Dez anos depois, PJ diz que caso Maddie “continua aberto”

Waerfelu / Wikimedia

Maddie McCann

Maddie McCann

A Polícia Judiciária continua a investigar o desaparecimento de Madeleine McCann, ocorrido em 2007 no Algarve, admitindo que se trata de “um caso único na história da PJ e do país”.

“O caso continua aberto” e a investigação foi entregue a uma equipa da PJ do Porto, revelou o diretor-adjunto da Polícia Judiciária, Pedro do Carmo, em entrevista à agência Lusa, a propósito dos dez anos do desaparecimento da criança britânica, então com três anos, do aldeamento turístico Ocean Club, na Praia da Luz, Lagos.

Para o número dois da PJ, os contornos do desaparecimento de Maddie são “um caso único na história do país e na da PJ”.

“Nunca tínhamos tido um caso semelhante nem tivemos depois”, disse Pedro do Carmo, admitindo que a polícia “tem todo o interesse em saber o que se passou, porque é dessa forma que se podem tirar as ilações para situações futuras”.

Questionado sobre se o longo tempo decorrido é inimigo da investigação, o responsável admitiu que “a PJ tem consciência que, à medida que o tempo passa, se tornará mais difícil alcançar respostas ou resultados”.

“De qualquer forma temos essa esperança e temos razões para termos esta esperança”, assegurou.

O trabalho da PJ “continuou e continua neste momento”, existindo “a esperança de encontrar respostas para o caso, e alcançar resultados” até se chegar ao momento de dizer “que nada mais há a fazer”.

Pedro do Carmo reconheceu que o caso Maddie é uma pedra no sapato da PJ e considerou que ainda é prematuro fazer uma análise sobre como decorreu todo o processo de investigação.

Não sabemos ainda o que aconteceu, qual a razão do desaparecimento da Madeleine. O que significa que ainda não estamos em condições de dizer o que foi mal feito, bem feito ou que o deveria ter sido feito”, frisou.

A avaliação crítica do caso só poderá realizar-se com o encerramento do inquérito, “quer porque encontrámos as respostas que queríamos ou porque chegámos ao ponto onde nada mais há para fazer”, disse.

A menina britânica desapareceu a 3 de maio de 2007, quando dormia, juntamente com os dois irmãos gémeos (mais novos), no quarto de um apartamento de férias no Algarve.

No início da investigação, a PJ chegou a constituir como arguido, um britânico que vivia nas proximidades do Ocean Club – Robert Murat – e que havia participado nas buscas e sido intérprete da GNR e da PJ.

No início de agosto de 2007, já depois de muitas peripécias que terão dispersado a atenção dos investigadores, a polícia britânica, com a ajuda de cães pisteiros, entrou em ação no local do desaparecimento, à procura de sangue e odores do cadáver da menina.

Em setembro, os pais de Maddie, ambos médicos, foram interrogados na PJ de Portimão e constituídos arguidos.

A 21 julho de 2008, o Ministério Público decidiu arquivar o inquérito e retirar o estatuto de arguidos ao casal McCann e a Robert Murat, ressalvando que o caso poderia ser reaberto caso surgissem “novos elementos de prova”.

Dez anos depois, a investigação ainda prossegue em Portugal e Inglaterra, apesar de as novas pistas que surgiram se terem revelado infrutíferas.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Friends: regresso da série está em negociações

De acordo com o The Hollywood Reporter, encontram-se a decorrer negociações que podem levar a uma reunião da série intemporal Friends. Este retorno seria um trunfo exclusivo da plataforma HBO Max, que ainda não foi …

NASA rebatiza Ultima Thule. Antigo nome foi associado ao nazismo

O nome do Ultima Thule deu polémica e a NASA decidiu mudá-lo. A controvérsia surgiu pelo nome dado inicialmente ao mundo gelado do Cinturão de Kuiper estar vinculado à ideologia nazi. O anúncio foi feito esta …

Vídeo mostra orcas a perseguirem tubarões-brancos na África do Sul

O tubarão-branco é visto como o maior predador dos oceanos. Mas um novo vídeo mostra que nem este animal está assim tão seguro, sendo na verdade uma presa para outras espécies. De acordo com o Science …

Descoberta a primeira vespa polinizadora da época dos dinossauros

Uma equipa de cientistas encontrou a primeira vespa polinizadora (prosphex anthophilos), que conviveu com dinossauros há cerca de 100 milhões de anos. O animal foi encontrado num fragmento de resina fossilizada em Mianmar, na Birmânia, segundo …

China está a vender drones assassinos ao Médio Oriente

A China está a vender drones capazes de matar automaticamente, sem necessidade de controlo humano. Os seus principais clientes serão a Arábia Saudita e o Paquistão. Segundo o site Defense One, uma empresa chamada Ziyan está …

Aumento da temperatura pode vir a matar 1,5 milhões de indianos por ano

Se as emissões globais de gases de efeito de estufa não forem interrompidas, cerca de 1,5 milhões de indianos podem vir a morrer anualmente até 2100 devido ao aumento das temperaturas. Os números contam de …

O vencedor do Tour de France, Egan Bernal, pode ter beneficiado de uma vantagem genética

O ponto de viragem da Tour de France deste verão ocorreu no alto de uma montanha nos Alpes franceses. Foi o resultado de anos de treinamento e, de acordo com um estudo divulgado na segunda-feira, …

Mina Chang utilizou uma capa falsa da Time no CV e conseguiu chegar ao Governo de Trump

Mina Chang, vice-secretária adjunta do Gabinete de Operações de Conflitos e Estabilização do Departamento de Estado dos Estados Unidos, mentiu no seu currículo para conseguir alcançar um lugar no Governo de Donald Trump. De acordo com …

Jovem norueguesa controla 450 perfis no Instagram para tentar evitar suicídios

Uma norueguesa de 22 controla 450 perfis privados no Instagram para tentar evitar suicídios, conta a emissora britânica BBC, revelando ainda que a jovem recebeu já o apelido de "salva-vidas" devido ao trabalho que leva …

Espanha vai tentar exumar 31 corpos que se encontram no Vale dos Caídos

As autoridades espanholas vão tentar exumar 31 dos milhares de corpos de pessoas enterradas no Vale dos Caídos, um grande mausoléu onde esteve enterrado o ditador Francisco Franco até ao mês passado. Segundo a agência Associated …