Estado perde rasto a candidatas a asilo. Há 33 mulheres em fuga

Mário Cruz / Lusa

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita

Cerca de trinta e três mulheres requerentes de asilo a Portugal fugiram ao controlo do Conselho Português para os Refugiados (CPR) entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano. O Estado não sabe do seu paradeiro.

A diretora do CPR já expressou a preocupação ao Governo, mas o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) acredita que a possível existência de redes organizadas de tráfico de seres humanos pode estar por trás destas fugas ao Estado.

Depois de Ihor Homenyuk ter sido assassinado em março de 2020 por três inspetores do SEF, no Espaço Equiparado a Centro de Instalação Temporária do Aeroporto de Lisboa, houve uma alteração na lei de asilo em julho do mesmo ano.

Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna, ordenou que estes espaços deixariam de ser usados para a detenção temporária de requerentes de asilo a Portugal, devendo apenas albergar os refugiados em espera por voos de regresso aos países de origem. A tarefa de vigilância dos requerentes de asilo passou a estar entregue ao CPR.

No entanto, segundo um email dirigido ao Governo pela presidente deste conselho, Mónica Farinha, ao qual o Correio da Manhã teve acesso, está a ser registado um aumento dos abandonos voluntários de estrangeiros dos espaços à guarda ou escolhidos pelo CPR.

Assim, em dezembro de 2020 foram acolhidas 31 mulheres que aguardavam pela apreciação dos respetivos pedidos de asilo, tendo 19 escapado à vigilância. Até ao dia 20 deste mês, o número de pedidos de asilo em análise foi de 22, com 14 mulheres a escaparem.

Mónica Farinha sublinha que o CPR reparou em contactos feitos por estas mulheres no período em que se mantiveram sob tutela. O que faz despertar a desconfiança sobre a existência de redes organizadas que as poderão estar a influenciar e direcionar para outros locais, avança o CM.

As requerentes a asilo cujo paradeiro se desconhece são provenientes de países como Guiné-Bissau, Camarões, Comores, Gâmbia, Senegal, Marrocos e Angola.

O SEF explicou que o procedimento que um requerente de asilo efetua ao chegar ao País é acautelado através da consulta a bases de dados de controlo de fronteiras.

A fonte oficial acrescentou que, em nenhum momento, “estes requerentes de asilo se encontram sob detenção quando lhes é solicitado que procurem abrigo em instalações indicadas pelo CPR”.

José Luís Barão, diretor nacional adjunto do SEF, remeteu internamente o aviso de Mónica Farinha.

O responsável realça que “a situação de não haver instalações nos aeroportos, para retenção de refugiados, deve merecer atenção em termos de análise de risco para a segurança nacional e da União Europeia”, apelando ao regresso da instalação em regime fechado de requerentes de asilo.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Como se vê o cabrito resolveu o problema, agora não morre ninguém e assim todos podem entrar, Era o que queria a candidata dos lábios vermelhos

  2. “…fugiram ao controlo do Conselho Português para os Refugiados (CPR)…” a minha versão diz : …fugiram ao descontrolo do Conselho Português para os Refugiados (CPR)…
    Será que sou eu que estou a ler mal?

RESPONDER

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …