Estado distribui agendas com castelhano como língua principal

(dr) SIC

Imagem disponibilizada por Luís Marques Mendes no seu espaço de comentário na SIC

O Estado português distribuiu agendas nas quais o “castelhano é a língua dominante” aos altos quadros da administração pública, revelou Luís Marques Mendes neste domingo, no seu habitual espaço de comentário na SIC. 

“Será que o Estado português já considera que Portugal é um província de Espanha? Será que já chegamos à Ibéria?”, questionou o comentador e antigo presidente do PSD, afirmando depois que se trata de um caso simbólico. “Quando se começam a degradar os símbolos, começam a degradar-se as instituições”, considerou.

Nas imagens reveladas pela SIC, disponibilizadas por Marques Mendes, pode ver-se que a agenda destaca as palavras em castelhano, seguindo-se depois, em tamanho menor, o português e as línguas regionais espanholas: o galego, o basco e o catalão.

Apesar de reconhecer que os responsáveis do Executivo socialista poderão não estar a par deste caso, o comentador político frisa que este é um assunto com relevância.

Marques Mendes deixou ainda um pedido a António Costa para que o primeiro-ministro tome uma atitude sobre o caso e mande recolher as agendas. Aos deputados, pediu que questionassem o Governo sobre a questão.

“Acho que o primeiro-ministro não sabe isto, mas devia mandar retirar as agendas, e os deputados deviam pedir explicações. Alguma vez os espanhóis aceitavam agenda em língua portuguesa?”, questionou.

Fonte oficial do gabinete da ministra da Modernização Administrativa recusou para já fazer qualquer comentário sobre este caso, nota o jornal Observador.

“Podemos ter acusações de gestão danosa da CGD”

Em breve, o Ministério Público poderá avançar com acusações a antigos gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD), adiantou ainda Marques Mendes neste domingo.

O comentador político revelou que a auditoria encomendada pelo Governo à gestão da CGD “foi feita para o período de 2000 a 2015 mas sobretudo conclui que o período de 2005 a 2008 é o período mais ruinoso das operações da CGD”.

Marques Mendes lançou o tema da auditoria prometida pelo Governo em 2016 e encomendada em 2017 para frisar que “esta auditoria está no Ministério Público e mais dia, menos dia, mais semana, menos semana, mais mês, menos mês, poderemos ter uma acusação de gestão danosa de responsáveis da CGD”.

Em outubro passado Marques Mendes foi convidado para ocupar o cargo de presidente da mesa da assembleia geral do banco angolano da CGD, o Caixa Geral Angola. No seu comentário habitual na antena da SIC, o antigo presidente do PSD deixou também uma questão ao Parlamento. “Os deputados prometeram uma lei para os grandes incumpridores. Onde está essa alteração à legislação bancária?”, indagou.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Em vez de estarmos em Portugal estamos num país de faz de conta! Quem foi o responsável por esta porcaria? Quem paga o prejuízo? Não basta já a utilização abusiva de termos anglo0-saxónicos? O nacional-parolismo não acaba? Chega de ofender os portugueses!

    • Eu prefiro os termos anglo-saxónicos do que castelhanismos ou algo similar. Essa língua ofende nossa história e toda luta de nossos antepassados pela liberdade!

  2. E qual é o problema ???
    Isto só prova, que o D. Afonso Henriques, era um menino mimado e burguês, que queria um reino para ele, coisas inacessíveis á sua mamã.
    E depois “desse mal” ter sido resolvido, em Alcácer-Quibir, houve uns patetas, que no 1º de Dezembro de 1640, em vez de ficarem quentinhos na caminha, resolveram ir esfaquear, os nobres castelhanos, ao Palácio da Independência, ali para os lados do Hospital de S. José.
    E mais, isto das agendas (até porque vem em Português em 2º plano), só prova que o governo está a conter as despesas, a poupar, e no caminho certo, pois as ditas agendas decerto que foram muitíssimo mais baratas, que que se fossem em Português, e veja-se o preço das bilhas de gás em Espanha, que são a metade do preço de cá, bem como os combustíveis (entre outras coisas, que nem vale a pena aqui falar, para não começarmos todos chorar, até porque estamos em época festiva). Os rebuçados é que já não vale a pena comprar lá.

  3. O incomptente que comprou estas agendas chinocas é que as tem que as pagar!!
    Será assim tão difícil ir, por exemplo, à Ambar comprar agendas fabricadas em Portugal?

RESPONDER

Pedro Soares não acredita em nova geringonça. "Não há condições"

De acordo com Pedro Soares, "não há condições para uma nova geringonça." O deputado não se recandidatará e acredita que o BE deve voltar a aproximar-se dos valores da sua génese. Apesar de ressalvar que esta …

BCP começa hoje a cobrar transferências por MB Way

O Millennium BCP começa hoje a cobrar as transferências feitas pelo MB Way. As transferências pela App Millennium têm um custo de 0,50€, enquanto as que forem feitas pela aplicação do MB Way têm um …

Estado gastou milhões de euros em obras sem utilidade

O Estado português investiu milhões de euros em vários obras que hoje não têm qualquer tipo de uso. Muitas delas foram feitas com a ajuda de fundos comunitários. São várias as obras feitas pelo Estado que …

Só uma dúzia de pessoas conhecem as perguntas dos exames nacionais

O primeiro exame nacional é de Filosofia do 11º ano. Quando chegar às mãos dos estudantes, o enunciado da prova já passou por várias fases, desde a elaboração, a impressão e a distribuição, em que …

Marcelo promulga compra do SIRESP. "Tudo o que acontecer será responsabilidade do Estado”

O Presidente da República promulgou o decreto-lei do Governo com vista à compra, pelo Estado, de 100% do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Marcelo Rebelo de Sousa alertou para as …

Maior manifestação de sempre em Hong Kong leva Governo a pedir desculpa

Seis horas depois do início da marcha de protesto contra a lei da extradição, “uma multidão nunca vista” continuava a inundar as ruas de Hong Kong este domingo, na “maior manifestação de sempre”, disseram vários …

Mais de 200 ex-políticos acumulam subvenções vitalícias e reformas

Quase quinze anos depois de o Parlamento ter decidido acabar com as subvenções vitalícias, existem ainda 322 beneficiários de subvenções mensais vitalícias para antigos políticos. Destes, 216 têm uma acumulação de pensão e subvenção superior …

Mulher de Netanyahu considerada culpada de usar dinheiros públicos em refeições de luxo

A mulher do primeiro-ministro israelita foi, no domingo, considerada culpada do uso indevido de dinheiros públicos e condenada a pagar uma multa, segundo uma decisão do tribunal de Jerusalém. Acusada em junho de 2018 por fraude, …

Incêndio catastrófico destruiu a "Pompeia britânica" um ano depois de ser construída

O assentamento incrivelmente preservado na Idade do Bronze, denominado "Pompeia britânica", foi destruído por um incêndio um ano depois de ser construído. Um novo estudo, publicado na revista Antiquity, revela novos detalhes sobre Must Farm, uma …

Marcelo responde à Fenprof: uma “história mal amanhada”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo incompreensíveis as críticas da federação dos professores, que o acusou de não ser Presidente de todos os portugueses. O Presidente da República advertiu que, “por …