Engenheiros da Efacec entregaram os carros – mas vão lutar até ao fim

(dr) efacec.pt

-

Os 85 engenheiros da Efacec a quem a administração da empresa deu até esta quarta-feira para devolverem as viaturas que lhes estavam alocadas já entregaram os automóveis, mas “não se conformam” e prometem “lutar até às últimas consequências” pela reposição da situação.

“Os trabalhadores, não obstante a desconsideração da empresa ao tomar esta medida sem lhes dar qualquer explicação – o que, aliás, se mantém – resolveram ter uma reação pacífica e entregaram os carros”, afirmou à agência Lusa o advogado Dias Ferreira, que representa o grupo de 85 profissionais.

“Isto obviamente não significa que se conformam com essa medida, contra a qual vão lutar até às últimas consequências no sentido de a situação ser reposta de forma igual ou equivalente”, acrescentou o advogado.

De acordo com Dias Ferreira, não houve até hoje “nenhuma proposta ou contraproposta” por parte da administração da Efacec, desde há algum tempo controlada pela angolana Isabel dos Santos, pelo que, “face ao que se passar em concreto” nos próximos dias, os trabalhadores acordarão tomar “as devidas medidas”.

Tal como a agência Lusa noticiou no passado dia 16, os engenheiros queixosos estão a contestar a decisão da administração da Efacec de lhes retirar as viaturas, Via Verde e cartão para combustível, que consideram tratar-se de uma “redução ilegal de vencimento” que, consoante os casos, varia entre os 700 e os 900 euros.

“Estamos a falar no equivalente a um terço dos ordenados de mais de 120 pessoas“, disse à agência Lusa Feliciano Zeferino, engenheiro eletrotécnico que labora há 46 anos na empresa e se assumiu como porta-voz de um grupo de 85 profissionais, adstritos às instalações de Lisboa e do Porto da empresa, que se organizou para contestar a decisão.

Sustentando que “o carro faz parte do vencimento” daqueles trabalhadores desde que atingiram o grau 28 de progressão na carreira, “tal como a Via Verde e o plafond mensal de combustível para deslocações pessoais”, o engenheiro alega que é precisamente por isso que, “quando por razões profissionais é excedido em certos meses o plafond atribuído, esse dinheiro é integralmente devolvido” aos visados.

Contactada na altura pela agência Lusa, a administração da Efacec disse ter identificado “a necessidade de proceder a um conjunto de intervenções indispensáveis à otimização da produção industrial e atividade comercial da empresa, com vista à obtenção de ganhos efetivos de produtividade, competitividade e sustentabilidade”.

A administração assegura no entanto o respeito pelas “melhores práticas laborais e sociais”, tendo “as estruturas sindicais e todas as pessoas envolvidas” sido informadas “com a máxima antecedência possível”.

“Estas intervenções estão integradas nos programas de melhoria operacional de 2013 e 2016 que preveem medidas de redução de custos com fornecimentos, fundamentalmente de custos indiretos”, esclarece a administração da empresa, num comunicado enviado à Lusa.

O “ajustamento” em curso “da competitividade salarial dos seus colaboradores” está a ser feito “de acordo com as atuais condições do mercado de trabalho” e “também passa por aumentos salariais”, acrescenta o comunicado.

Para Feliciano Zeferino, esta é, contudo, a primeira “medida grave” para os trabalhadores desde a alteração da composição acionista da empresa, que a deixou a empresa sob controlo da filha do Presidente de Angola.

Considerando tratar-se de uma decisão “não só injusta e ilegal, mas também discricionária e discriminatória, uma vez que só está a ser imposta aos trabalhadores do grau 28” num contexto de mais de 2.000 funcionários, o engenheiro critica ainda o facto de ter sido apenas comunicada “verbalmente” aos visados.

“Não a aceitaremos, como é óbvio, e iremos lutar nos tribunais até às últimas consequências para sermos integralmente ressarcidos”, assegurou.

De acordo com Dias Ferreira, “se a Efacec não transformar esta retribuição em espécie numa retribuição pecuniária estará a incorrer numa ilegalidade, além de uma injustiça para com funcionários competentes com décadas de dedicação à casa”.

“Os trabalhadores têm alguma esperança de não terem que recorrer ao tribunal, mas também recorrerão se necessário for”, disse.

/Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Eu sempre trabalhei desde que me conheço e nunca tive carro de empresa se querem tanto ir de carro então que tal comprar um carrito e pagar do seu bolso ou então vá de transportes públicos que eu também vou

    • Desde que se conhece? Não me diga que começou a trabalhar desde que gatinhava? Realmente a inveja é lixada: “se eu não posso os outros também não”!

  2. E que tal fazerem queixa ao PCP e à CGTP sempre atentos aos interesses dos trabalhadores, pode ser que se disponibilizem para discutir o assunto com a camarada Isabel dos Santos, entretanto pela minha parte propunha esta senhora como administradora de todas as empresas estatais portuguesas para ver se era capaz de terminar com todas as mordomias de diretores e sindicalistas das mesmas.

    • Está enganado amigo.
      Ela agora, a avaliar pelos elogios dos representantes do CDS/PP E PSD que estiveram no congresso do pai da isabelinha,, já não pertence aos camaradas, pertence é aos direitalhas do Paulinho Irrevogável. Eh, eh,eh,eh…

  3. Os engenheiros electrotécnicos não têm problemas de empregabilidade, nem o sector onde eles trabalham está em crise, por isso… em vez de alimentarem a macaca deviam dar à sola. Juntam-se todos e fundam uma nova empresa ou vão todos para a concorrência.

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …