Estados Unidos impõem sanções contra agência espacial do Irão

Gage Skidmore / Flickr

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo

Os Estados Unidos impuseram hoje pela primeira vez sanções à agência espacial do Irão, acusando-a de desenvolver mísseis balísticos sob a cobertura de um programa civil para lançar satélites em órbita.

“A tentativa iraniana de disparar um lançador espacial em 29 de agosto sublinha a urgência da ameaça”, declarou o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, num comunicado.

Anunciadas pelos departamentos de Estado e do Tesouro contra a agência e duas das suas afiliadas, estas sanções sujeitam empresas e governos estrangeiros, incluindo organizações internacionais de cooperação espacial, a penalizações por qualquer ligação e congelam os bens dos sancionados em território norte-americano.

As sanções fazem parte da campanha da administração do Presidente norte-americana, Donald Trump, de medidas económicas e diplomáticas contra o Irão desde que o ano passado se retirou unilateralmente do acordo internacional de 2015 que visava restringir o programa nuclear da República Islâmica.

O Irão estará a preparar o lançamento para o espaço de um satélite de comunicação, o Nahid-1.

Os Estados Unidos alegam que tais lançamentos desafiam uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas apelando ao Irão para não realizar atividades relacionadas com mísseis balísticos capazes de transportar armas nucleares.

As sanções ocorrem numa altura em que a França tenta uma mediação entre o Irão e os Estados Unidos para fazer descer a tensão.

No final de agosto, o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, e Donald Trump admitiram a possibilidade de um encontro entre o Presidente norte-americano e o seu homólogo iraniano, Hassan Rohani, à margem da Assembleia-Geral da ONU, que decorre este mês em Nova Iorque.

Rohani rejeitou hoje manter negociações bilaterais com os Estados Unidos e disse que, caso Washington levante as sanções, apenas aceita um diálogo multilateral com os países que assinaram o acordo nuclear com Teerão em 2015.

O pacto foi assinado entre o Irão e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China), mais a Alemanha, e previa o levantamento de sanções internacionais em troca de limitações e maior vigilância do programa nuclear iraniano.

Um ano após o anúncio da decisão norte-americana de abandonar o acordo, o Irão declarou que não se sentia obrigado a continuar a respeitar alguns dos seus compromissos no pacto enquanto os restantes signatários não conseguissem ajudá-lo a contornar as sanções dos Estados Unidos.

Hassan Rohani ameaçou hoje reduzir ainda mais os seus compromissos em matéria nuclear “nos próximos dias” se as negociações com os países europeus envolvidos no acordo nuclear não alcançarem resultados.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Médico que deixou bebé nascer sem rosto tem quatro processos na Ordem

O obstetra que não detetou malformações graves num bebé que acabou por nascer sem rosto no início deste mês, em Setúbal, tem quatro processos em curso no conselho disciplinar da Ordem dos Médicos. A informação foi …

Tensão na Catalunha afeta realização do Barcelona-Real Madrid

A violência dos protestos na Catalunha está a fazer com que a Liga e a Federação de futebol espanholas repensem a ideia de o clássico entre Barcelona e Real Madrid se realizar em Camp Nou. O …

Assis critica novo Governo do PS. É "muito António Costa" e feito só para dois anos

O ex-eurodeputado do Partido Socialista (PS) Francisco Assis não poupou nas críticas ao novo Governo, que António Costa apresentou ao Presidente da República na terça-feira ao final do dia, considerando que este é um executivo …

PSD considera que não há novo Governo, mas "remodelação" com alargamento

O PSD defendeu na quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …

Depois do terramoto das legislativas, vem aí um Conselho Nacional difícil para o CDS

O CDS reúne esta noite o Conselho Nacional. Segundo o Público, Assunção Cristas deverá renunciar a lugar de deputada na Assembleia da República. O CDS deverá marcar esta quinta-feira o próximo congresso para janeiro de 2020. …

Rio quer abafar Montenegro ao fazer "multitasking" como líder partidário e parlamentar

Rui Rio pode acumular as funções de líder do partido e líder parlamentar. O objetivo passa por evitar divisões na bancada e esvaziar a oposição de Luís Montenegro. Rio parece já ter uma estratégia delimitada para …

Cabrita mostra desagrado pelo afastamento da mulher do Governo

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, partilhou no Facebook um texto de uma ativista ambiental algarvia crítico do afastamento da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, com quem é casado. Eduardo Cabrita, ministro da Administração …

Polícia desmantela rede de pornografia infantil e faz mais de 300 detenções

Pelo menos 337 pessoas de 38 países foram detidas numa operação em que foi desmantelada uma rede de pornografia infantil, que usava um site para comercializar vídeos de abuso sexual de crianças. Num comunicado divulgado esta …

Três coelhos de uma cajadada. Vieira renova contratos a três jogadores

No seu regresso de Angola, Luís Filipe Vieira assegurou a renovação do contrato de três jogadores: Grimaldo, Ferro e Jota. O anúncio oficial deverá estar para breve. Esta quinta-feira, o jornal Record fez manchete com a …

Berardo chama Mourinho e Ronaldo a jogo para não perder condecorações

A defesa de Joe Berardo invocou outros casos de personalidades portuguesas para que o empresário não perca as condecorações que recebeu dos antigos Presidentes da República Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, escreve o Eco. De acordo …