“Decisão histórica” no Reino Unido. Ella morreu devido à poluição do ar

Uma jovem que morreu depois de um ataque de asma, em 2013, tornou-se na primeira pessoa do Reino Unido a ter registada como causa da sua morte a poluição do ar.

De acordo com a BBC, Ella Adoo-Kissi-Debrah, de nove anos, morava em Lewisham, no sudeste de Londres, perto de uma estrada muito movimentada, quando morreu, em 2013, depois de um grave ataque de asma. Nos três anos que antecederam a sua morte, a jovem teve várias convulsões e foi hospitalizada 27 vezes.

Esta quarta-feira, a decisão do Southwark Coroner’s Court fez história. O tribunal londrino concluiu que a poluição do ar teve uma “contribuição significativa” na morte de Ella. E, assim, pela primeira vez, a poluição do ar foi registada como a causa da morte de uma pessoa no Reino Unido.

Na conclusão do inquérito que durou duas semanas, o médico legista Philip Barlow confirmou que a rapariga foi exposta a níveis “excessivos” de poluição, tanto que os níveis de dióxido de azoto (NO2) perto da sua casa ultrapassavam as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da União Europeia (UE).

Em 2014, a justiça britânica determinou que a menina morrera de insuficiência respiratória aguda causada por asma grave, não por poluição. Contudo, essas conclusões foram anuladas, em 2019, e uma nova ronda de audiências foi requerida devido a novas evidências científicas, incluindo o relatório, de 2018, do professor Stephen Holgate.

Segundo a emissora britânica, este relatório descobriu que níveis ilegais de poluição, detetados numa estação de monitorização perto de casa da menina, contribuíram para o seu fatal ataque de asma. O autor do relatório disse que Ella “viveu no fio da navalha” meses antes da sua morte.

Depois de conhecida a decisão judicial, a mãe de Ella, Rosamund Adoo-Kissi-Debrah, especialista em qualidade do ar que trabalha na OMS, afirmou: “Conseguimos a justiça que ela tanto merecia. Mas isto também se trata de outras crianças, ainda caminhamos pela nossa cidade com altos níveis de poluição.”

Confrontado com este veredicto, um porta-voz do Governo britânico declarou que o Executivo está a trabalhar num “plano de 3,8 mil milhões para limpar os transportes, combater a poluição por NO2 e ir mais longe na proteção das comunidades relativamente à poluição atmosférica”.

Depois da morte da filha, Rosamund criou a The Ella Roberta Family Foundation, não só para “lembrar a sua vida e as suas paixões”, mas também “tirar lições da sua morte súbita devido à asma severa e rara”.

Estima-se que entre 28 mil e 36 mil mortes que ocorrem no Reino Unido em cada ano estejam relacionadas com a poluição atmosférica.

Filipa Mesquita Filipa Mesquita, ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Com efeito morreu de um ataque fatal de asma, ainda que os níveis de poluição tenham sido fatores que contribuiram para o efeito — isto abriu um precedente. Não tendo acesso a como chegaram à conclusão, e que valores são considerados aceitáveis (e não falo dos das organizações mencionadas) várias pessoas vão começar a usar isto como “arma.”

    Se a razão fosse a poluição teriam existido mais casos; extrapolando, o que dizer do que acontece na India e outros países onde o nível de poluição é acima dos “standards”?

    Os “alarmistas climátericos” devem estar “aos saltos” com a abertura do precedente — interessante ninguém falar da India, Rússia, China, entre outros países.

RESPONDER

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …