Empresas proibidas de aceder a emails e vigiar trabalhadores nas redes sociais

SXC

O Conselho da Europa proibiu as empresas de questionarem o que os trabalhadores escrevem nas redes sociais nem aceder ao email dos funcionários – e Portugal segue regras europeias, que podem agora ser invocadas pelos trabalhadores em tribunal.

Esta recomendação do órgão comunitário, decidida na reunião de 1 de abril deste ano, define assim novas regras a adotar pelas empresas, públicas ou privadas, no sentido de proteger a privacidade dos trabalhadores e a sua vida virtual.

De acordo com o Diário de Notícias, o acesso aos emails dos trabalhadores por parte da entidade empregadora é expressamente proibido, e sempre que um trabalhador cesse o vínculo laboral a morada eletrónica deve ser imediatamente extinta pela empresa, que só poderá aceder aos emails por abrir com autorização e presença do visado.

As entidades não podem também questionar o trabalhador pelo conteúdo de mensagens publicadas nas redes sociais, tais como o Facebook e o Twitter.

As empresas estão ainda proibidas de monitorizar os trabalhadores através de câmaras no local de trabalho com o objetivo de vigiar os colaboradores.

A recomendação do Conselho da Europa já foi divulgada pela Direção-geral de Política de Justiça (DGPJ), o que permite agora a qualquer trabalhador em Portugal invocar estas regras para se defender em tribunal, caso seja vítima de alguma destas situações.

Em declarações ao DN, a advogada Rita Garcia Pereira refere que “esta recomendação europeia não é vinculativa, embora as normas internas devam conformar à mesma, por via do primado do direito comunitário”.

Renascença ouviu Júlio Gomes, juiz do Supremo Tribunal de Justiça e especialista em Direito do Trabalho, que considera que a recomendação faz sentido, mas deve haver limites.

“Uma proibição absoluta de um trabalhador ser despedido seja qual for o conteúdo das afirmações que faça no Facebook parece-me insólita”, afirma o magistrado, lembrando que “uma coisa é garantir que o trabalhador, como cidadão, converse a sua liberdade de expressão”, mas um contrato implica que o empregador deve respeitar, mas também ser respeitado.

“Há uma obrigação de lealdade, portanto, o trabalhador deve abster-se de comentários que sabe que serão prejudicais à imagem da empresa e pior, condutas que sejam caluniosas e difamatórias em relação ao seu empregador”, considera.

Também a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) reagiu a estas recomendações, esclarecendo que “o empregador não deve fazer um controlo permanente e sistemático do email dos trabalhadores”. Da mesma forma, “não se afigura lógico nem realista que se proíba a utilização de telemóveis, do correio eletrónico e o acesso à Internet para fins que não sejam profissionais”.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …

Trump abandona conferência de imprensa após ser confrontado por jornalista com mentira que disse 150 vezes

O Presidente norte-americano abandonou uma conferência de imprensa, este sábado, depois de ter sido confrontado por uma jornalista com uma mentira que já terá dito mais de 150 vezes sobre cuidados de saúde para os …

Olavo Bilac pede desculpa por ter atuado num comício do Chega

O cantor Olavo Bilac recorreu à sua conta de Facebook para pedir desculpa aos seus fãs e aos seres pares do setor por ter atuado num comício do Chega, frisando não ter qualquer relação com …