Epidemiologista prevê o fim da pandemia. Vão ser os “segundos Loucos Anos 20”

Passou quase um ano desde que o Sars-CoV-2 foi identificado por cientistas chineses como a fonte de uma nova doença respiratória letal. Desde então, mais de 1,5 milhões de pessoas morreram em todo o mundo, as economias fecharam várias vezes e as sociedades isolaram-se nas suas casas.

Em declarações ao jornal britânico The Guardian, o professor de Yale e epidemiologista social, Nicholas Christakis, traz um consolo frio, conforme afirma no seu novo livro “A flecha de Apolo”: o impacto profundo e duradouro do coronavírus na forma como vivemos.

“Um dos argumentos do livro é que o que está a acontecer connosco pode parecer estranho e não natural para muitas pessoas, mas as pragas não são novas para a nossa espécie – são apenas novas para nós”, disse Christakis, que vê um padrão.

O conforto que Christakis oferece após observar as doenças ao longo de milénios é que pragas e pandemias acabam sempre – antes mesmo de haver vacinas.

Segundo o epidemiologista, a forma como reagimos a esses germes determina a força com que atingem a sociedade.

Além disso, embora a distribuição de vacinas da Pfizer e Moderna seja um dos maiores desafios de saúde pública, também representam uma das grandes conquistas da humanidade. Se for possível vacinar uma porção suficiente da população, a pandemia terminará muito mais cedo e com menos mortes.

“Somos a primeira geração de humanos vivos que já enfrentou esta ameaça que lhes permite responder em tempo real com medicamentos eficazes”, disse Christakis.

“É milagroso”, acrescentou.

Quando as pandemias acabam, há um período em que as pessoas procuram uma interação social extensa e que Christakis prevê que serão os segundos “Loucos Anos 20”, exatamente como após a pandemia de gripe de 1918.

“Durante as epidemias, há aumentos na religiosidade, as pessoas tornam-se mais abstinentes, economizam dinheiro, ficam avessas ao risco e estamos a ver tudo isto agora, assim como temos visto durante centenas de anos durante as epidemias”, disse Christakis.

As economias de civilizações antigas entraram em colapso em tempos de doença.

“Muitas pessoas parecem pensar que são as ações do nosso Governo que estão a causar a desaceleração da economia – isso é falso”, disse Christakis. “É o vírus que está a causar a desaceleração da economia, porque as economias entraram em colapso mesmo nos tempos antigos, quando as pragas aconteciam, mesmo quando não havia governo a dizer para fechar as escolas e fechar os restaurantes.”

O futuro não virá até que a sociedade tenha tempo de distribuir a vacina, provavelmente até 2021, e de se recuperar da devastação sócio-económica que a pandemia causou, provavelmente até 2023, segundo o epidemiologista.

Porém, a visão que traça para a partir de 2024 é um lugar repleto de experiências: estádios lotados, discotecas lotadas e artes florescentes. “Em 2024, todas essas [tendências de pandemia] serão revertidas”, disse Christakis. “As pessoas procurarão implacavelmente as interações sociais.”

Para já, o próximo ano testará a resistência do mundo em continuar a manter a distância social, lavar as mãos, usar máscaras e evitar multidões.

“O nosso mundo mudou, há um novo patógeno mortal a circular, não somos as primeiras pessoas a enfrentar essa ameaça e muito será exigido de nós”, disse Christakis. “E vamos ter que crescer com isso.”

  Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado… ninguém fala dos efeitos adversos da vacina… muito menos da rapidez com que foi feita – que é inimiga da precisão.

  2. Então porque não fala você, pessoa sem rosto? Sabe do assunto? tem conhecimentos científicos úteis para partilhar? Ou só veio aqui verborreiar e foi-se embora?

    • Sei muito. Obrigada.

      “Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
      e o que nos ficou não chega
      para afastar o frio de quatro paredes.
      Gastámos tudo menos o silêncio.
      Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
      gastámos as mãos à força de as apertarmos,
      gastámos o relógio e as pedras das esquinas
      em esperas inúteis.
      (…)”

  3. Esperemos que a seguir nao venha outra Pandemia ,Espero que esta tenha sido um abre olhos aos governos , pois o investimento na Investigaçao Cientifica e Essencial ,pois sem ela nao teriamos Vacinas

RESPONDER

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Cabo Verde extraditou Alex Saab para os Estados Unidos

O empresário Alex Saab, considerado pelos Estados Unidos testa-de-ferro do Presidente da Venezuela deixou a ilha do Sal, este sábado, em cumprimento do pedido de extradição das autoridades norte-americanas. "Isto configura um rapto. Foi novamente raptado", …

Nove mortes e mais 465 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais nove mortes e 465 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 465 novos …