/

DGS está a estudar a diminuição do período de quarentena

José Sena Goulão / Lusa

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, com o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales

Na conferência de imprensa desta quarta-feira, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu que a diminuição do período de quarentena está a ser estudada.

“Os dez dias são mais ou menos consensuais para as pessoas positivas. Mesmo os franceses, que encurtaram para sete dias em relação aos doentes, em relação aos contactos dos doentes testam ao sétimo dia e, eventualmente, se o teste for negativo, só libertam essa pessoa do isolamento ao décimo dia”, disse Graça Freitas. “Temos de ser muito cuidadosos”.

“Parece que começa a haver algum consenso à volta deste décimo dia, sobretudo para os doentes, o que seria uma ótima notícia”, acrescentou.

Graça Freitas comentou ainda a possibilidade do Santuário de Fátima receber 55 mil pessoas no espaço de celebração religiosa.

“De facto, existiu um pedido de audiência com o Santuário de Fátima relativamente à peregrinação de 13 de outubro. Não sabemos de onde surgiu o número de 55 mil, não nos foi apresentado nenhum plano de contingência, não me parece expectável que nesta situação em que nos encontramos seja possível ter 55 pessoas no Santuário de Fátima”, esclareceu a responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O Ministério da Saúde vai-se reunir com responsáveis do Santuário de Fátima “o mais rapidamente possível”, devido à “preocupação acrescida” com os aglomerados de pessoas no recinto.

“Já chegou um pedido de reunião ao gabinete por parte da instituição, o que revela bem a preocupação acrescida e com certeza que reuniremos o mais rapidamente possível”, disse o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

Em relação aos casos de infeção detetados nas escolas, Graça Freitas considera que a situação é esperada e “normal”. “São os casos que estaríamos à espera porque temos o vírus a circular no nosso país. Neste momento não há nada de extraordinário a reportar”, explicou na conferência de imprensa.

“Tem havido alguns casos isolados. Alguns aconteceram até antes da abertura da escola. Isso é expectável, não estamos perante uma situação que não estivéssemos à espera”, acrescentou.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.