/

“Ou és infetado ou morres de fome”. Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

SXC

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia de covid-19.

As denúncias sobre o ambiente de trabalhos nestes call centers filipinos tinham já vindo a público, mas o receios dos trabalhadores têm aumentado devido à pandemia.

Quatro trabalhadores que pediram anonimato contaram à NBC News que trabalham em escritórios repleto de pessoas, onde é impossível manter o distanciamento social, comportamento que é considerado essencial para travar a propagação do SARS-CoV-2.

A Teleperformance, a empresa oficialmente responsável pela contratação destes funcionários, continua a rejeitar pedidos de teletrabalho por parte dos funcionários, que dizem que se sentiriam mais seguros se pudessem trabalhar remotamente.

Estes mesmos postos de trabalho tinham já sido notícia em abril passado, quando começaram a ser divulgadas fotografias de trabalhadores contratados a dormir no trabalho para que conseguissem responder às chamadas americanas.

Entretanto, a empresa proibiu as dormidas no local de trabalho.

Mas, sem outras acomodações, muitos destes funcionários arrendam agora quartos partilhados – que custam cerca de 20% dos seus salários – e outros esperam horas pelo transporte da empresa, chegando exaustos a casa já depois do trabalho, contaram os mesmos funcionários à emissora norte-americana.

“Se és o ganha-pão da tua família, precisas do dinheiro”, disse um dos trabalhadores à NBC depois de falar sobre as várias horas que gasta diariamente depois do trabalho.

A Teleperformance e a Ring falaram à emissora norte-americana, explicando como é que a empresa promove a segurança e o bem-estar durante a pandemia.

No entanto, frisa o portal Futurism, várias pessoas ficaram doentes nestes call centers nos últimos tempos, com sintomas semelhantes aos da gripe e covid-19, não se sabendo ao certo se alguns funcionários terão contraído a doença.

“As pessoas estão assustadas porque não sabemos quem tem ou quem não tem [o SARS-CoV-2] (…) As pessoas não têm escolha, porque ou és infetado ou morres de fome”, disse um trabalhador em declarações à NBC.

  ZAP //

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.