Epidemiologista prevê o fim da pandemia. Vão ser os “segundos Loucos Anos 20”

Passou quase um ano desde que o Sars-CoV-2 foi identificado por cientistas chineses como a fonte de uma nova doença respiratória letal. Desde então, mais de 1,5 milhões de pessoas morreram em todo o mundo, as economias fecharam várias vezes e as sociedades isolaram-se nas suas casas.

Em declarações ao jornal britânico The Guardian, o professor de Yale e epidemiologista social, Nicholas Christakis, traz um consolo frio, conforme afirma no seu novo livro “A flecha de Apolo”: o impacto profundo e duradouro do coronavírus na forma como vivemos.

“Um dos argumentos do livro é que o que está a acontecer connosco pode parecer estranho e não natural para muitas pessoas, mas as pragas não são novas para a nossa espécie – são apenas novas para nós”, disse Christakis, que vê um padrão.

O conforto que Christakis oferece após observar as doenças ao longo de milénios é que pragas e pandemias acabam sempre – antes mesmo de haver vacinas.

Segundo o epidemiologista, a forma como reagimos a esses germes determina a força com que atingem a sociedade.

Além disso, embora a distribuição de vacinas da Pfizer e Moderna seja um dos maiores desafios de saúde pública, também representam uma das grandes conquistas da humanidade. Se for possível vacinar uma porção suficiente da população, a pandemia terminará muito mais cedo e com menos mortes.

“Somos a primeira geração de humanos vivos que já enfrentou esta ameaça que lhes permite responder em tempo real com medicamentos eficazes”, disse Christakis.

“É milagroso”, acrescentou.

Quando as pandemias acabam, há um período em que as pessoas procuram uma interação social extensa e que Christakis prevê que serão os segundos “Loucos Anos 20”, exatamente como após a pandemia de gripe de 1918.

“Durante as epidemias, há aumentos na religiosidade, as pessoas tornam-se mais abstinentes, economizam dinheiro, ficam avessas ao risco e estamos a ver tudo isto agora, assim como temos visto durante centenas de anos durante as epidemias”, disse Christakis.

As economias de civilizações antigas entraram em colapso em tempos de doença.

“Muitas pessoas parecem pensar que são as ações do nosso Governo que estão a causar a desaceleração da economia – isso é falso”, disse Christakis. “É o vírus que está a causar a desaceleração da economia, porque as economias entraram em colapso mesmo nos tempos antigos, quando as pragas aconteciam, mesmo quando não havia governo a dizer para fechar as escolas e fechar os restaurantes.”

O futuro não virá até que a sociedade tenha tempo de distribuir a vacina, provavelmente até 2021, e de se recuperar da devastação sócio-económica que a pandemia causou, provavelmente até 2023, segundo o epidemiologista.

Porém, a visão que traça para a partir de 2024 é um lugar repleto de experiências: estádios lotados, discotecas lotadas e artes florescentes. “Em 2024, todas essas [tendências de pandemia] serão revertidas”, disse Christakis. “As pessoas procurarão implacavelmente as interações sociais.”

Para já, o próximo ano testará a resistência do mundo em continuar a manter a distância social, lavar as mãos, usar máscaras e evitar multidões.

“O nosso mundo mudou, há um novo patógeno mortal a circular, não somos as primeiras pessoas a enfrentar essa ameaça e muito será exigido de nós”, disse Christakis. “E vamos ter que crescer com isso.”

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado… ninguém fala dos efeitos adversos da vacina… muito menos da rapidez com que foi feita – que é inimiga da precisão.

  2. Então porque não fala você, pessoa sem rosto? Sabe do assunto? tem conhecimentos científicos úteis para partilhar? Ou só veio aqui verborreiar e foi-se embora?

    • Sei muito. Obrigada.

      “Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
      e o que nos ficou não chega
      para afastar o frio de quatro paredes.
      Gastámos tudo menos o silêncio.
      Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
      gastámos as mãos à força de as apertarmos,
      gastámos o relógio e as pedras das esquinas
      em esperas inúteis.
      (…)”

  3. Esperemos que a seguir nao venha outra Pandemia ,Espero que esta tenha sido um abre olhos aos governos , pois o investimento na Investigaçao Cientifica e Essencial ,pois sem ela nao teriamos Vacinas

RESPONDER

Garcia de Orta alerta para risco de pré-catástrofe. Hospital de Loures com doentes ventilados na urgência

O Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, apresentava, este sábado, um total de 169 doentes com covid-19 internados, dos quais 18 em cuidados intensivos. Já o Hospital de Loures tinha 187 doentes com covid-19 …

Os novos robôs da Samsung fazem pequenas tarefas domésticas (e ainda lhe servem um copo de vinho)

O Samsung Galaxy S21 não é a única surpresa que a empresa tem preparada para 2021. A Samsung apresentou algumas propostas de robôs domésticos, na primeira grande feira de tecnologia do ano. A Samsung levantou um …

Cientistas desenvolveram mini-cérebros (quase) humanos

Cientistas norte-americanos enviaram para a Estação Espacial Internacional (EEI) aglomerados de células nervosas, chamadas de mini-cérebros, que estão, agora, a desenvolver-se de formas que os investigadores não imaginavam ser possível. Os organóides foram criados a partir …

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está …

"Bola de fogo" cruzou o céu sobre o Mediterrâneo a 105 mil quilómetros por hora

Uma "bola de fogo" atravessou o mar Mediterrâneo e o norte de Marrocos na noite de quarta-feira, a 105.000 quilómetros por hora. A bola de fogo foi observada por um projeto científico espanhol a uma velocidade …

Duterte rejeita que a filha o vá suceder na liderança das Filipinas. "Isto não é para mulheres"

O líder das Filipinas, Rodrigo Duterte, descartou, na quarta-feira, a hipótese de a filha o vir a suceder no próximo ano, acrescentando que a presidência não é tarefa para uma mulher por causa das …

"Uma memória a flutuar no oceano." Encontrada, dois anos depois, uma mensagem numa garrafa

Uma mensagem no interior de uma garrafa sobreviveu a uma viagem de dois anos pelo oceano. Recentemente, chegou às mãos de um ativista ecológico, enquanto limpava uma praia da Papua Nova Guiné. Em novembro do ano …

As células imortais de Henrietta Lacks revolucionaram a Ciência

O ano de 1951 foi muito importante no campo da biotecnologia e, surpreendentemente, tudo começou com a chegada de Henrietta Lacks a um hospital norte-americano. Descendente de escravos, Loretta Pleasant nasceu a 1 de agosto de …

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …