/

“Ditador egoísta e despótico”. Margaret Tatcher comparou Saddam Hussein a Hitler após ataque ao Kuwait

Documentos do início da Guerra do Golfo revelam que a antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher comparou Saddam Hussein a Adolf Hitler após a invasão do Kuwait pelo ditador iraquiano.

De acordo com os documentos anteriormente confidenciais do início da Guerra do Golfo, citados pelo jornal britânico The Independent, a primeira-ministra conservadora e o seu secretário de relações exteriores concordaram em privado que Saddam Hussein estava “a comportar-se como Hitler” em 1990, após o ataque militar ao Kuwait.

Trinta anos depois da Operação Tempestade no Deserto, encerrada há 30 anos, os documentos, que foram divulgados pela primeira vez em 2017, destacam como a primeira-ministra britânica via Hussein: um “ditador egoísta e despótico” que entrou numa “guerra psicológica”.

O ataque ao Kuwait foi recebido com condenação internacional e o Conselho de Segurança da ONU impôs sanções económicas imediatas ao Iraque.

A invasão de Hussein levou à Guerra do Golfo, através da qual uma coligação liderada pelos Estados Unidos libertou o Kuwait em 1991.

A secretária particular de Downing Street, Caroline Slocock, enviou um memorando ao assessor do Ministério das Relações Exteriores, Simon Gass, em 19 de agosto de 1990, detalhando como Thatcher e Douglas Hurd tinham falado sobre o desenvolvimento da situação militar durante uma conversa privada na noite anterior.

“Tanto a primeiro-ministra como o secretário de relações exteriores concordaram que agora parecia altamente provável que estrangeiros seriam detidos em instalações importantes. Saddam Hussein estava a comportar-se como Hitler e a usar uma guerra psicológica. O seu objetivo pode muito bem ser provocar uma ação hostil. A primeiro-ministra enfatizou a importância do Reino Unido estudar cuidadosamente as suas táticas de guerra psicológica e responder de forma adequada”, lia-se no memorando de Slocock.

A nota também revelou que ambos descreveram Hussein como “um ditador egoísta e despótico”, referindo-se à guerra de oito anos entre Irão e o Iraque, na qual centenas de milhares de pessoas morreram.

Arquivos que antecederam a Guerra do Golfo também revelaram que o ministro das Relações Exteriores aconselhou Thatcher a não lançar uma campanha de propaganda contra Hussein, uma vez que a tática levaria a perguntas sobre por que o Reino Unido havia vendido armas ao Iraque apesar das atrocidades cometidas durante o seu reinado.

“Quanto mais o Governo alardeia as atrocidades de Saddam, mais surge a pergunta: porque fez negócios com ele durante tanto tempo?“, escreveu William Waldegrave, ministro das Relações Exteriores.

Os documento, mantidos nos Arquivos Nacionais em Kew, mostram ainda que Thatcher e o seu sucessor, John Major, discutiram a Guerra do Golfo no final daquele ano. Major escreveu uma carta à primeira-ministra um mês após o início do seu mandato, dizendo que “gostaria de partilhar consigo o sentimento prevalecente no Golfo”.

A primeiro-ministra respondeu, dizendo que “não tinha dúvidas” de que as ações do ditador iraquiano eram “imperdoáveis” e que o Reino Unido “não se deveria esquivar” do conflito.

A carta de Major também mostrou que acreditava que não remover os militares iraquianos do Kuwait daria “prestígio a Saddam Hussein; perigo para outros pequenos países; um perigo maior vindo de Saddam numa data posterior; e uma enorme perda de prestígio para nós e para nós”, sublinhando que “nenhum destes perigos é atraente”.

Registos mostram que os dois líderes conservadores encontraram-se no início de janeiro de 1991, pouco antes do início do combate na Operação Tempestade no Deserto, para discutir a situação. A guerra contra o Iraque incluiu uma coligação de 35 nações – a maior aliança militar desde a II Guerra Mundial.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.