Guerra comercial. Estados Unidos e China voltam à mesa das negociações

A China e os Estados Unidos retomam as negociações para um acordo que tem como objetivo pôr fim às disputas que ameaçam a economia mundial.

Esta terça-feira, Estados Unidos e China voltam às negociações para um acordo que ponha fim a disputas comerciais que duram há um ano, enquanto acusações mútuas sinalizam persistentes tensões entre Pequim e Washington.

Este é o primeiro frente-a-frente entre o representante do Comércio e o secretário do Tesouro dos EUA, Robert Lighthizer e Steven Mnuchin, respetivamente, com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, desde que os presidentes Donald Trump e Xi Jinping acordaram um segundo período de tréguas, no mês passado.

Desde então, declarações dos ambos lados terão abalado as esperanças de um acordo para breve que ponha fim às disputas que ameaçam a economia mundial.

Na semana passada, Trump alertou que pode não haver acordo antes das próximas eleições presidenciais, marcadas para novembro de 2020. No fim de semana, o líder norte-americano atacou o estatuto da China como país em desenvolvimento na Organização Mundial do Comércio, afirmando que Pequim “aldraba o sistema às custas dos EUA”.

O ministério chinês dos Negócios Estrangeiros disse, entretanto, que as críticas de Trump “expuseram ainda mais a sua arrogância desonesta e egoísmo”. Citado pela imprensa norte-americana, Jake Parker, responsável em Pequim pelo Conselho Empresarial EUA-China considerou que as expectativas de um avanço nas negociações são “modestas”. “Esperamos que os dois lados adotem uma abordagem pragmática e realista”, afirmou.

Em Washington passou a haver um consenso para uma política mais confrontacional em relação a Pequim, que é agora oficialmente classificado como “rival estratégico”.

“Este é um jogo que testa quem é o mais forte e quem pode durar mais tempo – eu espero que sejamos nós”, disse na segunda-feira Chuck Schumer, senador democrata do estado de Nova Iorque. Schumer acrescentou que Trump não deveria “desistir de restringir a Huawei em troca de nada menos do que compromissos concretos sobre acesso ao mercado, usurpação de propriedade intelectual e transferência forçada de tecnologia”.

O primeiro período de tréguas colapsou após Trump ter subido as taxas alfandegárias sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares (178 mil milhões de euros) de bens importados da China, acusando Pequim de recuar em compromissos feitos anteriormente.

A escolha de Xangai, a “capital” económica da China, para nova ronda de negociações sinaliza a disposição do lado chinês para chegar a um acordo.

Há 12 anos, o ministro do Comércio da China, Bo Xilai, reuniu-se em Xangai com Peter Mandelson, então comissário do Comércio da União Europeia, para selar um acordo que restringia temporariamente o “aumento” das exportações chinesas de têxteis para a UE.

As empresas chinesas retomaram já a compra de soja, algodão, carne de porco e sorgo dos EUA. As compras diminuíram depois de as negociações terem colapsado, em maio passado.

Washington relaxou também as restrições sobre o grupo chinês das telecomunicações Huawei, colocado numa lista de entidades do Departamento de Comércio após as negociações falharem em maio, o que implica que as empresas norte-americanas tenham de solicitar licença para vender tecnologia à empresa.

No cerne das disputas está a política de Pequim para o setor tecnológico, que visa transformar as firmas estatais do país em importantes atores globais em setores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

Os EUA consideraram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pássaros de São Francisco aprenderam uma nova (e mais complexa) melodia durante a pandemia

Uma nova investigação científica relata que os pardais-de-coroa-branca de São Francisco, ave que vive nas zonas urbanas e rurais da cidade norte-americana, aprenderam uma nova e mais complexa melodia durante a pandemia. De acordo com …

Enorme espinha dorsal de tubarão-branco dá à costa em Massachusetts depois de uma tempestade

A espinha dorsal que se acredita pertencer a um espécime de tubarão-branco (Carcharodon carcharias) deu à costa numa praia em Massachusetts, nos Estados Unidos, depois de uma tempestade ter atingido a região. A espinha foi encontrada …

A China está a tornar-se o país com maior influência na ONU

Há dez anos, a China começou uma operação que lhe tem vindo a garantir mais influência nas Nações Unidas. Agora, o poder que possui na organização mundial protege o país asiático do escrutínio internacional. De acordo …

Uma droga pode tratar o nanismo (mas há quem defenda o "orgulho anão")

Um estudo vem agora revelar que uma droga pode tratar o nanismo. Porém, a possibilidade de haver um tratamento para esta condição clínica não é consensual. Um novo estudo, financiado pela BioMarin Pharmaceutical e publicado no …

Meghan Markle perde batalha judicial. Em causa está carta que enviou ao pai (divulgada por jornal britânico)

Depois de no passado mês de agosto, Meghan Marke vencer uma batalha judicial contra o Mail on Sunday, desta vez a Duquesa de Sussex não pode festejar mais uma vitória. A norte-americana perdeu a última …

Após acidente, robô-piloto voltou a levantar voo (e pilotou avião durante 2 horas)

O ROBOpilot, um piloto robótico não tripulado, levantou voo pela primeira vez no ano passado, mas sofreu danos durante um dos seus voos. Agora, está apto para voar novamente. No ano passado, um acidente forçou o Laboratório …

David Attenborough bateu um recorde mundial no Instagram (e destronou Jennifer Aniston)

O naturalista britânico David Attenborough destronou a atriz norte-americana Jennifer Aniston e tornou-se a pessoa a alcançar mais rapidamente um milhão de seguidores no Instagram, segundo os números do Guinness. David Attenborough, de 94 anos, …

Indonésia planeia atração turística com dragões de Komodo ao estilo de Jurassic Park

A Indonésia planeia construir uma atração ao estilo da saga Jurassic Park para que os turistas possam ver os famosos dragões de Komodo. De acordo com a revista Vice, em causa está uma proposta de …

Daniel Alves: uma camisola origina duas controvérsias

Internacional brasileiro vai defrontar o River Plate e apareceu com uma camisola do Boca Juniors. Poderá ter quebrado as regras da Conmebol. River Plate e São Paulo vão entrar em campo na próxima madrugada, para um …

Japão declara guerra aos fax (e quer acabar com o tradicional carimbo Hanko)

Depois de ser escolhido como ministro da reforma administrativa, o primeiro-ministro Taro Kono não perdeu muito tempo a travar uma guerra contra os emblemas da burocracia japonesa. De acordo com o Japan Times, na sexta-feira passada, …