/

Com críticas a Marcelo e provocações a Ventura, Mayan foi correr por “um Portugal mais liberal”

1

Nuno Fox / Lusa

O candidato presidencial Tiago Mayan Gonçalves, acompanhado pelo presidente da Iniciativa Liberal (IL), fez este domingo uma corrida, em Lisboa, que considerou ser mais um treino para Belém e para um “Portugal mais liberal”.

O ponto de encontro foi junto ao Padrão dos Descobrimentos. Tiago Mayan Gonçalves e João Cotrim Figueiredo apareceram equipados de calções e também com máscara, não se deixando intimidar pelo frio que se fazia sentir.

Depois de uma conversa com os jornalistas, partiram, com o devido distanciamento entre ambos, para uma corrida junto ao rio Tejo. Questionado se este foi já um treino para Belém, o candidato a Presidente da República respondeu: “É, mas a verdade é que é também o treino para uma corrida de um Portugal mais liberal que já começou há três anos, com a fundação do partido IL”. “E esta é mais uma etapa nessa corrida que está a ter sucesso e estou convencido de que terá também sucesso no dia 24 de janeiro”, frisou.

Neste oitavo dia de campanha e terceiro de confinamento geral, tal como Mayan e Cotrim, muitas outras pessoas estavam na zona a passear, correr ou a andar de bicicleta. Instado a comentar, o candidato presidencial referiu estar a ver “pessoas a fazer desporto e isso é possível e essa é uma das 51 exceções possíveis neste confinamento”.

“O que eu estou a ver é as pessoas a fazerem o que é permitido no contexto atual e da parte do Governo, se o confinamento foi definido desta forma, então os cidadãos estão a cumprir”, salientou. A corrida de hoje, frisou, tem um “caráter simbólico”, mas apontou também a importância de as “pessoas não perderam a esperança no futuro, preservarem a sua saúde mental e física”.

Queria fazer esse apelo a todas as pessoas para que se tentem preservar. A esperança de um futuro melhor está aí, eu pretendo representar essa esperança e, neste período muito difícil, há pequenas coisas que todos podemos fazer, nomeadamente dar uma corrida ou um passeio”, salientou.

Tiago Mayan fez um balanço positivo da primeira semana de campanha, apesar do contexto de pandemia, e apontou um contínuo crescendo no apoio desde que a sua candidatura foi anunciada. “Independentemente das dificuldades de fazer uma campanha, eu jogo o jogo com as regras que tiver e estou a fazê-lo com gosto e muita vontade e estou a ter muita resposta, quer de cidadãos, quer nas redes sociais”, frisou.

João Cotrim Figueiredo, presidente da IL e deputado único na Assembleia da República pelo partido, juntou-se a Tiago Mayan depois de ter votado antecipadamente esta manhã para as presidenciais e afirmou que o candidato liberal “tem sido uma revelação”.

Respondendo aos que “achavam que a IL não devia ter um candidato porque era um partido demasiado pequeno ou porque o Tiago não estava preparado porque não tinha notoriedade, nem experiência mediática”, Cotrim Figueiredo respondeu: “Eu sabia que o Tiago era capaz de fazer aquilo que fez, com integridade, com coragem, assumidamente liberal, por as nossas ideias e o liberalismo outra vez no topo da agenda da discussão política”.

João Cotrim Figueiredo aproveitou para deixar um agradecimento. “Obrigado Tiago pela coragem enorme que tiveste em avançar, pelo trabalho que estás a fazer pelo liberalismo e pela IL”, salientou.

Mayan critica Marcelo e provoca Ventura

A campanha do liberal Tiago Mayan Gonçalves revelou um novo outdoor onde se pode ler a mensagem “O Presidente de todos os portugueses (até dele)”, colocado em Alcântara, Lisboa, mesmo ao lado de um cartaz de André Ventura, onde o líder do Chega se intitula “Presidente dos portugueses de bem”.

A provocação surge no mesmo dia em que o candidato apoiado pela Iniciativa Liberal (IL) foi também para as redes sociais criticar o recandidato Marcelo Rebelo de Sousa.

“Em menos de uma semana, Marcelo descredibilizou as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS), pôs em causa a fiabilidade dos testes e fez campanha num lar de idosos enquanto esperava resultado do teste à covid-19”, afirmou Tiago Mayan Gonçalves numa publicação no Twitter. Referiu ainda que “é cada vez mais difícil ajudá-lo a terminar o mandato com dignidade”.

Mayan criticou Marcelo que, no sábado, numa ação de campanha foi visitar a Santa Casa da Misericórdia do Barreiro, onde acabou por saber o resultado de um teste negativo à infeção pelo novo coronavírus.

Este teste sucedeu a outros dois também com resultados negativos, todos realizados pelo Instituto Ricardo Jorge, com amostras colhidas pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que infirmaram um anterior resultado positivo, no início desta semana.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina em 22 de janeiro. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

  ZAP // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.