Pela primeira vez em 3.000 anos, diabos da Tasmânia voltam a vaguear pela Austrália

O diabo da Tasmânia é assim chamado porque só é encontrado na natureza na ilha das Tasmânia. Porém, agora, os conservacionistas reintroduziram uma população na Austrália continental pela primeira vez em milhares de anos.

Com o tamanho de um pequeno cão, os diabos da Tasmânia já vaguearam por toda a Austrália, mas acredita-se que se tenham extinguido em todo o mundo – exceto na Tasmânia – há cerca de três mil anos. Os responsáveis terão sido os dingos, uma vez que teriam competido por comida e provavelmente vencido devido ao seu tamanho maior.

Estes marsupiais carnívoros encontraram consolo na Tasmânia, onde os dingos nunca chegaram. No entanto, nos últimos anos, enfrentaram novas ameaças. A Doença do Tumor Facial do Diabo (DFTD) é uma forma de cancro mortal e misteriosamente contagiosa que matou tantos animais que agora estão em perigo de extinção. Estima-se que haja apenas 25 mil na natureza.

Agora, de acordo com o NewAtlas, conservacionistas da Aussie Ark, WildArk e Global Wildlife Conservation soltaram 11 diabos da Tasmânia num santuário de vida selvagem de 404 hectares em Barrington Tops, New South Wales, a cerca de 200 quilómetros a norte de Sydney.

O santuário foi projetado para proteger os animais de perigos como doenças, incêndios, carros e pragas selvagens como gatos e raposas.

Estes animais nasceram e foram criados como parte do programa de criação de Aussie Ark, que viu mais de 390 diabos da Tasmânia a nascer na última década. Os indivíduos foram selecionados para voltarem para a Austrália com base na sua aptidão para procriar sem qualquer endogamia – método de acasalamento que consiste na união de indivíduos aparentados e geneticamente semelhantes.

Esta libertação segue uma versão de teste assistida anteriormente de 15 diabos, o que significa que um total de 26 diabos da Tasmânia voltaram agora a vaguear pelo continente australiano.

Isto é apenas o começo. Estão planeadas mais duas reintroduções para os próximos anos, com mais 20 animais a serem soltos em 2021 e outros 20 no ano seguinte.

Para garantir que a população permaneça saudável e segura, os diabos serão monitorizados usando armadilhas fotográficas, coleiras de rastreamento, microchips e investigações regulares.

O programa não se trata apenas de proteger os próprios diabos. Aussie Ark considera estes animais uma das sete espécies fundamentais para restaurar os ecossistemas australianos. Espera-se que os outras espécies sejam libertadas no santuário selvagem no futuro.

“Esta não é apenas a reintrodução de um dos amados animais da Austrália, mas de um animal que irá projetar todo o ambiente ao seu redor, restaurando e reequilibrando a nossa ecologia florestal após séculos de devastação por raposas e gatos introduzidos e outros predadores invasores”, disse Tim Faulkner, presidente da Aussie Ark. “Por causa desta reintrodução e de todo o trabalho árduo que levou a ela, algum dia veremos diabos da Tasmânia a viver nas grandes florestas do leste como faziam há 3.000 anos.”

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O envelhecimento celular em humanos foi parcialmente revertido (com o uso de oxigénio)

Investigadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram uma forma de reverter o processo de envelhecimento celular e podem ter feito um avanço na procura pela juventude eterna. O novo estudo publicado na revista Aging …

Porto 0-0 Man City | Pragmatismo portista garante “oitavos”

O FC Porto está nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Os “azuis-e-brancos” precisavam apenas de um empate, ou que o Olympiacos não vencesse em França, em casa do Marselha, e ambos os pressupostos aconteceram – …

O céu tingiu-se de roxo na Suécia (e a culpa era de uma plantação de tomates)

O céu ficou misteriosamente tingido de roxo em Trelleborg, a cidade mais a sul da Suécia, por causa da luz vinda de uma plantação de tomate enuma cidade próxima. Há algumas semanas, os moradores de Trelleborg …

Maurícias estão a abater um morcego ameaçado de extinção por interesses económicos

O morcego das Maurícias, em perigo de extinção, é mais uma vez o centro de um polémico abate nas mãos do Governo, para alarme das organizações de conservação da vida selvagem. Sob pressão de agricultores e …

Procurador-geral dos EUA: não há provas de fraude eleitoral generalizada

O procurador-geral dos Estados Unidos da América, William Barr, reconheceu hoje que não houve fraude em dimensão suficiente para invalidar a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais norte-americanas. "Nesta altura, não vimos fraude a …

Parque de esculturas subaquático vai ser inaugurado em Miami

Miami vai servir de casa para um novo parque de esculturas subaquático como nunca viu. O ReefLine é projetado para servir como um recife artificial e vai estar disponível a receber visitantes em dezembro de …

Da "política do filho único" aos incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …