Entre “regabofe” dos exames e “publicidade grátis” a colégios, chovem críticas ao Ranking das Escolas

Manuel de Almeida / Lusa

A publicação do Ranking das Escolas motiva diversas críticas, desde o PSD até ao próprio ministro da Educação, com alertas de que comparam “realidades incomparáveis” e que acabam por funcionar como “publicidade grátis a alguns colégios”.

No Ranking das Escolas divulgado na quinta-feira, a melhor escola pública surge apenas no 41.º lugar. E o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, já veio dizer que não é “grande adepto de rankings”, considerando que são “bastante redutores”.

O governante também lembra que “são elaborados por órgãos de comunicação social, com os instrumentos que o Ministério da Educação disponibilizou de forma transparente”.

Também o vice-presidente do PSD e ex-ministro da Educação, David Justino, concorda que o Ranking das Escolas permite “leituras simplistas” que não são desejáveis.

“Só vejo tabelas classificativas para saber onde está o meu clube de futebol, mais nada. Os rankings a mim não me esclarecem tanto como a tabela classificativa que posso ler no Record ou na Bola”, aponta o também professor catedrático de Sociologia em entrevista à Rádio Renascença e ao Público.

“Aquilo que se passou no ano passado foi um regabofe”

Embora defendendo “o direito que as pessoas têm poder aceder à informação”, David Justino lembra também que “aquilo que se passou no ano passado relativamente às provas designadamente do 12º ano foi um regabofe“.

A pandemia de covid-19 obrigou à alteração de regras e dos critérios de avaliação e, portanto, fizeram os exames apenas os alunos que precisavam das notas das disciplinas para entrarem no Ensino Superior.

“Parte-se do princípio que as notas são comparáveis quando são usados os mesmos critérios. Se os critérios de avaliação e de ponderação são diferentes, elas deixam de ser comparáveis e, portanto, tem de se ter o máximo cuidado com as conclusões que se retiram”, aponta ainda David Justino.

Há muita maneira de ler os rankings e eu não me limito às leituras imediatas de quem está em primeiro e de quem está em segundo”, aponta ainda o dirigente do PSD, notando que é preciso ir mais além na análise, por exemplo, avaliando as “relações entre contexto social, como é que professores com a mesma origem social têm resultados diferentes, como é que escolas com o mesmo tipo de professores têm resultados diferentes”.

No fundo, trata-se de “aprender com os rankings para melhorar”, algo que só se pode fazer sem “uma leitura ligeira” dos resultados, diz ainda David Justino.

O vice-presidente do PSD revela também que o seu partido vai apresentar um projecto de resolução sobre o plano para a recuperação de aprendizagens, para “ajudar o Governo e dar vários contributos”.

“A educação não dá para brincar às oposições”, aponta, frisando que não receia ser chamado de “colaboracionista” porque é “esta colaboração que o país precisa”.

Justino destaca que esse plano deve responder a perguntas como “quanto é que se perdeu”, “o que é que se perdeu”, “em que disciplinas” e “em que anos” porque “não é tudo igual”.

“Se eu perder aprendizagens nos dois primeiros anos de escolaridade em que os miúdos têm como finalidade abarcar os códigos fundamentais da aprendizagem: a leitura, a escrita, o cálculo, etc., isso vai acompanhá-los durante o resto do trajecto todo. Ou seja, deficiências aí são muito mais graves do que deficiências por exemplo no 9º ano”, conclui.

Ministro lembra que “muitas escolas escolhem os alunos”

Sobre o Ranking, o ministro da Educação lembra também que o trabalho das escolas “vai muito para além da seriação dos resultados médios dos exames nacionais”.

Tiago Brandão Rodrigues nota ainda que “muitas das escolas têm a possibilidade de escolher os seus alunos” e, portanto, podem assim “enviesar os resultados nos exames nacionais”.

Por outro lado, outras escolas “recebem todos os alunos do entorno, independentemente da sua condição de partida, mas sempre com trabalho para que a condição de chegada seja melhor”, vinca ainda.

Brandão Rodrigues fala ainda na inflacção de notas em mais de 60 escolas, a maioria das quais privadas, apontando que tem sido feito “um trabalho preventivo, de inspecção” nos estabelecimentos de ensino.

“Publicidade grátis para alguns colégios”

Também os directores das escolas criticam o Ranking considerando que compara “realidades incomparáveis” e que pode ser desmotivador para professores e directores escolares.

Estes resultados “revelam apenas uma ínfima parte do trabalho diário das escolas e alunos”, destaca o presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, em declarações à agência Lusa.

“Há escolas que fazem um trabalho de excelência e ficam mais para baixo nestas tabelas. É muito injusto“, lamenta Filinto Lima.

Os encarregados de educação também olham com desconfiança para o Ranking, com o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, Jorge Ascenção, a apontar que os resultados têm de ser vistos “com ponderação” e relativizados.

Na análise do economista Ricardo Paes Mamede, professor no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, seria preciso divulgar, a par do Ranking, “a composição socio-económica dos alunos dos colégios privados”.

Enquanto isso não suceder, “os rankings apenas sugerem que escolas frequentadas por filhos de famílias com mais recursos económicos e culturais têm melhores notas nos exames”, salienta o economista.

“É um óptimo momento de publicidade grátis para alguns colégios, mas diz-nos pouco sobre o que funciona bem e o que se pode melhorar no sistema de ensino”, constata ainda.

Noutra publicação no Facebook, Ricardo Paes Mamede diz ainda que o Ranking aponta que “as escolas privadas são frequentadas por alunos que têm um ambiente familiar mais favorável à aprendizagem, que os seus pais gastam mais dinheiro em explicações e/ou que as escolas privadas têm vindo cada vez mais a seleccionar os seus clientes em função das notas que têm, não aceitando ou convidando a sair os que têm desempenhos menos bons”.

Susana Valente, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Boa campanha de marketing… no especial “ranking das escolas” do JN, todas as páginas tem anúncios de colégios privados!
    Só que nem todas as escolas podem selecionar alunos, nem todos os alunos tem condições para explicações ao domicílio, nem todos nasceram num berço de ouro, etc, etc…
    Estranho é haver colégios privados que, além dos alunos mais privilegiados, ainda costumam aldrabar resultados para os rankings e, mesmo assim, ficam atrás de muitas escolas públicas!..

RESPONDER

António Costa sobre a Galp: "Era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta irresponsabilidade, tanta falta de solidariedade"

Intenção de "dar uma lição" à empresa foi manifestada por António Costa numa ação de campanha, o que gerou críticas por parte dos partidos da oposição que relembraram o seu estatuto de primeiro-ministro e o …

Indústrias criativas são "fator de aceleração e crescimento" económico no país

O ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que o Governo tem identificado as indústrias criativas como “um fator de aceleração e crescimento” da atividade económica no país, reconhecendo que …

Rui Moreira garante maioria absoluta (com resultado superior a 2017). PS cai a pique

O presidente da câmara do Porto deverá consolidar a sua legitimidade à frente da autarquia. Por sua vez, o PS corre o risco de perder dez pontos percentuais de votos face a 2017. O estudo …

Fernando Nobre, fundador da AMI, alvo de processo disciplinar da Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) abriu um processo disciplinar ao médico Fernando Nobre, na sequência de uma queixa sobre declarações que prestou numa manifestação de negacionistas da pandemia de covid-19 realizada junto à Assembleia da …

Sem que precise de falar, novo teste pode diagnosticar demência precocemente

Num novo estudo, investigadores relataram grande precisão a identificar pessoas com a doença de Alzheimer através de um novo teste em que o paciente nem precisa de falar. O nosso sistema de memória visual tem uma …

Portugal a dois pontos de atingir 85% da vacinação completa

Mais de 8,5 milhões de pessoas já têm a vacinação completa contra a covid-19, o que faz com que Portugal esteja a dois pontos percentuais de atingir a meta de 85% da população totalmente vacinada. Segundo …

Encontrada parte da matéria perdida do Universo

As galáxias podem receber e trocar matéria com o seu ambiente externo graças aos ventos galácticos criados por explosões estelares. Devido ao instrumento MUSE do VLT (Very Large Telescope) do ESO, uma equipa internacional liderada …

A Lilium testou o seu táxi voador de quinta geração — com direito a vídeo e som

Empresa alemã quer tornar-se uma referência do transporte aéreo de nova geração, pelo que se tem esforçado por responder a todos os pedidos e solicitações de melhorias enviadas por possíveis compradores. O modelo eVTOL da empresa …

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …