Governo aperta cerco, mas especialistas queriam mais. Desconfinamento pode estar em risco

Patricia De Melo Moreira / EPA

Numa altura em que os números de casos diários não para de subir, a preocupação cresce. Apesar das novas medidas tomadas pelo Executivo na zona de Lisboa – a mais afetada do país – Portugal já pode estar numa situação irreversível e o processo de desconfinamento pode estar em causa.

O número de infeções por covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo está a disparar e a tendência é para crescer.

A capital já ultrapassou os 240 casos por 100 mil habitantes a 14 dias, o que levou o Governo a adotar medidas mais “apertadas” na Área Metropolitana de Lisboa aos fins de semanas.



Contudo, as novas restrições impostas na região não agradam aos especialistas que acreditam que é necessário fazer mais.

Vários médicos de saúde pública pedem medidas “duras”, mas descartam que a aposta principal passe por um reforço da vacinação nesta região, apesar de LVT ser a região mais atrasada do país ao nível da vacinação completa.

Uma vez que o principal objetivo da vacinação é conter as mortes e as infeções graves, Bernardo Gomes, médico de saúde pública, defende em declarações ao ECO que, no imediato, este pode não ser o melhor método para travar rapidamente a pandemia da região de Lisboa.

Ainda assim, a autarquia de Lisboa já informou que para colmatar o atraso na vacinação e para atingir as 65 mil doses administradas por semana, os centros de vacinação da cidade de Lisboa vão ter horário alargado a partir da próxima segunda-feira.

Se, por um lado, Bernardo Gomes é taxativo ao referir que o reforço da vacinação em Lisboa e Vale do Tejo não deve ser “a principal aposta” neste momento, já que não permite o controlo imediato da pandemia e que “tem que se aproveitar o máximo da capacidade logística em todo o país”, Carlos Robalo Cordeiro é mais cauteloso.

Para o diretor do serviço de Pneumologia dos Hospitais da Unidade de Coimbra, o reforço da vacinação nesta região é “uma das formas que podem ajudar a minimizar o impacto daquilo que está a surgir como uma quarta vaga”.

Apesar da elevada incidência de casos de infeção no concelho de Lisboa estar a preocupar as autoridades de saúde nacionais, ainda não foi esta semana que o Governo decidiu recuar no desconfinamento.

Ainda assim, o Executivo apertou “o cerco” nesta zona, ao proibir a circulação de pessoas de e para a Área Metropolitana de Lisboa aos fins de semana.

Contudo, e aliado à vacinação, os especialistas pedem um aumento da testagem, uma maior fiscalização do teletrabalho e restrição de horários.

Bernardo Gomes considera que deve haver um retrocesso das medidas aplicadas nesta região, dando como exemplo uma “maior fiscalização ao teletrabalho” e “uma aposta muito forte” para que as pessoas passem mais tempo ao ar livre.

Também Robalo Cordeiro é a favor de um retrocesso imediato das medidas, referindo que “o que se está a passar em Lisboa vai ter repercussão em muito breve prazo em todo o país”.

Por isso, diz que é “determinante” que se possam promover “medidas de contenção com urgência”, promover a adoção do teletrabalho, o que vai diminuir a pressão nos transportes públicos”, bem como restringir novamente os horários de algumas atividades, como a restauração e o comércio.

O pneumologista defende ainda que é “fundamental” aumentar o nível de testagem, assinalando que o certificado digital covid poderá também ser “importante para atrair as pessoas e promover a adesão a estes processos, quer de vacinação, quer de testagem”.

Portugal “muito dificilmente” segue para nova fase do desconfinamento

Segundo o Governo, estava previsto que a próxima fase de desconfinamento entrasse em vigor no dia 28 de julho, mas esta data poderá de ter de ser adiada.

Durante a conferência de imprensa de ontem, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, avisou aos portugueses que “muito dificilmente” o país terá condições para avançar para a nova fase de desconfinamento.

“Ao longo da última semana, a situação epidemiológica tem-se vindo a deteriorar”, alertou a governante.

No início do mês, o Governo criou duas novas fases no plano de controlo da pandemia. A 28 de junho estava previsto que os transportes públicos pudessem voltar a funcionar sem restrição de lotação e a reabertura das lojas de cidadão sem marcação prévia, por exemplo.

“Semanalmente, fazemos aqui a avaliação da situação a nível nacional. E ela hoje afasta-se claramente da zona verde [da matriz de risco], o que significa que, para a semana, quando estava prevista uma nova fase de desconfinamento, ela muito dificilmente, a continuarem estes números, se irá verificar”, finalizou Mariana Vieira da Silva.

Aumento de casos coloca Portugal em contraciclo com UE

Entre meados de março e o final de abril, Portugal foi o país da UE a registar uma menor taxa de incidência da covid-19, mas a tendência tem-se invertido nas últimas semanas.

Segundo uma análise do Público com base em dados do Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), o país é o 13.º na lista de países da UE com a incidência mais elevada.

De acordo com o jornal, Portugal recuou diversas posições também porque muitos países melhoraram os seus valores nas últimas semanas.

Malta é, atualmente, o país da UE com uma taxa de incidência mais baixa (nove casos por 100 mil habitantes), lugar que ocupa há cinco semanas consecutivas. Seguem-se a Roménia (11 casos) e a Polónia (14). No extremo oposto estão a Letónia (154), a Dinamarca (153) e os Países Baixos (139).

Portugal está agora em contraciclo com o resto da UE, que tem verificado, em média, uma redução da incidência nas últimas semanas. No final de março, os 27 estados-membros tinham, em conjunto, uma incidência média de 490 casos por 100 mil habitantes, enquanto que, atualmente, o valor está nos 71 casos.

Por outro lado, Portugal é quinto na lista de países com menos mortes atribuídas à covid-19. Além disso, a taxa de testagem voltou a cair, estando atualmente nos 2731 testes realizados por 100 mil habitantes.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

DGS autoriza competições da FPF com 33% de público

Os jogos das competições organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) podem ter uma ocupação de 33% dos recintos desportivos, segundo um parecer técnico da Direção-Geral da Saúde (DGS) a que a agência Lusa teve …

Novas "caixas" transformam eletricidade e areia em painéis solares

A Terrabox é uma espécie "fábrica de células solares" que só necessita de areia e eletricidade. Se for um sucesso, a tecnologia vai à Lua e a Marte. A Maana Electric, uma empresa sediada no Luxemburgo, …

Tribunal europeu autoriza hospital britânico a retirar o suporte de vida a bebé. Pais recusam

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos rejeitou um recurso da família de Alta Fixsler, uma bebé de dois anos, que não come ou respira sozinha, autorizando o Manchester University NHS Foundation Trust a retirar-lhe o …

Equipa com astrónomos portugueses descobre planetas que podem ter água

Uma equipa internacional de astrónomos, incluindo portugueses, descobriu um sistema de planetas fora do Sistema Solar que podem ter água à superfície, no interior ou na atmosfera, divulgou esta quinta-feira o Observatório Europeu do Sul …

México processa fabricantes de armas dos EUA para tentar deter comércio ilegal

O Governo do México lançou uma ação civil num tribunal do Massachusetts, nos Estados Unidos (EUA), contra um conjunto de fabricantes por "comércio negligente", visando deter o "tráfico ilegal" de armas através da fronteira, destinadas …

Afinal, Messi não vai renovar com o Barcelona

O internacional argentino não vai renovar contrato com o FC Barcelona, confirmou, esta quinta-feira, o clube catalão. Em comunicado publicado no seu site oficial, o FC Barcelona explica que, "apesar de ter chegado a acordo" com …

A Guerra Fria eclodiu nas piscinas de Tóquio. E promete continuar pelos Olímpicos fora

Após a final dos 200 metros costas, o nadador norte-americano Ryan Murphy sugeriu que acabara de participar numa prova que "provavelmente não foi limpa". O comentário foi interpretado como uma acusação a Evgeny Rylov, medalhado …

Moderna admite a necessidade de terceira dose da vacina este ano

A empresa biotecnológica norte-americana Moderna admitiu esta quinta-feira que será necessária uma terceira dose da sua vacina contra a covid-19 antes do fim do ano, devido ao esperado aumento de contágios causado pela variante Delta …

Marcelo insiste na vacinação dos jovens dos 12 aos 15. "Temos de ter paciência"

O Presidente da República considerou, esta quinta-feira, que as dúvidas relativas à vacinação dos jovens entre os 12 e os 15 anos não são "tanto dúvidas de princípio, quanto de momento", afirmando que "tudo tem …

44% dos futebolistas foram alvo de ofensas no Twitter

Estudo envolveu os 400 futebolistas da Premier League que têm conta oficial naquela rede social. Quase metade dos futebolistas da Premier League que têm conta oficial no Twitter recebeu mensagens com conteúdo ofensivo ao longo da …