira que a situação epidemiológica da covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo deve traduzir-se na continuidade da aplicação das medidas de restrição em vigor. “Os números neste …

Primeiro julgamento ao abrigo da lei de segurança nacional em Hong Kong

Um homem acusado de conduzir uma motocicleta contra polícias de Hong Kong, enquanto transportava uma bandeira de protesto, tornou-se esta quarta-feira na primeira pessoa a ser julgada ao abrigo da lei de segurança nacional, aprovada …

Lei húngara que discrimina população LGBT+ "é uma vergonha", diz Ursula von der Leyen

O projeto de lei aprovado pela Hungria, que proíbe a divulgação a menores de 18 anos de conteúdos que incluam a "representação e promoção de uma identidade de género diferente do sexo à nascença, da …

Técnicos de Emergência queixam-se de atraso no pagamento de subsídio de risco

O Sindicato dos Técnicos de Emergência Médica Pré-Hospitalar (STEPH) denunciou esta quarta-feira a falta de pagamento, pelo INEM, do subsídio de risco covid-19 referente a abril, que deveria ter sido pago com o salário processado …

Bastonária dos Enfermeiros apela ao aproveitamento de recém-licenciados para vacinação

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, salientou esta terça-feira a importância de serem aproveitados ao máximo os profissionais recém-licenciados que estão a entrar no mercado para aumentar o ritmo de vacinação …

Críticas de Merkel sobre entradas em Portugal são "difíceis de entender", diz Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera "difíceis de entender" as críticas da chanceler alemã Angela Merkel sobre a entrada de ingleses em Portugal. Na terça-feira, Merkel criticou a falta de regras na União …

Governo britânico descarta referendo à independência da Escócia antes de 2024

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não vai autorizar um novo referendo à independência da Escócia antes das próximas eleições gerais, previstas para 2024, afirmou esta quarta-feira o ministro de Estado britânico, Michael Gove. Em entrevista ao …