Dia do Estudante com um funeral, modelos nus e mensagens nas redes sociais

Mais de meio século depois da crise estudantil, os alunos voltam na segunda-feira a sair à rua para celebrar o Dia do Estudante, exigindo mais qualidade e financiamento do ensino superior.

Promulgado pela Assembleia da República em 1987, o Dia Nacional do Estudante comemora-se a 24 de Março como forma de relembrar as dificuldades e obstáculos que os alunos enfrentaram na década de 60, aquando da crise académica vivida em Portugal.

Actualmente, as associações académicas aproveitam a efeméride para alertar para os problemas do ensino e apelar à participação e mobilização de todos em defesa de uma educação de qualidade.

Na segunda-feira, estudantes de todo o país desenvolvem acções e iniciativas reivindicativas: No Porto, por exemplo, os alunos de Belas Artes vão desenhar o modelo nu em frente à sua faculdade, enquanto em Aveiro, se realiza o “funeral do Ensino Superior”.

Na Universidade do Minho, em Braga, a associação académica lançou a campanha “Não te cales! Manifesta a tua opinião», em que cada aluno pode enviar uma mensagem sob a importância da Educação e do Ensino Superior, os seus problemas e possíveis soluções.

O objectivo é “dar voz aos estudantes” e “sensibilizar a opinião pública para os constrangimentos que os afectam durante o seu percurso académico”, explica a associação académica que pretende divulgar as mensagens nas redes sociais no dia 24 de Março.

Em Coimbra, os estudantes vão concentrar-se no Largo D. Dinis para o “Mural das Reivindicações”. Já em Lisboa, o dia é celebrado no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ISEL.

No último ENDA, Encontro Nacional de Direcções Académicas, as associações decidiram reunir em livro os principais problemas do ensino superior e as suas reivindicações, que agora irão entregar a responsáveis da Presidência da República, Governo e Instituições de Ensino Superior, como forma de comemorar os 52 anos do Dia do Estudante.

A proibição da realização do Dia do Estudante, em 1962, levou milhares de alunos das universidades de Lisboa, Coimbra e Porto a manifestarem-se contra a falta de liberdade. Durante 100 dias, os estudantes conseguiram abalar o regime de Salazar, participando em plenários organizados pelas associações estudantis.

Os episódios de detenções e cargas policiais repetiam-se, mas não tinham o efeito desejado. Em Maio, uma greve de fome culminou com a prisão para centenas de estudantes que estavam reunidos na Universidade de Lisboa.

A luta “foi uma genuína revolta dos estudantes portugueses contra a falta de liberdade, um movimento que abalou muito o regime”, contou Isabel do Carmo, que acredita que “as lutas dos estudantes em todo o mundo, seja em que época for, abalam muito os regimes”.

ZAP/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …