Deputados alargam casos em que podem ser substituídos. PSD debaixo de fogo por “contradição flagrante”

Mário Cruz / Lusa

O parlamento aprovou esta quinta-feira, na generalidade, diplomas do PSD, CDS-PP e PAN que alteram o estatuto dos deputados para alargar os motivos que permitem a substituição temporária dos parlamentares.

Os diplomas do PSD e do CDS-PP foram aprovados com votos contra do PS, abstenção do PAN e favoráveis das restantes bancadas e do deputado socialista Ascenso Simões. Já o projeto-lei do PAN foi aprovado com abstenções de PS e PCP e votos favoráveis das restantes bancadas e do deputado socialista Ascenso Simões.

O atual Estatuto dos Deputados, alterado em 2006 apenas com votos favoráveis do PS, permite a substituição do mandato dos deputados em três casos: “doença grave que envolva impedimento do exercício das funções por período não inferior a 30 dias nem superior a 180”, “exercício da licença por maternidade ou paternidade” ou a “necessidade de garantir seguimento de processo” judicial ou similar.

O diploma do PSD altera o estatuto dos deputados para acrescentar às atuais razões que permitem uma substituição “motivos poderosos de natureza pessoal ou profissional”, embora encurtando de 10 para seis meses o período total em que um deputado pode recorrer a esta figura numa legislatura.

Por outro lado, o PSD aproveita para alterar no estatuto o limite de tempo da suspensão de mandato por doença grave (atualmente, de 180 dias), considerando “falta de solidariedade e de humanismo” que um deputado tenha de renunciar ao mandato se, por motivos de saúde, tiver de ficar afastado por mais de três meses.

Neste caso, os sociais-democratas propõem que a suspensão por doença grave que envolva impedimento do exercício das funções possa ocorrer “por período não inferior a 30 dias e até ao limite do respetivo motivo justificativo”.

O projeto-lei do CDS-PP mexe apenas nas razões que justificam a substituição temporária dos deputados, alargando-as a “outros motivos relevantes de natureza pessoal, familiar, profissional ou académica”, também por um máximo de seis meses por legislatura.

Já o diploma do PAN quer introduzir no estatuto a possibilidade de substituição temporária dos deputados “em caso de candidatura à eleição de Presidente da República, de deputado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, de deputado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira ou de titular de Órgão das Autarquias Locais”.

Para o partido, o atual estatuto contraria o que está consagrado na Constituição sobre o “direito de participação na vida pública e do direito de acesso, em condições de igualdade e liberdade, aos cargos públicos” e também, nas várias leis eleitorais (à exceção da do Parlamento Europeu), do “direito de todos os candidatos à dispensa do exercício das respetivas funções”.

Os diplomas, que seguirão agora para discussão na especialidade, surgem meses depois da polémica à volta do pedido de suspensão do deputado único do Chega, André Ventura, para participar na recente campanha presidencial em que foi candidato, mas que acabaria rejeitado.

No final de dezembro, o PSD juntou-se a PS, BE e PCP para aprovar o parecer que rejeitou esta suspensão temporária à luz do atual Estatuto dos Deputados, mas anunciou de imediato que iria propor a sua alteração. Já CDS-PP e PAN votaram contra, tal como os deputados socialistas Isabel Oneto e Ascenso Simões.

“Farol do PSD chama-se Ventura”

Por causa disto, de acordo com a TSF, o PS e o Bloco de Esquerda acusaram o PSD de “contradição” por querer alargar os motivos de substituição dos deputado. Os bloquistas questionaram mesmo se o “farol” dos sociais-democratas é Ventura.

“O PSD sempre deu a mão ao Partido Socialista para que estas alterações não acontecessem. O que mudou agora?“, questionou o deputado bloquista Pedro Filipe Soares, perguntando se os social-democratas viram “alguma luz ou um farol”. “O farol do PSD chama-se André Ventura. Foi na sequência das lágrimas de crocodilo de Ventura que o PSD afirmou a vontade de alterar a lei”.

O deputado do PS Jorge Lacão defendeu a lei atual e questionou a mudança de posição de PSD e CDS-PP, que, no passado, rejeitaram as tentativas do Bloco para mudar a lei. “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. É flagrante a contradição entre o que estes partidos pensavam antes e pensam agora”, criticou.

Lacão manifestou-se contra a ideia de que os deputados devem poder “livremente suspender o seu mandato”, considerando que isso pode conduzir a uma instrumentalização dos parlamentares e tornar o Parlamento “numa espécie de carrossel”.

“Se se vier a admitir a possibilidade de um deputado invocar um motivo relevante de natureza familiar e profissional, significa dizer ao Parlamento: ‘vou ali e já venho e sou substituído por outro'”, avisou, considerando que é um “desrespeito pelos eleitores”.

Ventura disse que acompanharia todos os diplomas e pediu a Lacão, que “fala do alto dos seus cem deputados”, que não se esqueça dos casos dos deputados únicos.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

ALMA descobre a primeira gigantesca tempestade de buracos negros

O telescópio Atacama Large Millimeter Array (ALMA) detetou um forte vento galático impulsionado por um buraco negro supermassivo há 13,1 mil milhões de anos. Os investigadores salientam que este é o exemplo mais antigo alguma vez …

NASA vai construir telescópio espacial capaz de detetar asteroides ameaçadores

A NASA aprovou a produção de um telescópio espacial infravermelho para detetar asteroides que possam representar uma ameaça para a Terra. A agência está a desenvolver o telescópio espacial Near-Earth Object Surveyor - ou NEO Surveyor …

Muco marinho na costa da Turquia ameaça ecossistemas. E é só a ponta do icebergue

Esta semana, a Turquia lançou a maior limpeza marítima da sua história para fazer face à proliferação sem precedentes de muco marinho no Mar de Mármara, um sintoma de um problema ambiental muito maior. Debaixo das …

Fotografia da Rainha Isabel II removida da Universidade de Oxford devido à "história colonial"

Um grupo de estudantes da Universidade de Oxford removeu uma fotografia da Rainha Isabel II da sua área comum devido aos seus laços com a “história colonial”. A atitude gerou uma onda de controvérsia. A imprensa …

Espanha 0-0 Suécia | Muro amarelo trava fúria espanhola

A Espanha e a Suécia empataram hoje 0-0 em jogo da primeira jornada do Grupo E do Euro2020 de futebol, naquela que foi a primeira partida sem golos na competição até ao momento. No estádio La …

Covid-19. Variante indiana causa doença mais grave, dizem médicos chineses

A Delta está a causar doença mais grave e mais rapidamente do que durante a primeira vaga, informaram médicos na zona de Guangzhou, no sudeste da China, onde surgiu um surto recente provocado por esta …

Do café aos brinquedos. Preço do transporte de mercadorias vai atingir a nossa carteira mais cedo do que se pensava

Os preços exorbitantes do transporte de mercadorias pelo mundo poderão atingir a sua carteira mais cedo do que pensa. Mais de 80% de todo o comércio de mercadorias é transportado pela via marítima, mas o alto …

Tal é a qualidade de Portugal, que o treinador da Hungria "podia ser motorista ou roupeiro"

O selecionador da Hungria, o italiano Marco Rossi, afirmou hoje que "até podia ser o motorista ou rapaz dos equipamentos" da seleção portuguesa, tal é a qualidade dos jogadores lusos que vão disputar o Euro2020. “Estamos …

Destroços de avião descobertos no fundo de um lago nos EUA podem pôr fim a um mistério de 56 anos

Trabalhadores que testam equipamentos de investigação subaquática dizem ter encontrado os destroços de um pequeno avião nas profundezas do lago Folsom, na Califórnia. A confirmar-se, podem ter resolvido um mistério com 56 anos. As imagens de …

Norte-americanos envolvidos na fuga de Carlos Ghosn declaram-se culpados

Os dois norte-americanos acusados de ajudarem o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn a fugir do Japão quando aguardava julgamento em liberdade sob fiança declararam-se esta segunda-feira culpados perante a justiça japonesa. De acordo com fontes da …