/

Em 2018, um diplomata norte-coreano desapareceu em Itália. Fugiu para a Coreia do Sul

Jo Song-gil, ex-embaixador da Coreia do Norte em Itália, que desapareceu em 2018, vive secretamente na Coreia do Sul desde julho do ano passado.

O anúncio foi feito pelo presidente do comité de inteligência da Assembleia Nacional da Coreia do Sul esta quarta-feira, confirmando uma deserção de alto nível, segundo o Vice.

O legislador e presidente do comité de inteligência Jeon Hae-cheol disse a repórteres esta quarta-feira que Jo, o ex-embaixador interino em Itália, veio à Coreia do Sul voluntariamente no ano passado. Segundo Jeon, Jo expressou repetidamente seu desejo de viver no Sul.

Anteriormente, Ha Tae-keung, outro legislador e membro do comité, escreveu no seu Facebook que Jo entrou na Coreia do Sul e está sob a proteção do Governo.

하태) 조성길 대사 관련 추가 문의가 쇄도하고 있지만 지금 국방부 국정감사 중이라 간단히 입장 밝힙니다.어제 저녁 JTBC가 조대사 입국 언론 보도가 있었고 그 직후부터 이미 취재를 하던 언론들로부터 정보위…

Publicado por 하태경의 라디오하하 em Terça-feira, 6 de outubro de 2020

Porém, segundo o presidente, Jo não está bem, porque está preocupado com a permanência da família no Norte.

Em novembro de 2018, Jo e a sua esposa desapareceram do seu posto diplomático em Roma pouco antes de regressar a Pyongyang no final do seu mandato, mas a sua filha não conseguiu escapar e foi repatriada para o Norte.

Jo Song Gil é um dos diplomatas mais velhos a desertar para a Coreia do Sul desde que o líder norte-coreano Kim Jong-in assumiu o poder em 2011.

O último diplomata norte-coreano a desertar para o Sul foi Thae Yong-ho, vice-embaixador no Reino Unido, que foi eleito legislador do distrito de Gangnam, em Seul, durante as eleições deste ano.

Thae escreveu no Facebook que não sabia dos detalhes do caso, mas que, em geral, a família dos diplomatas deixada para trás estaria em risco. “O nível de punição imposto aos membros da família pode ser diferente dependendo de para onde os refugiados desertaram”, escreveu Thae.

Seul teme que o caso possa complicar as relações na península antes do 75º aniversário de fundação do Partido dos Trabalhadores do Norte da Coreia em 10 de outubro.

O desenvolvimento ocorre não muito depois de o líder norte-coreano Kim Jong-un ter feito um raro pedido público de desculpas pelos soldados norte-coreanos que dispararam e mataram um oficial sul-coreano no mar.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.