Assunção Cristas exclui candidatura a Lisboa e critica direção do CDS

Paulo Novais / Lusa

A ex-presidente do CDS-PP Assunção Cristas indicou hoje que não quer ser candidata à presidência da Câmara de Lisboa, por não estarem “reunidas as condições de confiança”, e criticou a atuação da atual direção do partido.

“Passadas as eleições presidenciais, numa fase menos dramática da pandemia e volvido o Conselho Nacional do CDS-PP, que entretanto se interpôs este fim de semana, sinto que chegou a altura de dar nota pública de que não serei candidata a presidente da Câmara de Lisboa”, escreveu a ex-líder numa publicação na sua página oficial na rede social Facebook, acrescentando que, quando terminar o mandato, irá focar-se na sua atividade profissional.

A atual vereadora centrista no município da capital justificou que, “apesar do apoio das estruturas locais do partido, não estão reunidas as condições de confiança necessárias para ponderar uma candidatura”.



“Três razões essenciais pesaram na minha reflexão: a discordância da estratégia do CDS na negociação de uma coligação alargada com o Partido Social Democrata; o discurso contraditório da direção do CDS, que me considera simultaneamente responsável pela degradação do partido no último ano e uma boa candidata a Lisboa, somado ao parco interesse em falar comigo, num tempo e numa forma que fica aquém do que a cortesia institucional estima como apropriado; e os desafios profissionais que tenho pela frente”, sublinhou.

Assunção Cristas tinha vindo a ser apontada como uma possível cabeça de lista à Câmara de Lisboa e o presidente do partido chegou a considerar que seria “sem dúvida um nome forte” para esta disputa.

No que toca ao anunciado acordo-quadro entre PSD e CDS para as eleições autárquicas, a ex-presidente democrata-cristã defendeu que, “mais importante do que o nome que em concreto o CDS possa apresentar, é o relacionamento institucional e o cumprimento de critérios objetivos no diálogo entre os dois partidos que precisa de ser protegido e salvaguardado”.

“Entendo que é dever do presidente do CDS trabalhar no sentido de construir essa coligação a par de um método para em conjunto ser desenhado um programa sólido e ambicioso. Até agora, isso não transpareceu. Penso, contudo, que vai a tempo de encontrar um bom nome, da área do CDS, para encabeçar uma coligação ganhadora”, frisou também.

Considerando que “o espaço político do centro e da direita pode conquistar a Câmara Municipal de Lisboa, assim se una em torno de um projeto ambicioso para os lisboetas”, a antiga líder centrista defendeu que “são necessários um bom programa e uma grande coligação, que junte CDS, PSD, os partidos do espaço político da direita democrática que o desejem, e tenha uma forte presença de independentes”.

Na sua opinião, em Lisboa “o critério a adotar deverá ser o resultado das últimas eleições autárquicas”, de “acordo com o relacionamento histórico entre o PSD e o CDS”.

Lembrando que “foi assim que aconteceu em 1979, quando Nuno Kruz Abecasis se tornou presidente da Câmara de Lisboa”, Assunção Cristas lembrou que “em 2017, o CDS teve 20,59%, o melhor resultado da sua história”, enquanto “o PSD teve 11,2%”.

“O CDS elegeu quatro vereadores, o PSD dois. Se em 1979 a distância que na eleição anterior não chegou a quatro pontos percentuais determinou a liderança do CDS, em 2021 a diferença de quase onze pontos também o deve determinar”, vincou.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Como antiga líder do CDS, sobretudo por essa razão, independentemente das intrigas internas, faria bem aceitar ser candidata a uma câmara municipal. Assim é mais uma a ajudar a enterrar o partido.

RESPONDER

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela …

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …