Emitido mandado de detenção para notificar Manuel Vicente

Amanda Lucidon, WHite House / Flickr

Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola

O tribunal que julga o processo Operação Fizz emitiu na sexta-feira um mandado de detenção para notificar em Portugal o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente da acusação, segundo despacho a que a agência Lusa teve acesso.

A decisão a ordenar a detenção em Portugal de Manuel Vicente para notificá-lo da acusação na Operação Fizz é válida apenas para este fim de semana.

A decisão judicial surge após o Ministério Público ter tomado conhecimento, através da PSP, da possibilidade de Manuel Vicente se deslocar a Portugal durante este fim de semana, segundo documentos que constam dos autos.

O Ministério Público solicitou ao tribunal coletivo a emissão de mandados para que Manuel Vicente seja notificado do teor da acusação e preste Termo de Identidade e Residência (TIR), com indicação de morada em Portugal.

No primeiro dia do julgamento da Operação Fizz, a 25 de janeiro, foi determinado pelo coletivo de juízes separar o processo que envolve Manuel Vicente, acusado de corrupção ativa e branqueamento de capitais, do outro caso que está julgado e que tem como principal arguido o ex-procurador Orlando Figueira, acusado de ter sido corrompido por Manuel Vicente, para que arquivasse inquéritos em que este era visado.

Até hoje, Manuel Vicente nunca foi notificado quer da constituição de arguido, quer da acusação, tendo as autoridades angolanas recusado cumprir a carta rogatória para o notificar, invocando que Manuel Vicente ainda goza de imunidade devido ao cargo que ocupou na vice-presidência de Angola.

Defesa nega viagem a Portugal

A defesa de Manuel Vicente assegurou hoje que “não tem qualquer verdade” a informação da PSP sobre uma possível viagem do ex-vice-presidente angolano a Portugal e estranhou que o Ministério Público tenha agido com base na mesma.

Em comunicado, após o tribunal que julga aquele caso ter emitido um mandado de detenção para notificar Manuel Vicente da acusação, a pedido do Ministério Público (MP), o advogados Rui Patríco e João Lima Cluny dizem estranhar que a inicativa do MP se tenha baseado “em invocadas informações da PSP, as quais não têm qualquer verdade quanto à alegada viagem” do antigo presidente da Sonangol a Portugal no fim de semana.

“Estamos certos que essas informações serão devidamente averiguadas por quem de direito”, afirmam.

Os advogados de Manuel Vicente dizem ainda estranhar a “(in)oportunidade processual desta iniciativa do MP, quando o processo separado não está ainda sequer constituído, nem numerado e autuado, e mais ainda quando se encontra por apreciar em toda a sua extensão e nas suas várias implicações a resposta recente da República de Angola à carta rogatória expedida a 27 de novembro”.

No primeiro dia do julgamento da Operação Fizz, a 25 de janeiro, foi determinado pelo coletivo de juízes separar o processo que envolve Manuel Vicente, acusado de corrupção ativa e branqueamento de capitais, do outro caso que está a ser julgado e que tem como principal arguido o ex-procurador Orlando Figueira, acusado de ter sido corrompido pelo antigo vice-presidente angolano, para que arquivasse inquéritos em que este era visado.

Segundo a defesa de Manuel Vicente, encontra-se também por decidr a posterior tramitação processual no processo separado a constituir, além de também estarem pendentes recursos sobre matérias relevantes em tribunais superiores.

Os advogados, que afirmam ter sabido do mandado de detenção pela comunicação social, estranham também que o momento desta iniciativa do MP coincida “com a concentração do tribunal e da atenção mediática na análise dos factos e das versões dos arguidos que têm estado a depor”, bem como das “provas apresentadas”, “vicissitudes da investigação” e “interrogações e perplexidades” que as mesmas suscitam.

Na nota enviada à Lusa, os mandatários de Manuel Vicente insistem em que as imunidades a que o seu constituinte está vinculado “é uma questão de Estado“, que não depende do ex-vice-presidente de Angola, razão pela qual não está na sua disponibilidade sujeitar-se ou não à jurisidção portuguesa.

Os advogados alegam ainda que Manuel Vicente, “apesar de nada ter a ver com os factos que lhe são imputados na acusação, como sempre disse e certamente ficará ainda mais claro com o decurso do julgamento que agora se iniciou, deseja que o processo seja apreciado”.

A este propósito, lembram que Manuel Vicente já requereu, mais do que uma vez, e em instâncias várias, o envio do processo para Angola, garantindo que não será o antigo presidente da Sonangol a “criar qualquer obstáculo à normal tramitação do processo e à boa administração da justiça em tudo o que de si pessoalmente dependa”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Augusto Inácio (de) novo diretor-geral do Sporting

O Sporting anunciou hoje, através de um comunicado, que o novo diretor-geral de futebol é Augusto Inácio, que regressa assim aos «leões» para substituir André Geraldes. No mesmo comunicado, pode ler-se que o presidente do Sporting, …

Morreu Júlio Pomar

O pintor e artista plástico português Júlio Pomar faleceu esta terça-feira, no Hospital da Luz, em Lisboa. Tinha 92 anos. O artista plástico português faleceu esta terça-feira, aos 92 anos, em Lisboa. O pintor modernista é …

Jovem britânico em fuga responde à polícia no Facebook (e é detido)

A polícia de West Yorkshire, no Reino Unido, fez um apelo no Facebook a pedir informações sobre o paradeiro de um jovem. O próprio desaparecido respondeu ao apelo e foi detido. No texto publicado na rede …

Casa de 600 mil euros pode custar liderança do Podemos a Pablo Iglesias

O líder do Podemos e a companheira, porta-voz do partido, poderão renunciar aos seus cargos de deputados devido à polémica compra de uma vivenda de 600 mil euros. Segundo o Diário de Notícias, o líder do …

Sim, há igrejas para ateus. E são cada vez mais

O declínio constante da religião no mundo ocidental está atualmente a rever-se no crescimento das chamadas igrejas ateístas. De acordo com o Pew Research Center, os "religiosamente não filiados" são agora o segundo maior grupo religioso …

Mais de 80% dos doentes sem acesso a cuidados paliativos

Entre 69 a 82% dos doentes que morrem em Portugal necessitam de cuidados paliativos, mas mais de 80% não os têm porque as respostas são insuficientes. Os maiores hospitais do país, incluindo o Instituto Português de …

Atentado no Afeganistão faz pelo menos 16 mortos e 38 feridos

Pelo menos 16 pessoas morreram e 38 ficaram feridas, na explosão de uma camioneta armadilhada em Kandahar, sul do Afeganistão, no momento em que agentes da polícia tentavam desarmadilhá-la, anunciaram as autoridades. "Os últimos números disponíveis …

Giuseppe Conte: um desconhecido sem experiência política para dirigir o Governo italiano

Giuseppe Conte é o nome proposto ao presidente pela Liga e pelo Movimento 5 Estrelas. O Presidente italiano, Sergio Mattarella, terá a última palavra em relação à escolha do primeiro-ministro. Giuseppe Conte. É este o nome …

Detidos por álcool e droga vão ser enviados para consultas médicas

Quem conduzir sob o efeito de álcool ou de estupefacientes vai ser encaminhado para consultas médicas em vez de ser punido com penas de prisão ao fim de semana ou trabalho comunitário. Retirar pessoas das cadeias …

Há 20 anos, com muito "cagaço", vulcões e o Gil, a Expo98 mudou Lisboa (e o país)

Foi há 20 anos que a Expo 98, inaugurada a 22 de Maio de 1998, transfigurou a zona oriental de Lisboa, mas também mudou a face do país, naquele que foi o primeiro grande evento …