“Mal-estar” no PSD. Deputados votaram à revelia de Rui Rio

PSD / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

A direcção do PSD considera “gravíssima” a decisão da bancada social-democrata de votar a favor do projecto do CDS-PP sobre combustíveis, notando que foi tomada “à revelia” de Rui Rio. Um dado que surge numa altura de divisão no partido, com a estratégia de Rio a ser contestada.

A bancada do PSD contribuiu para aprovar, na generalidade, votando a favor o projecto de lei do CDS-PP que elimina o adicional do Imposto Sobre os Combustíveis (ISP), iniciativa que teve votos contra de PS e abstenções de PCP, BE e PEV.

Uma votação que aconteceu “completamente à revelia do doutor Rui Rio, que foi confrontado com a decisão já tomada”, assegura à Agência Lusa uma fonte da direcção do PSD.

“Se o presidente do PSD tivesse sido informado previamente, a decisão teria sido de rejeitar esta iniciativa”, constata a mesma fonte, frisando que a aprovação do projecto de lei do CDS “é incoerente” com o facto de os sociais-democratas terem também uma proposta sobre o tema “que apenas recomenda, não é imperativo”.

Além disso, o voto favorável contrasta com a posição manifestada por Rui Rio apenas dois dias antes, no encerramento das jornadas parlamentares do partido.

“A nossa função não é empurrar o Governo para a irresponsabilidade e populismo de dar aquilo que não pode dar”, frisou Rui Rio, considerando que o “milagre económico é aldrabice política”.

A direcção do PSD entende, assim, que a votação a favor do projecto do CDS “contraria completamente” o discurso e a estratégia de Rio. Além disso, se o projecto de lei for aprovado em votação final global, há o “risco” de “rebentar completamente com a receita do Orçamento do Estado e agravar o défice“, frisa a mesma fonte.

“Incompreensão” e “revolta”

Por outro lado, a entrevista que Silva Peneda, ministro-sombra do PSD para a área da Solidariedade e Sociedade de Bem-Estar, deu ao Público e à Renascença está também a causar mau estar no seio do partido.

Silva Peneda manifestou-se “a favor da estabilidade política”, considerando que “os mandatos devem ser cumpridos” e que é melhor para o PSD viabilizar o Orçamento de Estado do Governo PS do que haver eleições antecipadas.

Estas palavras geraram “incompreensão” e “revolta” entre vários sociais-democratas, como Carlos Abreu Amorim e Arménio Santos, que se manifestarem no Facebook contra as declarações de Silva Peneda.

Um ex-dirigente do PSD fala mesmo de uma “estratégia kamikaze” por parte da direcção de Rui Rio, em declarações ao Público, considerando que admitir viabilizar um Orçamento do PS “é estar a dar mais força a Costa nas negociações” com os aliados de Esquerda.

“O que Rio devia estar a fazer era encostar o PS às esquerdas radicais“, constata este ex-dirigente social-democrata não identificado, acusando a actual direcção de “desorientação”.

Num tom mais conciliador, o ex-vice-presidente do PSD, Marco António Costa, diz ao Público que “o melhor é aguardar por desenvolvimentos, nomeadamente, pelas propostas para o OE que serão apresentadas pelo PSD”. No fundo, ele desafia Rui Rio a manifestar-se para clarificar as águas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Finalmente há deputados a votar pela própria cabeça, sem precisar de indicação do leader.
    E votaram bem. E Rio também votaria assim.

RESPONDER

Marisa Matias critica Centeno por “encabeçar ameaças” a Itália

A eurodeputada Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, disse a Mário Centeno, num debate no Parlamento Europeu, que é “desconcertante” vê-lo, enquanto presidente do Eurogrupo, a “encabeçar as ameaças” a Itália, questionando-o se não "há …

Moscovici quer voltar a "tweeetar" com Costa (mas deixa avisos)

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, diz que ficará "encantado" se o primeiro-ministro e seu "bom amigo" António Costa tiver o prazer de voltar a "tweetar". Isto para sublinhar que espera que Portugal …

Não há acordo. Greve dos enfermeiros começa quinta-feira e só acaba no fim do ano

Os enfermeiros mantêm a greve que começa na quinta-feira nos blocos operatórios de cinco hospitais, por falta de acordo com o Governo sobre a estrutura da carreira. A informação foi prestada à Lusa pelos presidentes da …

Próximas eleições portuguesas podem ser marcadas por fake news

A difusão de notícias falsas durante as eleições brasileiras atingiu níveis sem precedentes e o fenómeno chegou também a Portugal, onde se pode estar a preparar uma ação semelhante para as próximas eleições nacionais, alertou …

Proposta de Orçamento mostra um "profundo desconhecimento" do país

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, considerou esta terça-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) mostra um "profundo desconhecimento" e está de "costas voltadas" para o país. "É um Orçamento que mostra …

Caso Khashoggi: Trump mantém-se ao lado da Arábia Saudita

Donald Trump emitiu um comunicado em que se pronunciou sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, revelando que embora condene veemente o crime, a relação dos Estados Unidos é com Reino da Arábia Saudita, "parceiros …

Visita de João Lourenço pode deixar “irritante” entre Portugal e Angola para trás

A primeira viagem de Estado de João Lourenço a Portugal é uma demonstração de que Portugal e Angola "pretendem enterrar o irritante e avançar com os temas da cooperação direta", avança Jornal de Angola. No editorial …

Documento de 2014 previu colapso e aconselhava encerramento da estrada de Borba

Há novos dados que apontam que a tragédia da estrada de Borba, que desmoronou, provocando a morte de 2 pessoas e mais 3 desaparecidas, poderia ter sido evitada. Um memorando de 2014 já previa a …

Noiva adolescente leiloada no Facebook. Rede social só reparou depois do casamento

Uma jovem de 16 anos do Sudão do Sul foi leiloada para casamento no Facebook. Quando a rede social reparou, a jovem já tinha sido comprada e estava casada. De acordo com a organização pelos Direitos …

Défice português “desaparece” em 2020, mas é preciso mais

O défice público de Portugal deve cair para 0,2% do PIB em 2019, como prevê o Governo, e em 2020 deve “desaparecer”, transformando-se num excedente de 0,1% do PIB, defende a OCDE. A organização dos países …