“Arruaceiro” e “fascista”. Discussão sobre Tancos gera troca de insultos entre CDS e PS

PS e CDS-PP envolveram-se nesta quarta-feira numa acesa troca de insultos por causa dos documentos sobre Tancos na Comissão Parlamentar de Defesa, uma discussão com acusações de “arruaceiro” e “fascista” e que obrigou a uma breve interrupção dos trabalhos.

Ascenso Simões, do PS, e António Carlos Monteiro, do CDS-PP, protagonizaram o episódio, pouco usual na Comissão de Defesa: o deputado centrista disse que Ascenso Simões é “um arruaceiro” e o socialista respondeu-lhe: “Fascista! O senhor não é dono do Parlamento!”.

Com a crispação e a vozearia entre os dois deputados a aumentar de tom, e falhadas as tentativas de acalmar a situação, alguns deputados começaram a abandonar a sala. Os trabalhos interromperam-se e recomeçaram alguns minutos depois, já depois de serenados os ânimos.

Entre acusações mútuas de falta de respeito, o deputado do CDS-PP queixava-se de estar constantemente a ser interrompido pelo deputado Ascenso Simões enquanto estava no uso da palavra, mas o deputado socialista negou a afronta: “Eu nunca falei por cima de si. O senhor não é dono do Parlamento.”

“Falou por cima de mim, falou, e enquanto o presidente não me retirar a palavra, o senhor não fala”, insurgiu-se António Carlos Monteiro. E o diálogo prosseguiu: “Mas o CDS acha que é o dono do Parlamento?”

“É o deputado Ascenso Simões, com certeza. E, já agora, dos documentos [de Tancos, em segredo de justiça]”. “Não sou, não”, disse Simões. “Parece”, respondeu Carlos Monteiro. “Não sou, não”, assegurou Ascenso Simões. “Parece”, insistiu o deputado centrista.

A troca de insultos atingiu um pico de irritação mútua quando Ascenso Simões exclamou: “E mais: o senhor é um fascista!” Mas António Carlos Monteiro negou a acusação, esclarecendo que “fascista é quem não deixa falar os outros”.

Ascenso Simões acusou mesmo o deputado do CDS-PP de fazer fugas de informação e desafiou: “Se quiser, leve-me a tribunal que eu provo-o.” E saiu da sala, sentenciando, já de pé: “Sou demasiado decente para estar num parlamento consigo.”

Sucederam-se pedidos de respeito por parte do CDS-PP e os deputados abandonaram por alguns minutos a sala 8, onde normalmente se realizam as reuniões da Comissão de Defesa, retomando alguns minutos depois e manifestando disponibilidade para encontrar um consenso em relação ao assunto que motivou a discussão.

Os deputados estavam a decidir o que fazer aos documentos sobre o furto de Tancos enviados pela Procuradoria-Geral da República à Comissão de Defesa, na sequência de um requerimento do CDS-PP. Como alguns dos documentos estavam em segredo de justiça, o presidente da comissão parlamentar, Marco António Costa, propôs que caso a comissão de inquérito ao furto de material militar de Tancos viesse a pedi-los, a Comissão de Defesa devia perguntar à PGR se os podia disponibilizar à comissão de inquérito e em que termos o deveria fazer.

Foi este o entendimento que acabou por merecer o consenso dos deputados no final da reunião e já depois da discussão acalorada. Para trás ficou uma proposta do PCP para devolver os documentos em segredo de justiça à Procuradoria-Geral da República, ideia que o PS e o BE inicialmente apoiaram.

A troca de palavras entre os dois deputados começou quando, em plena discussão sobre este ponto da ordem de trabalhos, o deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro levantou uma questão regimental, questionando: “Qual é o fundamento regimental que permite que uma comissão de inquérito volte atrás” com deliberações que já tinham sido aprovadas?

É que, para o CDS-PP, os deputados não deveriam estar sequer a discutir o que fazer aos documentos, uma vez que, se foram enviados pela PGR, é porque a PGR entendeu que podiam ser consultados pelos deputados da Comissão de Defesa.

O deputado do PS Ascenso Simões manifestou o seu protesto perante o presidente da comissão, questionando a condução dos trabalhos e a duração do tempo da intervenção do deputado centrista a usar da palavra. A divergência subiu de tom naquele ponto.

Sobre o assunto e a pôr um ponto final na questão, o deputado João Rebelo declarou que não prescindia dos seus direitos parlamentares e, até porque não faz parte da comissão parlamentar de inquérito, fazia questão de ter acesso aos documentos e ameaçou que, caso não lhes dessem acesso, recorreria para plenário.

Perante esta tomada de posição, os deputados admitiram que não é possível impedir João Rebelo de aceder aos documentos enviados pela PGR, que estão num cofre fechados à chave e selados pelo presidente da comissão de inquérito, o único deputado que já a eles teve acesso. PCP, PSD, BE e PS declararam em seguida que não queriam ter acesso aos documentos sobre o furto de Tancos, matéria que vai passar a ser investigada na comissão de inquérito criada para o efeito.

“Esta comissão esgota aqui as suas competências no que toca a Tancos”, disse o deputado Marco António Costa.

Os documentos em causa incluem a lista de material furtado dos paióis de Tancos em Junho de 2017 e a lista do material recuperado pela PJM, alguns meses depois.

Quanto às listas, o procurador titular do processo respondeu à Comissão de Defesa que as podia utilizar sem reservas. Contudo, há outros documentos enviados ao Parlamento sobre o assunto que João de Melo entendeu manter em segredo de justiça. Quanto a esses, se vierem a ser solicitados pela comissão de inquérito – já há uma proposta do PSD nesse sentido – a Comissão de Defesa irá questionar a PGR.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

PS vence Europeias. BE e PAN sorriem, CDS à espera de confirmar resultado catastrófico

As primeiras projeções aos resultados eleitorais geraram palmas e um ambiente efusivo por parte dos militantes do PS. O CDS é um dos grandes derrotados da noite e o PAN a surpresa. As eleições para …

Conan Osiris vence prémio de mais mal vestido em palco

Não é o prémio que Portugal esperava, mas é um prémio. Conan Osiris venceu o Barbara Dex Award, atribuído ao participante do Festival Eurovisão da Canção que veste a pior indumentária em palco. Conan Osiris é …

O exoesqueleto desta aranha parece o capacete de um minúsculo extraterrestre

No mundo animal, o acasalamento pode ser uma verdadeira batalha. As aranhas-pavão, por exemplo, deixam os seus capacetes para trás (literalmente).  Na hora do acasalamento, o macho da aranha-pavão (Maratus velutinus) deixa o seu exoesqueleto para …

Se chover durante a estadia, esta ilha italiana reembolsa os turistas

Há uma ilha italiana que reembolsa os turistas em aso de chuva. A iniciativa desafia as unidades hoteleiras a reembolsarem os clientes se chover mais de duras horas durante o dia. Se é daquelas pessoas que …

Prada deixa de usar peles a partir de fevereiro de 2020

A marca italiana dirigida por Miuccia Prada anunciou o fim da utilização de peles de animais a partir do próximo ano. A coleção apresentada em fevereiro de 2020, correspondente ao outono-inverno 2020/21, será a primeira …

Líderes falam em abstenção e apelam ao voto. Está "um dia maravilhoso para votar"

Cerca de 10,7 milhões de eleitores vão eleger os 21 deputados ao Parlamento Europeu. À boca das urnas, foram vários os líderes políticos que exerceram o seu direito de voto apelando à participação dos portugueses. A …

Se o mundo vivesse como os portugueses os recursos naturais acabavam hoje

Os recursos naturais da Terra chegavam este domingo ao fim se todas as pessoas do planeta consumissem como os portugueses. Na União Europeia, a Estónia e a Dinamarca já esgotaram os recursos em março passado.  Os …

Até às 16 horas, só votaram 23,37% dos eleitores

As eleições para o Parlamento Europeu, que decorrem desde as 08h00 deste domingo em Portugal, registaram uma afluência às urnas de 23,37% até às 16:00, segundo dados da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna. A percentagem …

Cientistas analisaram vómito de tubarão e descobriram algo inesperado

Um estudo divulgado na terça-feira revelou que o tubarão-tigre também se alimenta de pássaros terrestres, para surpresa dos cientistas. Os tubarões são bastante ecléticos no que toca a comia. As presas vão desde peixes a invertebrados, …

ADN reúne irmãos de países diferentes fruto de uma história de amor da 2ª Guerra Mundial

André Gantois, um francês de 73 anos que passou décadas a tentar descobrir quem era o seu pai, nunca imaginou que a busca chegaria ao fim graças a uma feliz e inesperada coincidência e que …