Estudo conclui que dizer palavrões é sinal de honestidade

Um estudo publicado recentemente concluiu que as pessoas que dizem palavrões são mais honestas do que aquelas que não usam esse tipo de vocabulário.

A investigação foi realizada por cientistas da Universidade de Maastricht, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong, da Universidade de Stanford e da Universidade de Cambridge.

Segundo os especialistas, há uma razão para esta ligação entre a sinceridade e os palavrões: quem apresenta esta característica não usa filtros de linguagem e diz o que pensa de um modo genuíno.

O estudo publicado na revista Social Psychological and Personality Science revela que procurar palavras mais simpáticas é um caminho para uma menor honestidade, mesmo que não haja má intenção.

A investigação foi dividida em três partes. A primeira envolveu um grupo de 307 pessoas, e cada participante recebeu várias de perguntas sobre o uso de palavrões, e sobre o seu comportamento – como por exemplo “se garantir que vai fazer alguma coisa, mantém a promessa, independentemente da inconveniência que possa causar?”

Os cientistas compararam a lista de promessas de cada participante com as suas respostas e concluíram que os indivíduos que afirmaram utilizar palavrões com mais frequência eram mais honestos nas respostas.

Numa segunda parte do estudo foram analisadas 74 mil pessoas através do Facebook, e aqueles que utilizavam mais palavrões apresentavam histórias com maior rigor e com sinais de veracidade evidentes.

Na terceira parte da investigação, os cientistas estudaram o modo como a sociedade vê os indivíduos que usam esse vocabulário.

Os especialistas organizaram os participantes norte-americano por Estados e, com recurso a um programa de computador para analisar os dados da Investigação de Integridade do Estado de 2012, concluíram que os Estados que tiveram a maior percentagem de palavrões também tiveram um maior índice de integridade.

Esta não é a primeira vez que o facto de alguém dizer asneiras revela algo positivo. Um estudo realizado em 2015 concluiu que as pessoas inteligentes tendem a usar mais palavrões.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não há dúvida que estes estudos são o que são e valem o que valem.
    Segundo este estudos as pessoas que não dizem palavrões são menos honestas do que as que dizem palavrões.
    Tenho uma opinião completamente diferente e nada têm a ver com estudos mas sim com realidade.
    A honestidade nada têm a ver com o facto de dizer ou não palavrões, (os palavrões estão relacionadas com, educação, ambiente familiar, meio em que se está inserido, profissão, etc…. há ou não há.
    Num bar de alterne a linguagem é diferente de uma igreja e não será por essa razão que as pessoas que vão À Igreja sejam menos ou mais honestas.

    • É um facto e concordo com o que refere. Penso, no entanto, que o estudo se reportará mais ao espontaneo de dizer um palavrão. Qualquer um de nós, já os disse, sem um intuito ofensivo mas como um desabafo e, consequentemente honesto, daquilo que verdadeiramente lhe vai na alma.

Responder a Zorro Cancelar resposta

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …