/

Ensaio clínico de tratamento com anticorpos cancelado por ineficácia

1

Paulo Novais / Lusa

As autoridades norte-americanas decidiriam cancelar um ensaio clínico de um tratamento experimental com anticorpos que estava a ser administrado a doentes hospitalizados com covid-19, justificando que o medicamente não se revelou eficaz na recuperação dos pacientes.

O tratamento experimental em questão é do grupo farmacêutico Eli Lilly.

Há cerca de duas semanas, um comité de monitorização independente interrompeu o ensaio, admitindo então uma possível questão de segurança.

Mas, na segunda-feira, o Instituto Nacional de Doenças Alérgicas e Infecciosas norte-americano, que patrocinou o ensaio clínico, afirmou, após uma análise mais pormenorizada do estudo, não ter encontrado nenhum problema de segurança, mas sim uma “baixa probabilidade” de eficácia do medicamento para os pacientes hospitalizados.

Trata-se de um revés para uma das abordagens de tratamento para a doença covid-19 que foi encarada como uma das mais promissoras.

O tratamento é similar ao que o Presidente norte-americano, Donald Trump, recebeu pouco depois de ter manifestado sintomas da covid-19: anticorpos de síntese injetados de forma intravenosa, fabricados especificamente para neutralizar o novo coronavírus responsável pela doença, substituindo de facto o sistema imunitário.

Trump recebeu anticorpos fabricados pela empresa norte-americana Regeneron, cuja eficácia elogiou depois de sair do hospital, prometendo autorizá-los para o conjunto dos doentes e distribuí-los gratuitamente.

“Para mim não foi algo terapêutico, fez com que me sentisse melhor, chamo a isso uma cura. E quero que toda a gente tenha o mesmo tratamento que o seu presidente”, afirmou Trump num vídeo publicado no Twitter.

Apesar desta suspensão, o grupo farmacêutico Eli Lilly esclareceu, entretanto, num comunicado que as autoridades norte-americanas vão manter outro ensaio paralelo que testa o medicamento em doentes ligeiros ou com sintomas moderados para tentar prevenir a hospitalização e a evolução para uma condição de saúde mais grave.

No mesmo comunicado, o grupo farmacêutico indicou que também vai prosseguir com os seus próprios ensaios para testar o medicamento, que está a ser desenvolvido com a empresa canadiana AbCellera.

A pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE