EUA admitem reentrada na OMS se houver reformas e independência da China

Gage Skidmore / Flickr

Donald Trump, o Presidente dos Estados Unidos da América

Responsáveis do governo norte-americano disseram hoje que os Estados Unidos da América vão continuar a pedir reformas na Organização Mundial da Saúde (OMS) e independência do Partido Comunista chinês, mas “quando for correto” podem considerar reentrada na estrutura.

Numa teleconferência para jornalistas, a que a Lusa teve acesso, Nerissa Cook, subsecretária de Estado adjunta para Assuntos de Organizações Internacionais, disse que os EUA podem voltar a considerar entrar na OMS se forem concluídas reformas e se houver “independência face ao Partido Comunista da China”.

A saída dos Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde foi anunciada no passado mês de julho e deverá acontecer até 06 de julho de 2021.

A responsável do gabinete para organizações internacionais do Departamento de Estado disse hoje que o Presidente Donald Trump será o responsável pelas decisões de reentrada na OMS, apesar de Trump ter deixado claro que não vai reconsiderar a saída no próximo ano.

Nerissa Cook disse que os Estados Unidos vão redirecionar 62 milhões de dólares que ainda ia pagar à OMS este ano para operações da instituição mãe, Organização das Nações Unidas (ONU). A informação foi dada hoje à OMS em Genebra, Suíça, por diplomatas norte-americanos.

Nerissa Cook defendeu que a OMS “tem de ser independente nos processos e procedimentos ao lidar com a pandemia” de covid-19 e que os Estados Unidos estão a “advogar por maior rapidez e qualidade na comunicação” dos membros, criticando a “falta de responsabilidade e transparência”.

Segundo a subsecretária de Estado adjunta, o Presidente dos EUA “deu a oportunidade à OMS de praticar reformas”, que a organização negou e que justificou a decisão de saída.

Os Estados Unidos estão neste momento a “tentar identificar parceiros alternativos” internacionais para o trabalho de prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças em todo o mundo, declarou Alma Golden, administradora assistente para saúde global da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês).

A responsável da USAID acrescentou que, ainda este ano, os Estados Unidos vão contribuir “voluntariamente” e pontualmente com 68 milhões de dólares especialmente para assistência humanitária fornecida pela OMS à Síria e Líbia.

Garrett Grigsby, diretor do gabinete de assuntos internacionais do Departamento de Serviços Humanos e de Saúde, garantiu que os “indivíduos” norte-americanos que ainda trabalham na OMS vão regressar aos Estados Unidos ou vão assumir outros cargos internacionais, sem especificar o número.

Garrett Grigsby defendeu ainda que os EUA vão continuar a pedir reformas na OMS até à conclusão do processo de saída, no próximo ano, porque, “se a organização funcionar melhor, será melhor para todos”.

O diretor do gabinete internacional do Departamento de Serviços Humanos e de Saúde, do Governo norte-americano, disse que o país é “líder em saúde a nível global e assistência humanitária” e que vai continuar a assegurar que a ajuda chega a pessoas necessitadas de todo o mundo.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …