Empresários da pirotecnia exigem que Governo pague prejuízos da proibição de fogo de artifício

A Associação Portuguesa de Industriais de Pirotecnia e Explosivos (APIPE) afirmou, esta quarta-feira, que vai exigir ao Governo que pague os prejuízos com a proibição total de lançamento de fogo de artifício, incluindo a devolução do dinheiro pago em taxas.

Em conferência de imprensa, o presidente da APIPE, Carlos Macedo, afirmou que foram pagas taxas para licenciamento de lançamento de fogo para espetáculos que não chegaram a realizar-se, situação que considerou “inqualificável” até porque, afirmou, “em muitos casos estão em causa empresas familiares que já admitem falência”.

“Às vezes 50 ou 100 euros de fogo pode equivaler a 200 ou 300 euros de taxa. E as taxas não são devolvidas. São centenas de milhares de euros de prejuízos e empresas com dificuldades de escoar os produtos. Neste momento já se fala em muitas falências na área da pirotecnia. E a preocupação é grande porque há empresas familiares”, disse.

A proibição total de lançamento de fogo de artifício estabelecida pelo Governo está em vigor entre 1 de julho e 31 de setembro, como parte das medidas de prevenção de incêndios florestais.

A APIPE pretende começar na quinta-feira a fazer o levantamento dos prejuízos para “reclamar os prejuízos todos, incluindo o das taxas”.

Esta associação, que representa cerca de três dezenas de empresários do setor, estima que “pelo menos 180 a 200 espetáculos tenham sido cancelados” devido à proibição total decretada.

Carlos Macedo avançou que já foi pedida uma audiência ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e, depois de explicar a diferença entre fogo de artifício controlado e foguetes, bem como a lei atual que obriga a prática “ao crivo de três entidades [autarquias, polícia e bombeiros”, afirmou que “a APIPE não representa incendiários. A APIPE representa empresários“.

“Foi uma proibição totalmente injustificável e injustificada que não teve qualquer critério ou razoabilidade, mas que apenas pretendeu estigmatizar este setor de atividade económica, tornando-o, à luz da opinião pública, o bode expiatório da incapacidade que as autoridades revelaram na prevenção dos fogos florestais e no combate a incêndios”, disse Carlos Macedo.

A APIPE assegurou que “é impossível um artigo [de fogo de artifício] atual causar incêndios”, salientando que “as peças pirotécnicas atuais se fragmentam no ar e caem no chão à temperatura ambiente“.

Na conferência que decorreu num hotel de Vila Nova de Gaia, a associação acrescentou que “sente a solidariedade das populações, das autarquias e mesmo dos bombeiros” e reafirmou que a proibição total de lançamento de fogo foi um ‘fait divers’, uma “questão política inexplicável”.

“A lei determina que é localmente que se decide [se há condições ou não para lançar fogo de artifício]. A alternativa [à proibição total decretada pelo Governo] que deu resultado durante décadas é avaliar localmente e não a partir do Terreiro do Paço”, concluiu Carlos Macedo.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Já agora uma pergunta: e as tabaqueiras também vão exigir que o Governo pague os prejuízos por proibir fumar nos diversos locais?

    • Não tem de pagar pois os fogos não são causados por pirotecnia. Mais sim como incendiários, que estão se a rir pois o governo proíbe a pirotecnia mas não os prende

RESPONDER

Covid-19. Voos cancelados, máscaras à venda por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália

Voos cancelados, máscaras à venda online por mil euros e turismo "à beira do colapso" em Itália. Estas são algumas das mais recentes consequências do coronavírus, a epidemia oriunda da China que já matou pelo …

"Só por cima do meu veto." Autarcas bloqueiam Montijo, Costa avisa que não há plano B

Rui Garcia e Joaquim Santos, autarcas da Moita e do Seixal, são os principais rostos do bloqueio do aeroporto do Montijo. António Costa está "perplexo" com a decisão do PSD e alerta que começar do …

Excedente do Estado encolhe para 1.287 milhões de euros em janeiro

Os dados foram revelados, esta quinta-feira, pelo Ministério das Finanças e representam "menos 238,5 milhões de euros face ao período homólogo". As administrações públicas registaram um excedente de 1.287,5 milhões de euros em janeiro valor que …

Há 74 mil anos, a Humanidade sobreviveu à super erupção que provocou um “inverno vulcânico”

Há 74 mil anos, uma super-erupção vulcânica provocou um “inverno vulcânico” que durou uma década, resultando num evento de arrefecimento de milénios em todo o planeta que destruiu espécies de humanos e mamíferos primitivos. Pelo …

Houve "zero negociação" com o PSD. Nomes de Vitalino Canas e Correia Campos estão por um fio

Os nomes de representantes da Assembleia da República para órgãos externos são propostos pela maior força política - o PS -, mas só são aprovados se houver um amplo consenso entre o PS e o …

Contas do PSD congeladas por não ter pago a serralheiro em campanha de 2017

As contas do Partido Social Democrata (PSD) estão congeladas por falta de pagamento de serviços a um serralheiro que prestou serviços ao partido numa campanha eleitoral de 2017, avança o Jornal de Notícias. Em causa está, …

Conseguimos "ouvir" ao ler os lábios de alguém (e já sabemos como)

Um estudo recente sugere que, quando vemos uma pessoa a falar, a nossa atividade cerebral é sincronizada com a voz do locutor através da leitura dos lábios. Este fenómeno acontece mesmo quando não conseguimos interpretar …

"Classe pura". Ingleses rendidos a Bruno Fernandes

O Manchester United goleou esta quinta-feira o Club Brugge (5-0), conseguindo o apuramento para os "oitavos" da Liga Europa, numa partida em que o recém-chegado Bruno Fernandes esteve em destaque. O médio português ex-Sporting conseguiu …

Governador do Rio de Janeiro defende destituição de Bolsonaro

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, defendeu na quinta-feira a destituição do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, após este ter partilhado vídeos, na plataforma de mensagens WhatsApp, com a convocação de uma manifestação contra …

Pelo menos 33 soldados turcos mortos em bombardeamento na Síria

Um ataque do exército sírio na província de Idlib, na Síria, causou esta quinta-feira a morte de pelo menos 33 militares turcos. Os números, inicialmente avançados pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), dava conta de …