Escolas da Nova Zelândia vão passar a oferecer produtos menstruais

A primeira-ministra neozelandesa anunciou, esta quinta-feira, que todas as escolas do país vão, a partir de junho, colocar à disposição das alunas produtos menstruais gratuitos, uma iniciativa para combater a “pobreza do período”.

De acordo com a agência Reuters, o anúncio da primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, acontece depois de um projeto-piloto bem-sucedido em 15 escolas do país, no ano passado, que ofereceu produtos menstruais a cerca de 3200 jovens.

“Fornecer produtos menstruais gratuitos na escola é uma forma de o Governo abordar diretamente a pobreza, ajudar a aumentar a frequência escolar e ter um impacto positivo no bem-estar das crianças”, disse a chefe do Executivo em comunicado.

“Queremos melhorar o compromisso, a aprendizagem e o comportamento” e fazer com que “menos jovens faltem à escola por causa do período” e haja “menos dificuldades financeiras entre as famílias destas alunas”, acrescentou.

Em declarações aos jornalistas, Ardern destacou as conclusões de um estudo que mostra que uma em cada 12 jovens neozelandesas falta à escola quando está com a menstruação. A primeira-ministra revelou ainda que o programa, que vai entrar em vigor em junho, vai custar 25 milhões de dólares neozelandeses até 2024, cerca de 15 milhões de euros.

A primeira-ministra neozelandesa, que chegou ao poder em 2017, é vista como um ícone global, não só pela sua estratégia que levou o país a ser um dos principais casos de sucesso no combate à pandemia da covid-19, mas também pela sua reivindicação dos direitos das mulheres.

Tal como recorda a Reuters, a sua gravidez e consequente licença de maternidade, em 2018, foram saudadas como um símbolo de progresso entre as líderes mundiais. Ardern também se destacou quando levou a filha de três meses para uma das Assembleias-Gerais das Nações Unidas.

Relativamente aos produtos menstruais gratuitos, recorde-se que, em novembro do ano passado, a Escócia se tornou o primeiro país do mundo a oferecer estes produtos de higiene íntima feminina, que passam a estar disponíveis em locais previamente designados, como centros comunitários, associações juvenis e farmácias.

Em 2018, este mesmo país foi também o primeiro a disponibilizar de forma gratuita produtos de higiene íntima em estabelecimentos de ensino, uma iniciativa que agora vai ser replicada na Nova Zelândia (e que também já acontece no Reino Unido e em alguns estados dos EUA).

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cansado de denúncias, Betis pede aos seus sócios: "Portem-se bem"

Clube onde jogam dois portugueses quer que os adeptos tenham um "comportamento adequado" durante os jogos no Benito Villamarín. O Betis de Sevilha jogou seis vezes até agora, nesta época. Quatro desses encontros foram disputados em …

Junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, diz especialista da ONU

A junta militar de Myanmar está a sequestrar familiares de pessoas que pretende deter, incluindo crianças com 20 semanas de idade, segundo o relator especial da Organização das Nações Unidas (ONU) destacado para o país, …

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …