Estudo conclui que dizer palavrões é sinal de honestidade

Um estudo publicado recentemente concluiu que as pessoas que dizem palavrões são mais honestas do que aquelas que não usam esse tipo de vocabulário.

A investigação foi realizada por cientistas da Universidade de Maastricht, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong, da Universidade de Stanford e da Universidade de Cambridge.

Segundo os especialistas, há uma razão para esta ligação entre a sinceridade e os palavrões: quem apresenta esta característica não usa filtros de linguagem e diz o que pensa de um modo genuíno.

O estudo publicado na revista Social Psychological and Personality Science revela que procurar palavras mais simpáticas é um caminho para uma menor honestidade, mesmo que não haja má intenção.

A investigação foi dividida em três partes. A primeira envolveu um grupo de 307 pessoas, e cada participante recebeu várias de perguntas sobre o uso de palavrões, e sobre o seu comportamento – como por exemplo “se garantir que vai fazer alguma coisa, mantém a promessa, independentemente da inconveniência que possa causar?”

Os cientistas compararam a lista de promessas de cada participante com as suas respostas e concluíram que os indivíduos que afirmaram utilizar palavrões com mais frequência eram mais honestos nas respostas.

Numa segunda parte do estudo foram analisadas 74 mil pessoas através do Facebook, e aqueles que utilizavam mais palavrões apresentavam histórias com maior rigor e com sinais de veracidade evidentes.

Na terceira parte da investigação, os cientistas estudaram o modo como a sociedade vê os indivíduos que usam esse vocabulário.

Os especialistas organizaram os participantes norte-americano por Estados e, com recurso a um programa de computador para analisar os dados da Investigação de Integridade do Estado de 2012, concluíram que os Estados que tiveram a maior percentagem de palavrões também tiveram um maior índice de integridade.

Esta não é a primeira vez que o facto de alguém dizer asneiras revela algo positivo. Um estudo realizado em 2015 concluiu que as pessoas inteligentes tendem a usar mais palavrões.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não há dúvida que estes estudos são o que são e valem o que valem.
    Segundo este estudos as pessoas que não dizem palavrões são menos honestas do que as que dizem palavrões.
    Tenho uma opinião completamente diferente e nada têm a ver com estudos mas sim com realidade.
    A honestidade nada têm a ver com o facto de dizer ou não palavrões, (os palavrões estão relacionadas com, educação, ambiente familiar, meio em que se está inserido, profissão, etc…. há ou não há.
    Num bar de alterne a linguagem é diferente de uma igreja e não será por essa razão que as pessoas que vão À Igreja sejam menos ou mais honestas.

    • É um facto e concordo com o que refere. Penso, no entanto, que o estudo se reportará mais ao espontaneo de dizer um palavrão. Qualquer um de nós, já os disse, sem um intuito ofensivo mas como um desabafo e, consequentemente honesto, daquilo que verdadeiramente lhe vai na alma.

RESPONDER

Coreia do Norte voltou a rejeitar negociações com os Estados Unidos

A Coreia do Norte disse, esta terça-feira, que não tenciona retomar o diálogo com os Estados Unidos, quando o vice-secretário de Estado norte-americano, Stephen Biegun, chegou à Coreia do Sul para discutir diplomacia nuclear. Num comunicado …

Construiu uma cadeira de rodas com bicicletas elétricas para a namorada. Agora, vai produzi-la em massa

Para Zack Nelson, construir esta  peça inovadora de engenharia foi "super divertido e surpreendentemente simples". Há cerca de um ano, Zack Nelson, o youtuber de tecnologia do canal JerryRigEverything, uniu duas bicicletas elétricas para criar uma …

A reeleição de Trump nunca esteve tão ameaçada. A culpa é do pessimismo dos americanos

A gestão do Presidente norte-americano face à pandemia e a perspetiva de uma crise económica ameaçam a reeleição de Donald Trump. Um estudo de opinião da Fundação Peter G Peterson para o The Financial Times indica …

Ministros da Indonésia promovem colar de eucalipto como cura para a covid-19

O ministro da Agricultura da Indonésia foi muito criticado por especialistas por alegar que um colar feito de eucalipto pode ajudar a impedir a transmissão da covid-19. Segundo o The Guardian, o ministro da Agricultura da …

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

A SATA, companhia aérea detida a 100% pela Região Autónoma dos Açores, precisa do valor até ao final do ano para pagar dívidas. A SATA pediu um auxílio ao Estado de 163 milhões de euros para …

Cortiça portuguesa usada em foguetões da Space X

A Corticeira Amorim forneceu a Space X, de Elon Musk, para componentes usados nos foguetões espaciais da empresa, adiantou o presidente da empresa, António Rios Amorim. "É o nosso maior cliente [deste segmento] neste momento desde …

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve

Além do Algarve, outros destinos turísticos europeus, como ilhas do sul da Grécia, Canárias e Baleares, estão também em risco. As regiões onde o turismo tem mais peso enfrentam um risco maior de destruição de emprego, …

Imunidade de grupo não vai travar pandemia, diz estudo espanhol

Um estudo espanhol, que abrangeu mais de 60 mil pessoas, colocou em causa a viabilidade da imunidade de grupo como forma de combater a pandemia de covid-19, estimando que apenas 5% da população tenha desenvolvido anticorpos …

Na Colômbia, a "rebelião dos grisalhos" lutou contra o confinamento e a juíza deu-lhes razão

Um grupo de ilustres septuagenários, que liderou a iniciativa local da "rebelião dos grisalhos", na Colômbia, conseguiu uma grande vitória judicial. Na Colômbia, a "rebelião dos grisalhos" lutou contra o confinamento, exigindo mais tempo na rua …

EUA ponderam bloquear o TikTok e outras redes sociais chinesas

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, admitiu esta semana que os Estados Unidos estudam a possibilidade de bloquear a rede social de vídeos TikTok, bem como outras plataformas do género chinesas. Em entrevista à emissora …