Depois dos navios, os aviões. Itália impede aeronaves de ONG de descolarem para operação de salvamento

Há aviões parados há mais de um mês em Itália. O “Moonbird” e o “Colibri” foram proibidos pela autoridade de aviação civil italiana de levantar voo, porque as aeronaves só podem “ser usadas para fins recreativos e não para atividades profissionais”.

Com “atividades profissionais”, a autoridade de aviação civil refere-se a operações de salvamento e resgate no centro do Mediterrâneo, pois os dois aviões pertencem a organizações não governamentais (ONG): à Sea-Watch (Alemanha) e à Pilotes Volontaires (França).

De acordo com o jornal britânico The Guardian, ambos têm licença para missões naquela zona do sul da Europa reconhecida há mais de dois anos. No entanto, esta não é primeira vez que têm problemas – tal como já acontece com os navios que patrulham o centro do Mediterrâneo no mar.

No ano passado, por exemplo, o Moonbird ficou bloqueado em Malta, impedido de sobrevoar o espaço aéreo maltês. Esteve parado durante mais de três meses. As dificuldades em descolar só têm aumentado desde que, após o final de 2017, Itália e Malta desencadearam uma série de investigações às várias organizações não governamentais que levam a cabo as missões de salvamento e resgate.

O impedimento de voar do Moonbird e do Colibri aconteceu numa altura em que o Governo de Itália intensificou as políticas anti-imigração. No entanto, estes dias têm sido de alguma incógnita com o país a atravessar uma crise política, após o afastamento de Salvini do Governo e com o Partido Democrático a coligar-se com o Movimento 5 Estrelas, embora com críticas àquelas que têm sido as opções do agora ex-ministro do Interior italiano.

As proibições de desembarque de navios de resgate operados por ONG são mais frequentes. Na semana passada, o Open Arms, com mais de cem pessoas a bordo, só conseguiu porto seguro depois de 20 dias de espera. Também o Ocean Viking aguardou 14 dias.

A espera tornou-se comum no último ano com Itália e Malta a negarem receber os navios. As soluções encontradas têm passado pelo desembarque nos portos malteses, mas com um acordo previamente estipulado de que as pessoas resgatadas sejam distribuídas por vários Estados-membros que se voluntariam para as acolher. Portugal tem participado em quase todos estes acordos.

Esta terça-feira, as Nações Unidas denunciaram o naufrágio de uma embarcação ao largo da costa da Líbia. Quase uma centena de pessoas estavam a bordo com o objetivo de chegar à Europa. Estima-se que 40 pessoas tenham morrido, pois apenas 60 foram resgatadas. Na semana passada, outras cem pessoas morreram na travessia e, há um mês, um barco com 250 pessoas naufragou.

O Mar Mediterrâneo é uma das rotas migratórias mais mortais. De acordo com o Missing Migrants Project, um portal de dados coordenados pela Organização Internacional de Migração, em 2019 já morreram 594 pessoas. Julho foi, até agora, o pior mês.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …