/

Detidos engenheiros que deram como segura a barragem brasileira de Brumadinho

Yuri Edmundo / EPA

As autoridades brasileiras cumpriram nesta terça-feira cinco mandatos de detenção e outros de busca contra engenheiros e funcionários que atestaram a segurança da Barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, cuja rutura fez pelo menos 65 mortos.

De acordo com o jornal brasileiro Estadão, dois engenheiros, Makoto Namba e André Yum Yassuda, foram detidos na cidade de São Paulo. A Globo acrescenta que as ordens de detenção são temporárias, tendo uma validade de 30 dias.

Segundo a mesma emissora, a estas dois engenheiros juntam-se três funcionários da empresa mineira Vale. A par das detenções, decorreram também buscas em sedes de empresas e residências em Nova Lima, Minas Gerais e em São Paulo.

Escreve o brasileiro Estadão que esta terça-feira, 29 de janeiro, foram levados a cabo cinco mandados de prisão e outros de detenção e buscas contra engenheiros que atestaram a segurança da barragem que colapsou na passada sexta-feira, causando uma avalanche de lama e resíduos minerais.

A Globo avança ainda que em causa estarão suspeitas de fraude de documentos.

A operação tem como objetivo apurar as responsabilidades criminais da rutura da barragem e foi levada a cabo pela Polícia Federal, o Ministério Público Federal, os Ministérios Públicos Estaduais de Minas Gerais e São Paulo e as Polícias Civil e Militar de Minas. Em São Paulo, as ações foram conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado e pelo Departamento de Capturas (Decade) da Polícia Civil.

Através do Twitter, a Vale disse estar a colaborar com as investigações: “Referente aos mandados cumpridos nesta manhã, a Vale informa que está colaborando plenamente com as autoridades. A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”.

A rutura da barragem da Vale, na região metropolitana de Belo Horizonte, ocorreu na sexta-feira e causou uma avalanche de lama e resíduos minerais. De acordo com o balanço mais recente da Defesa Civil brasileira, estão confirmadas 65 vítimas mortais. Até ao momento, 31 dos mortos já foram identificadas, havendo ainda 279 desaparecidos, 192 pessoas resgatadas, 386 localizadas e 135 desabrigadas.

As buscas por vítimas encontram-se no quarto dia, e, segundo as autoridades, o número de mortes deve aumentar. A lama proveniente da rutura da barragem varreu a comunidade local e parte do centro administrativo da empresa mineira Vale, destruindo o refeitório onde se encontrava uma parte dos funcionário

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.