Estados Unidos impõem sanções contra agência espacial do Irão

Gage Skidmore / Flickr

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo

Os Estados Unidos impuseram hoje pela primeira vez sanções à agência espacial do Irão, acusando-a de desenvolver mísseis balísticos sob a cobertura de um programa civil para lançar satélites em órbita.

“A tentativa iraniana de disparar um lançador espacial em 29 de agosto sublinha a urgência da ameaça”, declarou o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, num comunicado.

Anunciadas pelos departamentos de Estado e do Tesouro contra a agência e duas das suas afiliadas, estas sanções sujeitam empresas e governos estrangeiros, incluindo organizações internacionais de cooperação espacial, a penalizações por qualquer ligação e congelam os bens dos sancionados em território norte-americano.

As sanções fazem parte da campanha da administração do Presidente norte-americana, Donald Trump, de medidas económicas e diplomáticas contra o Irão desde que o ano passado se retirou unilateralmente do acordo internacional de 2015 que visava restringir o programa nuclear da República Islâmica.

O Irão estará a preparar o lançamento para o espaço de um satélite de comunicação, o Nahid-1.

Os Estados Unidos alegam que tais lançamentos desafiam uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas apelando ao Irão para não realizar atividades relacionadas com mísseis balísticos capazes de transportar armas nucleares.

As sanções ocorrem numa altura em que a França tenta uma mediação entre o Irão e os Estados Unidos para fazer descer a tensão.

No final de agosto, o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, e Donald Trump admitiram a possibilidade de um encontro entre o Presidente norte-americano e o seu homólogo iraniano, Hassan Rohani, à margem da Assembleia-Geral da ONU, que decorre este mês em Nova Iorque.

Rohani rejeitou hoje manter negociações bilaterais com os Estados Unidos e disse que, caso Washington levante as sanções, apenas aceita um diálogo multilateral com os países que assinaram o acordo nuclear com Teerão em 2015.

O pacto foi assinado entre o Irão e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China), mais a Alemanha, e previa o levantamento de sanções internacionais em troca de limitações e maior vigilância do programa nuclear iraniano.

Um ano após o anúncio da decisão norte-americana de abandonar o acordo, o Irão declarou que não se sentia obrigado a continuar a respeitar alguns dos seus compromissos no pacto enquanto os restantes signatários não conseguissem ajudá-lo a contornar as sanções dos Estados Unidos.

Hassan Rohani ameaçou hoje reduzir ainda mais os seus compromissos em matéria nuclear “nos próximos dias” se as negociações com os países europeus envolvidos no acordo nuclear não alcançarem resultados.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

União Europeia acrescenta quatro paraísos fiscais à "lista negra"

Ilhas Caimão, Palau, Panamá e Seicheles juntam-se a Samoa Americana, Fiji, Guame, Samoa, Omã, Trindade e Tobago, Vanuatu e Ilhas Virgens Americanas na lista de não respeitadores das regras comunitárias. O Conselho da União Europeia (UE) …

"Relação estava cristalizada". PS satisfeito com retoma do "diálogo cordial" com CDS

O presidente do PS saudou, esta terça-feira, a "retoma" de um relacionamento "cordial" com a nova direção do CDS-PP em torno de matérias de interesse nacional, considerando que se verificou uma transição e acabou uma …

Ministra espanhola não pensa "nem um segundo" em substituir Centeno

A ministra dos Assuntos Económicos de Espanha, Nadia Calviño, assegurou que não dedica “nem um segundo” a pensar numa candidatura à presidência do Eurogrupo, apontando que Mário Centeno “está a fazer um excelente trabalho”. A cerca …

Grupo alemão de extrema-direita tinha planos "assustadores" para atacar mesquitas

Um grupo alemão de extrema-direita, em que 12 elementos foram detidos na semana passada, é suspeito de planear ataques em larga escala "assustadores e chocantes" contra muçulmanos, semelhantes aos realizados na Nova Zelândia no ano …

Novo Banco deverá pedir perto de mil milhões de euros ao Fundo de Resolução

O Novo Banco prepara-se para pedir uma nova injeção ao Fundo de Resolução a rondar os mil milhões de euros. Com este montante, o banco atinge o teto definido na venda ao fundo Lone Star. O …

"Nunca tive um processo como este". Juiz Carlos Alexandre "surpreendido" com o caso Tancos

O juiz Carlos Alexandre assumiu, em pleno tribunal, estar "surpreendido" com os meandros que envolvem ocaso de Tancos. "Nunca tive um processo como este", terá desabafado em mais uma audiência, notando que o caso "mostra …

Maduro anuncia exercícios militares permanentes e de surpresa

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou esta terça-feira que o país fará exercícios militares "de surpresa" e de maneira permanente, em manobras que poderão incluir centenas de milhares de membros da Força Armada Nacional Bolivariana …

Bolsonaro recebe Jorge Jesus, mas muitos não gostaram da fotografia

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, recebeu esta segunda-feira, em Brasília, o treinador português Jorge Jesus, após ter conquistado no domingo a Supertaça ao serviço do Flamengo. Depois de, no domingo, ter conquistado a Supertaça ao serviço …

Cientistas encontram 300 vírus "enormes" com habilidades estranhas

Uma equipa de investigadores identificou 300 novos vírus "enormes" com habilidades estranhas encontrados em vários ambientes. Estes podem causar doenças nos seres humanos. Os vírus têm sido um tema habitual ultimamente, abrindo jornais e deixando a …

Seguro de saúde específico para britânicos visa "mitigar" consequências do Brexit

Com o objetivo de minimizar o impacto do 'Brexit' no turismo, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, informou que estão em curso estratégias para "mitigar as consequências" e encorajar os "turistas a continuar a …