Sem apoios e com despesas a subir, empresas estão à beira do precipício

Patrícia de Melo Moreira / AFP

Adivinham-se dificuldades para uma grande parte das pequenas e médias empresas portuguesas, com um Orçamento que poucos apoios prevê para elas.

Se o Orçamento do Estado para 2021 — motivado pela crise pandémica que tinha acabado de estourar — incluía uma vária gama de apoios às empresas, o documento apresentado esta segunda-feira apenas contempla três medidas.

Para a maioria das empresas em Portugal, a pandemia ainda não são águas passadas. A principal preocupação é o facto de não haver medidas especiais previstas para os setores mais afetados: restauração e bares, turismo e cultura.

O fim do Pagamento Especial por Conta (PEC) é bem-vindo, mas não produz efeitos, escreve o DN, uma vez que o seu cumprimento já estava suspenso temporariamente devido à pandemia.

O benefício fiscal para quem reinvista lucros também acaba por ser uma medida parca, já que tem um efeito limitado entre as pequenas e médias empresas (PME).

O reforço do fundo de apoio à capitalização das empresas, no valor de 1,3 mil milhões de euros, também é bem-vindo, mas o número de empresas que podem beneficiar dele poderá ser limitado.

O ministro das Finanças, João Leão, que apresentou esta terça-feira o documento, anunciou que os apoios oferecidos durante a pandemia terminam no final do ano. Só regressarão “se houver novo surto ou variante que obrigue a confinamentos radicais”.

Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP, não acredita numa verdadeira recuperação antes de 2023 ou 2024. Muitas empresas ainda não recuperaram as receitas de 2019. Para piorar a sua situação, a quebra de faturação, a falta de apoios e a avalanche de despesas que ficaram congeladas durante pandemia regressam agora para assolar o tecido empresarial.

“Não se pode desligar a ficha dos apoios de repente, demasiado cedo“, disse João Vieira Lopes, da Confederação do Comércio e Serviços, em entrevista ao Dinheiro Vivo. Há o risco inerente que muitas empresas não resistirem.

Além disso, a subida a pique nos custos da energia e os combustíveis em máximos afetam ainda mais a atividade das empresas — principalmente dos setores mais afetados.

  Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. As empresas que não distribuíssem dividendos e que convertessem os resultados em capitais próprios não deveriam pagar qualquer IRC. Para o Estado isto representaria pouca perda de impostos (estou a falar de PMEs) e para as empresas seria uma forma de se capitalizarem. Portugal tem das empresas menos capitalizadas de toda a UE.

  2. Muito bem escrito. E, desta forma, o que a situação aparenta ser é a de um governo a tentar arrumar de vez com as PME’s do seu país, para poder limpar o caminho para as grandes corporações facturarem num oligopólio ainda maior sem oposição, e com benefícios para os que já eram ricos antes do vírus aparecer. Mais do mesmo, mas cada vez pior.

  3. Pelo que vamos observando através da comunicação social o país vai ficando cada vez mais na cauda da Europa sempre com progressos abaixo dos que mais avançam e que normalmente são os que estão mais atrasados empurrando-nos cada vez mais para baixo visto o nosso nível de progressão ser sempre inferior ao deles, os governantes fingem nada ver e até se vangloriam com a percentagem sobretudo se esta ultrapassa o nível médio europeu, mas ignorando por completo o nível máximo.

RESPONDER

Pedro Sánchez promete abolir a prostituição em Espanha, por considerar que esta "escraviza" as mulheres

Espanha é um dos países europeus com mais trabalhadoras na indústria do sexo, as quais são sobretudo originárias de países da Europa mais pobres, da América Latina e de África. O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez anunciou …

"Um milagre". Dois jovens sobreviveram quase uma semana no deserto australiano

Dois jovens, de 14 e 21 anos, sobreviveram durante quase uma semana no deserto, sem água e sem comida, depois de se terem perdido no Território do Norte, na Austrália. A polícia fala num verdadeiro …

Carlos Moedas

Moedas vai "dar tudo como presidente" e exige que seja respeitada a legitimidade do seu mandato

Carlos Moedas tomou posse, esta segunda-feira, como novo presidente da Câmara de Lisboa, tendo falado dos objetivos para o próximo quadriénio e deixado um elogio ao seu antecessor e alguns avisos à esquerda. Depois dos cumprimentos …

Chanceler austríaco Sebastian Kurz

Sondagens falsas e notícias favoráveis. O lado negro de Sebastian Kurz foi desmascarado

Sebastian Kurz e pessoas que lhe são próximas foram acusados de tentar garantir a sua ascensão à liderança do partido e do país com a ajuda de sondagens manipuladas e notícias favoráveis na imprensa, financiadas …

Tem uma carreira de sonho na Nike, mas cometeu um homicídio há 65 anos

O presidente da Jordan Brand, Larry Miller, revelou que, há 56 anos, matou um adolescente nas ruas de Filadélfia, nos Estados Unidos. O presidente da Jordan Brand — marca do ex-jogador de basquetebol Michael Jordan — …

Rio diz que decisão sobre eventual recandidatura está "quase tomada"

O presidente do PSD afirmou, esta segunda-feira, que a decisão sobre a sua eventual recandidatura está "quase tomada" e será anunciada em breve. Em declarações aos jornalistas à chegada à tomada de posse do novo presidente …

Mihajlovic: "Vou tentar manter a calma, mas é difícil"

Treinador do Bolonha furioso com os cartões amarelos mostrados para "compensar" uma expulsão. Beto voltou a marcar. Udinese e Bolonha entraram em campo neste domingo como protagonistas de um dos jogos menos mediáticos da oitava jornada …

Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo avisa que não pode haver "casos de mau uso e de fraude" com os fundos europeus

O Presidente da República avisou, esta segunda-feira, que a "última coisa" que pode acontecer com os fundos europeus são "casos de maus uso e de fraude", garantindo que os portugueses "não perdoariam" que isso acontecesse. Questionado …

O empresário John Textor

Nova direção do Benfica vai reunir-se com John Textor

O empresário John Textor, que celebrou um acordo com José António dos Santos para aquisição de 25% do capital social da SAD do Benfica, vai ser recebido pela nova direção do clube esta quinta-feira. "Após explícita …

Vítimas do ataque na Noruega foram mortas com facadas e não com arco e flecha

A polícia norueguesa esclareceu, esta segunda-feira, que as cinco vítimas mortais do ataque perpetrado na semana passada foram esfaqueadas, afastando assim a tese inicial que as mortes tinham sido provocadas por um arco e flechas. Segundo …