Escócia é o primeiro país a tornar os produtos menstruais gratuitos

Os produtos de higiene íntima feminina vão passar a ser gratuitos na Escócia. A primeira medida do género em todo o mundo entrará em vigor em janeiro e tem o objetivo de combater a “pobreza menstrual”.

A Escócia tornou-se, esta terça-feira, no primeiro país a permitir o acesso gratuito a produtos menstruais, como pensos higiénicos e tampões, que passarão a estar disponíveis em locais previamente designados, como centros comunitários, associações juvenis e farmácias, revela a CNN.

Estima-se que a nova medida terá um custo anual de 8,4 milhões de libras (cerca de 9,4 milhões de euros) e caberá às autarquias locais e aos prestadores de ensino assegurar a disponibilidade dos produtos gratuitamente.

“A Escócia não será o país que acaba com a pobreza menstrual, mas temos a hipótese de ser os primeiros”, disse Monica Lennon, a deputada trabalhista que propôs a nova lei no ano passado.

“Isto é um sinal para o mundo de que o acesso universal gratuito a produtos para o período pode ser alcançado”, acrescentou.

Num documento de apoio à legislação, Lennon disse ainda que será razoável esperar 20% de adesão à nova medida, tendo em conta que as estatísticas oficiais de desigualdade mostram que quase 20% das mulheres na Escócia vivem em relativa pobreza.

A nova lei foi elogiada por vários grupos de direitos das mulheres, bem como por políticos de todos os partidos representados no Parlamento daquele país.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, descreveu o momento em que a lei foi aprovada (sem votos contra nem abstenções) como “uma decisão importante para as mulheres e raparigas”.

Sinto orgulho nesta legislação inovadora, que faz da Escócia o primeiro país do mundo a disponibilizar, de forma gratuita, produtos menstruais a todas as mulheres que precisem”, disse Sturgeon na rede social Twitter.

No Reino Unido, uma em cada dez adolescentes não têm possibilidades para comprar produtos de higiene íntima feminina, segundo uma sondagem feita em 2017 pela organização Plan International.

Além disso, a pesquisa também descobriu que quase metade das raparigas com idades entre os 14 e os 21 anos sente vergonha do período e cerca de metade já faltou à escola por não ter acesso aos produtos.

Em 2018, a Escócia foi também o primeiro país a disponibilizar de forma gratuita produtos de higiene íntima em escolas e universidades.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …

Desde 2001 que polícias negros alertam para racismo de agentes do Capitólio

Com a invasão do Capitólio, investiga-se o alegado racismo existente na Polícia do Capitólio. Desde 2001 que agentes negros denunciam casos de discriminação racial no departamento. Desde 2001, centenas de agentes policiais negros processaram o departamento …

Um megatsunami devastou uma vila na Gronelândia. Três anos depois, há quem não possa voltar a casa

Em junho de 2017, Nuugaatsiaq, na Gronelândia, foi devastada por um megatsunami, cujas ondas foram desencadeadas por um enorme deslizamento de quase 30 quilómetros através do fiorde. Embora as ondas se tivessem dissipado quando chegaram a …